Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Sofia Ramos
Sofia Ramos
22 Jan, 2018 - 06:10

Alpes e Provença: 12 dicas sobre o que ver e fazer

Sofia Ramos

Venha connosco descobrir os Alpes e a Provença, duas regiões europeias cheias de encantos, desde as montanhas inspiradoras aos incríveis campos de alfazema.

Alpes e Provença: 12 dicas sobre o que ver e fazer

Os Alpes, que atravessam vários países, e a Provença francesa, são duas das regiões mais encantadoras da Europa, não podendo faltar no currículo de alguém que goste de passear pelo mundo. O circuito Alpes e Provença é, por isso, uma viagem popular, cujas principais atrações destacamos neste artigo. Pronto para viajar?

12 coisas para ver e fazer nos Alpes e Provença

Apreciar o Jet d’Eau em Genebra

placeholder-1x1

Quinhentos litros de água jorrados a cada segundo, saindo a 200 km por hora e atingindo os 140 metros de altura: eis alguns números do incrível jato que sai do grande Lago de Genebra, também conhecido por Lac Léman. Ex-libris da cidade, o Jet d’Eau data de 1891, tendo na altura servido para assinalar o 600º aniversário da Suíça.

Pode ir até bem perto do jato através do pontão Quai Gustave Ador, mas um dos melhores locais para apreciar a inusitada “fonte” é o Bains des Pâquis, um complexo balnear em pleno lago, onde mesmo no inverno é possível nadar. No verão, é possível praticar diversas atividades nesta zona, como paddle surf ou cursos de mergulho.

Conhecer a sede das Nações Unidas

placeholder-1x1

Genebra é conhecida como a Capital da Paz, devido ao facto de acolher muitas instituições humanitárias internacionais, como a Cruz Vermelha – cujo fundador era suíço – ou a Organização das Nações Unidas. Vale a pena ir até ao Parc de l’Ariana, uma formidável área verde da cidade e visitar o Palácio das Nações, sede da ONU, atualmente presidida por António Guterres.

Mas a atmosfera pacífica e tranquila é algo que se sente em toda a cidade, desde logo através da visão das montanhas alpinas, como o famoso Monte Branco. Por outro lado, as ruas da Cidade Velha convidam a passeios sem horas – isto apesar de em Genebra estar bem presente a fama do país na relojoaria! – com paragens em locais marcantes como a Catedral de Saint-Pierre.

Andar de teleférico no Mont Salève

placeholder-1x1

Ainda em Genebra, e de forma a obter uma visão panorâmica da segunda cidade mais populosa da Suíça, porque não fazer uma viagem de teleférico? Falamos do teleférico do Mont Salève, que o coloca a 1100 m de altitude em menos de cinco minutos.

Este é um programa especialmente apreciado pelos amantes da natureza ou dos desportos radicais, uma vez que no Mont Salève há uma série de atividades disponíveis, desde o parapente à escalada, passando pelo trekking ou, no inverno, pelo esqui. Aqui, não falta um restaurante com especialidades suíças para repor energias.

Esquiar no Monte Branco

placeholder-1x1

Não podíamos falar nos Alpes sem falar de desportos de inverno. E Genebra, uma das cidades em destaque neste circuito Alpes e Provença, é um excelente ponto de partida para alguns dias na neve. Sabia que existem cerca de 300 estações de esqui nos arredores da cidade? E até o famoso Monte Branco está apenas a cerca de uma hora de distância.

Courchevel, Chamonix e La Clusaz são algumas das estâncias mais próximas. Aqui poderá praticar ou iniciar-se na prática de ski e de snowboard. Mas se as atividades físicas não são o seu forte, pode ficar-se pelas esplanadas dos chalés, onde pode relaxar e conviver, acompanhado de um delicioso chocolate quente, entre outras opções apetecíveis.

Comer Fondue de queijo ou raclette

placeholder-1x1

O fondue de queijo é um prato típico alpino de comer e chorar por mais, para além de ser um prato divertido, para saborear e partilhar com a família ou entre amigos. No molho de queijo, normalmente aromatizado com vinho e ervas, mantido quente e cremoso pela lamparina do fondue, são mergulhados pedaços estaladiços de pão.

A raclette é outra especialidade feita com queijo. O nome advém de uma espécie de grelhador, que derrete o queijo, mas também serve para designar os próprios queijos utilizados neste tipo de confeção. Bastante popular em Genebra e um pouco por toda a Suíça, este prato costuma ser servido com batatas, legumes, fiambre e presunto, entre outros acompanhamentos.

Dica extra: onde comer especialidades suíças em Genebra:

Namorar no Centro histórico de Annecy

placeholder-1x1

Continuando nesta viagem pelos Alpes e Provença, chegamos agora a Annecy, cidade pitoresca dos Alpes Franceses. O Lago de Annecy marca a paisagem local, abastecendo os canais do rio Thiou que serpenteiam a cidade, e fazem com que esta seja muitas vezes apelidada de “Veneza dos Alpes”.

Percorra o bairro medieval com as suas poéticas pontes e casas floridas e absorva esta atmosfera peculiar, fazendo uma pausa nos muitos cafés e restaurantes charmosos. Neste cenário romântico, há algumas visitas obrigatórias, como o Palai de L’Isle, o Château d’Annecy e a aldeia de Talloires, a que se chega através de uma curta e bonita viagem de barco.

Visitar o Palácio dos Papas em Avignon

placeholder-1x1

Já na Provença, uma das paragens neste pequeno périplo europeu será feita em Avignon – Avinhão, em português – frequentemente designada como a “cidade dos Papas”. Isto porque esta cidade do sul de França foi, durante algum tempo, local de residência dos chefes da Igreja Católica. O Palácio dos Papas, o exemplar mais imponente da arquitetura gótica europeia, é por isso uma das atrações imperdíveis da cidade.

Tendo em conta que o seu tamanho equivale a quatro catedrais, o facto de ter demorado apenas vinte anos a ser construído – entre 1335 e 1352 – foi um verdadeiro feito para a época. Está classificado como Património Mundial da Humanidade. Os fantásticos frescos dos tetos e das paredes e a vista que se obtém dos terraços são ótimas razões para visitar esta construção monumental.

Deslumbrar-se com os campos de lavanda

placeholder-1x1

Se há imagem que associamos de imediato à paisagem da Provença são os campos roxos de lavanda, essa planta que por cá gostamos de chamar alfazema, com aroma inconfundível, muito utilizada no fabrico de sabonetes, perfumes e outros produtos de higiene e beleza.

A melhor altura para encontrar os campos floridos é de meados de junho até meados de agosto, sendo que a colheita normalmente decorre de 15 de julho a 15 de agosto. Não pode viajar nessa altura? Não se preocupe, em setembro, por exemplo, poderá apreciar as vinhas e visitar as adegas da Provença.

Na verdade, seja qual a for a época do ano, não faltam motivos para viajar até esta região, onde se encontram muitas das “mais belas aldeias de França”: pequenas povoações rústicas, com casas em pedra e portadas em madeira, enquadradas de forma harmoniosa na paisagem, onde não é difícil apetecer viver.

Entrar no Atelier de Cézanne em Aix-en-Provence

placeholder-1x1

E por falar em povoações pitorescas, damos agora um salto a Aix-en-Provence, uma terra com longa tradição enquanto o berço e lugar de acolhimento de intelectuais e artistas. Para além de Paul Cézanne, outras figuras ilustres se deixaram enfeitiçar por esta região única, como o escritor Emile Zola ou o pintor húngaro Victor Vasarely.

No Atelier de Cézanne vai poder ficar a conhecer melhor este pintor pós-impressionista, venerado por génios como Picasso ou Matisse. Foi neste estúdio que Cézanne terminou o célebre quadro “As Banhistas” e pintou a série dedicada ao Monte de Saint-Victoire, paisagem que Cézanne contemplava de sua casa, entre outras obras emblemáticas.

Viajar ao tempo dos romanos em Arles

placeholder-1x1

Arles é outra das cidades a não perder em qualquer circuito Alpes e Provença. Banhada pelo rio Ródano, que desagua pouco depois no Mediterrâneo, esta cidade provençal guarda incríveis tesouros da época romana, nomeadamente um impressionante anfiteatro, onde se realizavam lutas entre gladiadores e que acolhia até trinta mil espetadores.

Não deixe também de conhecer o que resta do Teatro Antigo, construído entre os anos 30 e 40 a.C. e capaz de receber dez mil pessoas para assistir a eventos culturais. As Termas de Constantino e o Alyscamps, um cemitério romano que continuou a ser usado até à idade média, são outros importantes testemunhos da passagem dos romanos por Arles que merecem uma visita.

Sentir o charme provençal em Saint-Remy-de-Provence

placeholder-1x1

O charme característico das vilas e aldeias provençais pode ser encontrado em modo concentrado em Saint-Remy-de-Provence. Casas em tom ocre, janelas decoradas com flores, portadas em madeira colorida, românticas praças com fontes: um cenário cinematográfico para descobrir com calma.

Para além da beleza da arquitetura tradicional e de atrações como o Mosteiro de Saint-Paul-de-Mausole ou as ruínas romanas de Glanum, Saint-Remy-de-Provence tem ainda o bónus de ter sido a vila que viu nascer Nostradamus ou que acolheu artistas como Vincent van Gogh.

Fazer uma caminhada pelo Parc Naturel Régional des Alpilles

placeholder-1x1

Por último, nesta lista de coisas que não deve perder se fizer um circuito Alpes e Provença, falamos-lhe de dedicar alguns momentos a um parque natural de grande importância na região: o Parque Natural Regional dos Alpilles.

Situado na Provença ocidental, junto de Saint-Remy-de-Provence, trata-se de uma área composta por paisagens bastante diversificadas: montanha calcária, bosques, lagos, vinhas, olivais e aldeias encantadoras. A fauna é igualmente variada, desde os animais selvagens aos rebanhos ou aos cavalos, estes disponíveis para passeios.

Veja também: