10 curiosidades sobre o Cruise Control que vai querer conhecer

O Cruise Control torna a condução mais relaxada e ajuda a economizar combustível. O sistema ainda evita que o condutor seja multado por excesso de velocidade.

10 curiosidades sobre o Cruise Control que vai querer conhecer
Sistema que consegue manter uma velocidade constante no carro

Na indústria automóvel sempre que um novo dispositivo é fabricado, mesmo que venha complementar um anterior, geralmente representa um avanço tecnológico. Se com o limitador e regulador de velocidade o condutor apenas podia estabelecer um limite de velocidade máximo ao qual desejava circular, agora, com o cruise control pode regular a velocidade de modo a manter uma distância de segurança adequada para com o veículo à frente.

O que é o Cruise Control?

O Adaptive Cruise Control (ACC) ou controlador de velocidade ativo é um sistema capaz de manter de forma constante uma velocidade pré-estabelecida pelo condutor. O automóvel acelera automaticamente numa subida e desacelera numa situação de descida acentuada. Existem alguns automóveis que, sendo capazes de manter a velocidade desejada, conseguem também ajustá-la conforme as condições do trânsito.

Para tal, o automóvel é dotado de vários radares que ficam encarregues de analisar o terreno à frente do carro e de acelerar – ou travar – automaticamente quando um veículo mais lento se atravessa no seu caminho. Quando o obstáculo desaparece, o Cruise Control retoma automaticamente a velocidade pré-definida.

Dependendo do modelo, o sistema pode utilizar sensores e até câmaras para identificar a velocidade do veículo e a distância do carro à frente. Com essas informações, o sistema consegue regular a velocidade para que o carro não exceda o valor pré-estabelecido ou a distância até ao modelo da frente (se o sistema disponibilizar essa função).

10 curiosidades sobre o Cruise Control

1. Patente do cruise control registada em 1945

É uma tecnologia presente também em navios e aviões. O Cruise Control para carros foi criado pelo engenheiro norte-americano Ralph Teetor, sendo que a primeira patente foi registada em 1945 após 10 anos a desenvolver o sistema.

2. Os primeiros nomes

O popular piloto automático, como também é chamado, já teve diversos nomes até chegar ao Cruise Control, entre eles, Controlmatic, Speed-O-Stat, Touchomatic e Speedostat.

3. Carros americanos foram os primeiros

Os primeiros carros a contarem esta tecnologia foram os norte-americanos Chrysler New Yorker e Windsor e os Imperial – divisão de luxo da Chrysler – em 1958. A seleção da velocidade nesses modelos era feita girando um botão. A marca prometia uma economia até 15% de combustível nos modelos com cruise control. Em 1960, todos os modelos da fabricante Cadillac disponibilizavam o sistema de fábrica.

4. Equipamento de série nos modelos de gama alta

O piloto automático hoje está presente como item de série, em geral, em modelos de gama alta. Mas a maior parte das marcas disponibilizam a opção de instalar o equipamento. O piloto automático também está presente em motas, ajudando a oferecer mais conforto em longas horas ao volante.

5. Estradas escorregadias

Não é recomendado utilizar o piloto automático em estradas escorregadias ou sinuosas devido ao risco de perder o controlo do veículo.

6. Permite reduzir o consumo de combustível

Estudos realizados nos Estados Unidos apontam que o cruise control consegue reduzir em mais de 10% o consumo de combustível quando o carro circula.

7. É um mito que o piloto automático só funciona nas estradas

O cruise control pode ser usado nas cidades, especialmente para limitar a velocidade máxima. No entanto, convém lembrar que alguns modelos possuem uma velocidade mínima para poder acioná-lo, o que pode inviabilizar a sua utilização quando o trânsito está congestionado. Depende do modelo do veículo e das marcas existem casos em que o sistema atua dentro de uma margem, como a partir de 30 km/h ou no máximo até 130 km/h.

8. É possível cancelar o piloto automático sem desligar

Por isso, fique atento se o sistema ainda estiver ativado sem estar em utilização. O ideal é sempre desligar o piloto automático quando já não estiver a utilizá-lo, para não correr o risco dele ativar.

9. Pode alterar a velocidade programada

O sistema pode ser desligado pela alavanca ou pelo botão de comando. Na maior parte dos veículos, o sistema é desativado automaticamente ao pisar firmemente no pedal do acelerador, no travão ou mesmo na embraiagem no caso dos carros com caixa de velocidades manual. Alguns sistemas desativam o piloto automático por momentos quando se pisa o pedal do acelerador, retomando o seu funcionamento assim que a velocidade voltar a ficar abaixo do limite pré-estabelecido.

10. Atenção às indicações luminosas no painel

Para saber se o sistema está ligado e se a velocidade selecionada foi guardada, é preciso conferir as indicações luminosas no painel de instrumentos. Alguns cruise control alertam o condutor sobre situações críticas, como no caso do carro da frente travar bruscamente. São exemplo disso o Distronic Plus da Mercedez-Benz, o Adaptive Cruise Control 2010 no Ford TAURUS, o ACC Innodrive da Porsche e o Braking Guard da Audi.

Veja também: