Depois de acabar o curso: o que fazer?

Mas o que fazer quando acabar o curso: procurar emprego ou criar o seu próprio negócio? Saiba como tomar a sua decisão. 
 

Depois de acabar o curso: o que fazer?
Para quem termina os estudos segue-se a entrada no mercado de trabalho. Como o fazem é que varia de profissional para profissional.

Alguma vez se questionou sobre o que quer fazer depois de acabar o curso? O mais provável é que pense em procurar emprego. Afinal, todos os profissionais estão – de certa forma – “formatados” a seguir essa lógica. Mas nem todos o fazem. O que não falta são jovens que decidem, imediatamente após a conclusão dos estudos, iniciar o seu próprio negócio.

E você, o que pretende fazer para entrar no mercado de trabalho?
 

O que fazer?

Basta olhar para os números dos últimos anos para perceber que os jovens nacionais estão cada vez mais empreendedores. Promissoras e muito inovadoras as startups não param de surgir na cena empresarial e muitas delas estão mesmo em destaque tanto a nível nacional como internacional. E desengane-se se pensa que estas ideias levam anos a fermentar e a desenvolver pelas mãos de profissionais bem experientes. Nada disso, muitas delas são da autoria de jovens ainda estudantes, que depois de terminarem os estudos avançam com a criação de um negócio próprio. Se isto é para todos? Certamente que não, mas quem disse que não é para si?

 
Quer saber mais?
Receba as nossas melhores dicas no seu e-mail. Registe-se no E-Konomista. Diariamente, levamos até si a informação de emprego mais relevante.
Esta tendência tem-se acentuado em muito graças à crise económica que o país atravessa. Os jovens em busca de um futuro promissor ou de uma carreira auspiciosa acabam por repensar as suas opções e as dificuldades que o mercado de trabalho apresenta “empurram” muitos destes jovens qualificados para a criação do próprio emprego.

No enanto, criar um negócio próprio não é (como dissemos) para todos, pelo que para tomar a decisão mais acertada deve – antes de mais – analisar o seu perfil. Se há quem ambicione estar à frente de um projeto próprio e enfrentar todas as questões e dificuldades inerentes à gestão de uma empresa, também há quem prefira cumprir um horário definido e estar sob o comando de terceiros.
 

Como fazer?

Criar uma empresa não é fácil, mas também não é impossível. Se efetivamente tem perfil de empreendedor e tem uma boa ideia de negócio, não se deixe assustar pelas burocracias. É normal que tenha imensas dúvidas e que a certa altura pense que a ideia possa não ter “pernas para andar”. Mas antes de desistir informe-se sobre os programas de financiamento e mentoring para startups. Através destes questões relacionados com pitchs, planos de negócio, público-alvo serão esclarecidas e vai até ter alguma ajuda a “limar as arestas” necessárias para que tudo corra pelo melhor.

Mas há mais, até o próprio Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) dispõe já de programas de incentivo à criação do próprio emprego. É o caso do programa Garantia Jovem, que envolve várias medidas de incentivo ao empreendedorismo.

Mas se, por outro lado, prefere construir uma carreira ao serviço de uma empresa trate de apostar na sua procura de emprego mal conclua os estudos. Um bom Curriculum Vitae, boas entrevistas de emprego e uma boa dose de confiança vão colocá-lo no bom caminho.
 

Ambas as opções são válidas

Independentemente da sua escolha é importante que perceba que nenhuma das duas é mais ou menos válida. São apenas opções e para cada uma delas há perfis e profissionais mais indicados e ambas têm os seus prós e contras. Seja qual for a sua escolha, o importante é que se foque em conseguir atingir os seus objetivos profissionais e construa a carreira que tanto ambiciona.


Veja também: