Plano de Saúde Medicare

Gratuito durante 6 meses!

Ao clicar concordo receber comunicações de marketing directo enviadas por e-konomista.pt

Saber mais

8 sinais de que é mais esperto do que a média

Identificar os sinais de que é mais esperto do que a média é certamente interessante. Nos últimos anos, têm sido divulgados vários estudos sobre o tema. 

8 sinais de que é mais esperto do que a média
Descubra se é o seu caso

Por definição, inteligência é o conjunto de todas as funções mentais que têm por objecto o conhecimento. A verdade é que há diferentes tipos de inteligência e não temos todos de ter o mesmo.

Mas ainda que cada um possa ser inteligente à sua maneira, há uns mais do que outros. Como sabemos? Porque há sinais de que é mais esperto do que a média ou não. Diferentes competências (profissionais, sociais, emocionais,…) podem ser sinal de inteligência. Cada pessoa tem as suas próprias ‘skills’ que aperfeiçoou ou adquiriu, através de formação, por experiência ou até da própria educação que recebeu em casa. ‘’Talentos’ artísticos, atléticos ou técnicos podem ser sinais de inteligência.

Compreender os nossos limites, as nossas aptidões, os comportamentos e hábitos que têm influência ajuda-nos a melhorar a nossa performance. Se não se consideras muito inteligente ou julga que faz parte do padrão base, leia o nosso artigo. Descubra se tens os sinais de que é mais inteligente do que a média. Pode ficar surpreendido com o resultado.

 

8 sinais de que é mais esperto


1. É canhoto

Segundo alguns estudos, o uso da mão esquerda está associado à inteligência. Nos canhotos é o hemisfério direito, que controla o lado esquerdo, que é dominante. Estas pessoas demonstram maior criatividade e capacidade de pensamento divergente. Além disso, têm grande aptidão para a música e alguns desportos, como o ténis.



2. É o filho mais velho

Sim, a ordem de nascimento pode ter influência. Os primogénitos são, por norma, mais inteligentes e bem sucedidos do que os outros filhos. Os estudos comprovam-no mas ainda não encontraram uma explicação. Sabe-se no entanto que nada tem a ver com factores genéticos. As dinâmicas familiares podem estar relacionadas.



3. É ateu

Um estudo de 2008 analisou a relação entre inteligência e crença religiosa. Os ateus ficaram com o primeiro lugar no pódio dos mais inteligentes. Seguiram-se os agnósticos e os crentes liberais. Em último ficaram os religiosos. É um facto que são os países com taxas mais elevadas de ateísmo que registam os QIs com valores mais elevados.



4. Estudou música na infância

As crianças que estudam e ouvem música com frequência podem ser mais inteligentes. Quem o afirma é um estudo da Universidade de York e do Real Conservatório de Música de Toronto. 90.% das crianças com aulas de música apresentaram melhores conhecimentos de vocabulário, tempo de reacção e precisão. Agradeça à mãe as aulas de solfejo quando era mais pequeno.



5. Consegue equilibrar a vida pessoal e profissional

De um lado o trabalho, do outro a família e os amigos. Duas realidades distintas mas perfeitamente conciliáveis. Com a ajuda de uma agenda altamente organizada, há sempre tempo para tudo. Carreira, interesses pessoais e família são geridos com destreza. As prioridades estão bem definidas e não há stresses.



6. Tem capacidade de adaptação

Situações novas e inesperadas não são um problema. Consegue encontrar sempre a melhor solução para ultrapassar o obstáculo. Aliás, até gosta de um desafio de quando em quando para testar a sua inteligência. Mudar de emprego, de cidade ou de país não assusta. Rapidamente se integra e ambienta.



7. Está presente nas redes sociais

Acompanha a evolução do mundo digital. Marca presença nas principais redes sociais (Facebook, Twitter, LinkdIn,..). Criou perfis profissionais que gere da melhor forma, com o intuito de estabelecer contactos e relações que possam ser úteis (networking). A vida pessoal é privada e mantida à distância. Afinal, as redes sociais são instrumentos de trabalho e anda mais.



8. Não fuma

Um outro estudo, desta feita israelita de 2010, demonstrou que os fumadores tinham um QI mais baixo do que os não fumadores. 20 mil jovens do sexo masculino, com idades compreendidas entre os 18 e os 21 anos, foram a população avaliada. A média para os não fumadores era de 101 pontos enquanto que nos fumadores era 94 pontos.

Veja também: