Isabel Barbosa
Isabel Barbosa
14 Set, 2017 - 09:39
Almoçar fora ou levar marmita? Fizemos algumas contas

Almoçar fora ou levar marmita? Fizemos algumas contas

Isabel Barbosa

Para saber quanto custa almoçar no trabalho fizemos algumas contas bem simples, mas que poderão ajudar a poupar.

O artigo continua após o anúncio

Almoçar fora ou levar marmita? Eis a questão!

Há, sem dúvida, vantagens e desvantagens em ambas as opções. Partilhar uns almoços fora com os colegas de trabalho sabe sempre bem e não terá o trabalho de preparar as marmitas.

Por outro lado, há de facto alternativas boas e saudáveis que podemos rapidamente preparar em casa para levar para o emprego e poupar nas refeições.

Sabe quanto custa almoçar no trabalho?

Fizemos algumas contas

No grande Porto, e por experiência, pode encontrar o prato do dia (só prato) a partir de 3,50€ e se for algo mais completo como o prato + bebida à escolha da casa, por vezes café ou pão, há valores a partir dos 5€.

Dependendo do local, encontram-se refeições ligeiramente mais completas ou requintadas, com sobremesa, por exemplo, a partir de 7,50€ ou menus executivos a partir de 12€.

A verdade é que feitas as contas para saber quanto custa almoçar no trabalho, sempre pelos valores mínimos encontrados, chegamos à conclusão de que vale a pena pensar mesmo nesta questão, se o objetivo é poupar algum dinheiro no final do mês.

E facilmente conseguirá poupar pelo menos 100€ se evitar fazer todas as refeições fora. Se incluir pequenos-almoços, pequenos lanches e cafés a meio da manhã e tarde, os valores serão muito superiores.

Senão vejamos alguns exemplos.

O artigo continua após o anúncio

O que pode gastar ou poupar: a escolha é sua!

1. Se tomar sempre o pequeno-almoço fora: galão ou meia de leite e pão com manteiga gastará no mínimo cerca de 1,40€ (se optar por pão com queijo ou fiambre, bem como por um néctar de fruta ou sumo natural os valores serão superiores). Porém, conservando o valor mínimo como ponto de referência, teremos só para o pequeno almoço, em 20 dias úteis, 28€. Se ainda tomar um café por 0,65€ (0.65 x 20 dias úteis) gastará mais 13€. E só aqui já vamos com o total de 41€.

2. Se optarmos pelo valor intermédio acima referido para o almoço – prato + bebida, por exemplo, a rondar os 5€ vai perfazer, nos mesmos 20 dias úteis, 100€.

3. Junte-lhe mais um café (pingo ou carioca) a meio da manhã ou tarde e acrescentará mais 13€.

4. Se lanchar um sumo e um pão com queijo ou croissant não gastará menos de 1,60€ (x 20 dias), ou seja, mais 32€ no final do mês.

De forma muito simples e não incluindo outros gastos muito habituais e necessários, como água, fruta e alguns extras, como bolachas e chocolates, atinge nos exemplos acima os 186€ mensais.

almoço

Outro exercício que pode fazer é escolher uma refeição – o lanche por exemplo – e adquirir os mesmos produtos ou equivalentes num bar ou restaurante e comprá-los no supermercado e prepará-los em casa. Por exemplo, compare os preços de um iogurte líquido, um pão com queijo e uma peça de fruta comprados nesses diferentes locais. Conseguirá perceber facilmente a diferença de valores.

Por isso, sempre que possível, tome o pequeno-almoço e o café em casa, leve marmita, lanches e alguns snacks para o trabalho se pretende poupar algum dinheiro. Mesmo não eliminando totalmente os pequenos-almoços e refeições fora, vai com certeza poupar nas refeições no emprego sem deixar de comer bem.

Veja também:

O artigo continua após o anúncio
Partilhar Tweet Pin E-mail WhatsApp