HPV: causas, sintomas e tratamentos

O HPV não escolhe sexo nem idade. Conheça o vírus e saiba como prevenir-se.

HPV: causas, sintomas e tratamentos
A prevenção é sempre a melhor opção

O Vírus do Papiloma Humano, ou HPV, é um vírus que pode ser muito perigoso, quando não detetado atempadamente, e atinge tanto homens quanto mulheres. Leia mais sobre causas, sintomas e o seu tratamento.

Conheça o HPV

O que é

O HPV é assim chamado por ser um vírus responsável pela formação de lesões denominadas papilomas. Considerada umas das infeções de transmissão sexual mais comuns a nível mundial, pode originar lesões benignas, como as verrugas e os condilomas e, em casos especiais, evoluir para o cancro do colo do útero.

Apesar de ser considerado um vírus silencioso, é estimado que entre 50 e 80% da população sexualmente ativa já tenha adquirido o HPV sem, entretanto, apresentar qualquer sintoma. Nestes casos é correto afirmar que o vírus sofreu uma regressão espontânea.

Atualmente existem mais de 200 tipos de HPV identificados e catalogados. Deste total, cerca de 40 infetam especificamente a região ano genital: vulva, vagina, colo do útero, pénis e área perianal.

virus

Causas

A transmissão do HPV ocorre, regra geral, durante o contato íntimo ou sexual – vaginal, oral ou anal. Basta apenas que um dos parceiros esteja infetado e que haja contato direto de pele ou mucosas. Existem também alguns relatos raros de transmissão durante o parto.

Embora o número de mulheres infetadas seja grande, é raro que a infeção progrida para cancro. Porém, quase 100% dos casos de cancro do colo do útero estão relacionados com o HPV.

Alguns fatores de risco importantes, que podem aumentar o perigo de infeção e a consequente progressão para o cancro, que precisa ter em consideração:

  • A contaminação por alguns tipos específicos de vírus, como o HPV 16 e o HPV 18;
  • Início precoce da atividade sexual;
  • Predisposição genética;
  • Múltiplos parceiros sexuais;
  • Fumar;
  • Infeção simultânea com outras doenças sexualmente transmissíveis, como a herpes e a clamídia.

Para os genótipos HPV 16 e HPV 18, responsáveis por cerca de 75% dos casos de cancro do colo do útero relatados, já existe uma vacina.

Esta vacina, disponível através do Serviço Nacional de Saúde, dentro do Plano Nacional de Vacinação, é aplicada de forma gratuita, em meninas com 10 anos de idade que sejam residentes em Portugal. Com potencial para prevenir até 20% os casos de cancro, todos beneficiam-se da eficácia da vacina, entretanto, aqueles que a tomam antes do início da vida sexual, tanto as meninas quanto os meninos, podem fazer proveito de uma maior eficácia.

Sintomas

O HPV é considerado um vírus assintomático e não há indícios de que atrapalhe nem a fertilidade, nem a gestação.

Apesar disso, pequenas lesões podem surgir em forma de verrugas externas nas áreas da vulva, coxa e ânus. As verrugas internas aparecem no reto, colo do útero e uretra. Podem ter a aparência plana ou de uma couve-flor. Por não serem sempre visíveis, as verrugas não são a garantia de um diagnóstico, sendo os exames ginecológicos regulares a melhor maneira de prevenir e reconhecer os sintomas.

Tratamento

Ainda não há cura para o HPV e a maioria da população possui um sistema imunitário forte o suficiente para eliminar a infeção do organismo. No caso de o vírus ser detetado, o tratamento passa pela aplicação direta dos produtos receitados pelo médico responsável. As outras opções recomendadas são a crioterapia, excisão cirúrgica, laser e até eletrocoagulação.

Nem sempre os tratamentos são definitivos e pode ser necessário repeti-los após um período de tempo, caso as verrugas voltem a aparecer.

Veja também