AUMENTe AS sUAS PROBABILIDADES DE ARRANJAR EMPREGO!

Negociar regalias: o que saber

Estes benefícios (ou regalias, se preferir) podem fazer toda a diferença. Saiba quais são as mais frequentes ou como negociar as regalias.

Negociar regalias: o que saber
Uma proposta salarial pode envolver mais do que o simples salário, afinal (ainda) há empresas que oferecem benefícios adicionais.

Já aqui falamos de como deve conduzir uma negociação salarial e quais os pontos a ter em consideração. Se bem se lembra, já nessa altura lhe dissemos que deve ter particular atenção às regalias oferecidas, já que essas podem fazer toda a diferença no final do mês ou facilitar-lhe (e muito) a vida. É nessas regalias que nos focamos hoje. Se não sabe, vai ficar a saber como negociar regalias.

Quais são as mais frequentes?

Nos dias que correm falar de regalias pode até parecer que não faz grande sentido, mas (surpreenda-se!) elas existem. De facto, há por aí muitas empresas que apostam nos benefícios adicionais para cativar e motivar os seus colaboradores. Mais, estas regalias ou benefícios podem ser determinantes para um profissional decidir se aceita ou não uma proposta de emprego.  
 
Quer saber mais?
Receba as nossas melhores dicas no seu e-mail. Registe-se no E-Konomista. Diariamente, levamos até si a informação de emprego mais relevante.
Mas vamos por partes. Por regalias entendem-se todos os equipamentos, subsídios, apoios ou atividades fornecidos pela empresa, além do salário. Entre as mais comuns no mercado de trabalho, podem enumerar-se:
  1. Subsídio de transportes
  2. Subsídio de alimentação
  3. Prémios de produtividade
  4. Telemóvel, carro e/ou computador da empresa
  5. Transporte gratuito (há empresas que cedem serviços de táxi ou autocarro para as deslocações dos seus funcionários)
  6. Seguro de saúde (que pode ou não ser extensível aos familiares diretos – esposas/maridos e/ou filhos)
  7. Formação paga (e não falamos de formações internas, mas sim de Pós-Graduações, Mestrados, Doutoramentos ou cursos pontuais, de forma a permitirem que os seus colaboradores adquiram novas competências ou aprofundem as que já detêm)
  8. Lanches durante o dia (águas, cafés, chás, bolos, fruta, etc.)
  9. Ginásio gratuito
  10. Escola ou creche para os filhos
  11. Bilhetes para atividades culturais (como teatro, cinema ou exposições, por exemplo)
  12. Descontos na aquisição de produtos comercializados pela empresa
  13. Alojamento (quando o emprego requer uma mudança para outras áreas geográficas)
  14. Possibilidade de redução de horário, horário flexível ou trabalho à distância
  15. Férias pagas ou dias extra de férias
  16. Seguros de vida e/ou planos de reforma
 

Como negociar?

Negociar regalias é importante (desengane-se se pensa que não é). Senão repare. Quantas vezes não ouviu falar de casos de profissionais que dão de caras com o emprego dos sonhos mas cujo salário não corresponde às expetativas ou é demasiado baixo para permitir suportar as despesas mais básicas, por exemplo? Ou até quem sabe não esteve já nessa situação? A verdade é que nem sempre é fácil encontrar o emprego que tanto se ambiciona e – ainda para mais – com um bom salário. Mas antes de recusar porque o salário é muito baixo pense bem e tente perceber se a oferta contempla ou não benefícios adicionais, como os que referimos anteriormente. Pode não parecer, mas bem-feitas as contas, estas regalias podem compensar o (baixo) valor salarial ou até “elevar-lhe” o ordenado.

Como negociar as regalias? Simples.
 

1. Informe-se sobre a empresa

Não basta conhecer o mercado de trabalho e os salários praticados na sua área profissional, é importante que conheça também a empresa e a sua organização. Para poder negociar eventuais regalias tem, antes de mais, de saber se a empresa tem como prática comum oferecê-las. Informe-se junto de antigos ou atuais colaboradores que conheça ou pesquise online essa informação.
 

2. Seja realista

Ora vejamos, é normal que as empresas vão “enriquecendo” o leque de regalias ao longo dos anos de permanência de um colaborador. Portanto, se está agora a iniciar-se não espere ter as mesmas regalias do que um colaborador que já trabalha na empresa há mais de 10 anos, por exemplo. Faça a sua pesquisa, seja realista e tente negociar as regalias com base nas suas competências e no seu estatuto na empresa.
 

3. Faça uma contraproposta

Se porventura o salário é muito baixo, mas está mesmo muito interessado na proposta não deixe de tentar negociar algumas regalias. Não dizemos que peça férias pagas obviamente, mas não perde nada em tentar negociar o alojamento (caso o emprego implique uma mudança para uma cidade distante) ou transporte, por exemplo.
 

4. Mostre-se entusiasmado e confiante

Os recrutadores sentir-se-ão mais tentados a negociar eventuais regalias consigo se perceberem que está realmente interessado no emprego e se, durante a negociação, se mostrar confiante nas suas capacidades e mostrar que pode ser a resposta para os desafios da empresa.
 

Regalias: benéficas para todas as partes 

No fundo é isto que as regalias são: um bónus. Para os profissionais podem ser essenciais e para as empresas significam bons resultados, empenho e motivação por parte dos seus colaboradores. Afinal, qualquer profissional que se sinta valorizado pela empresa, tende a retribuir na mesma moeda.


Veja também: