Publicidade:

Amortecedores a gás ou a óleo, qual escolher?

Alguns fabricantes permitem escolher entre amortecedores a gás ou a óleo, mas quais serão melhores? Descubra as diferenças e escolha o melhor para si.

 
Amortecedores a gás ou a óleo, qual escolher?
Uns são mais dotados para o conforto, outros mais desportivos

Os amortecedores não só tornam a sua viagem mais confortável, mas também são um dos grandes responsáveis por garantir a sua segurança. Em mau estado de conservação, podem originar problemas bastante mais graves do que imagina. Quando compra um carro novo, alguns fabricantes podem dar-lhe a opção de equipar o seu automóvel com amortecedores a gás ou a óleo.

Uns são mais dotados para o conforto, outros são mais eficientes em condução desportiva. Mas quais escolher? Importa referir que os dois tipos de amortecedores trabalham com óleo, contudo nos chamados amortecedores a gás é introduzido ar para torná-los mais rijos. Este tipo de amortecedores são também conhecidos como amortecedores hidráulicos.

Os amortecedores a óleo ainda são os mais utilizados na indústria automóvel atual, sendo bastante mais baratos do que os amortecedores a gás e também mais confortáveis. Por outro lado, os amortecedores a gás, ainda que mais caros, vão ser mais eficazes em condução desportiva, aumentando a aderência do seu carro em curva.Conheça as principais diferenças que existem entre os amortecedores a gás ou a óleo e saiba quais são serão os melhores para equipar o seu carro.

Amortecedores a gás ou a óleo, qual escolher?


amortecedores

Antes demais devemos perceber como funcionam os amortecedores. São o componente que conecta o chassis do seu carro às rodas do mesmo. Os amortecedores têm a função de absorver as vibrações causadas nas molas pelos buracos ou deformações das estradas através de um cilindro que está rodeado por fluído um hidráulico que controla o seu curso, garantindo assim que independentemente das condições do piso ou dos movimentos que faça, a superfície do pneu em contacto com a estrada é sempre a máxima.

Os amortecedores a óleo têm um funcionamento relativamente simples, onde o curso do cilindro é apenas controlado pelo óleo e pelo ar existente dentro do tubo. Com o uso excessivo, o óleo e o ar são submetidos a pressões fortes que fazem aumentar a sua temperatura, diminuindo a vida útil do amortecedor e degradando a qualidade e eficácia da suspensão..

Os amortecedores a gás têm um método operacional similar aos amortecedores a óleo, a única diferença é que o ar no interior do cilindro constituído por azoto e oxigénio é substituído na íntegra por nitrogénio, que é um gás que não é afetado pelas variações de temperatura, garantindo assim que independente do uso e das temperaturas atingidas pelo amortecedor, este não oscila tanto, garantindo uma maior estabilidade e maior aderência dos pneus.

Algumas pessoas dizem que os amorteceres a gás tornam a viagem muito desconfortável, e que não podem ser usados em carros que transportem muita carga pois correm o risco de explodir devido ao gás. Nenhuma destas afirmações é verdadeira, e os amortecedores a gás são tão ou mais seguros como amortecedores a óleo, com a benesse de poderem durar mais anos. Outro dos fatores que diferenciam os amortecedores a óleo dos amortecedores a gás é o preço, já que os amortecedores com o composto de nitrogénio são mais caros, sendo que se usar o seu carro muitas vezes por estradas em más condições, a diferença de preço a pagar poderá compensar ao fim de pouco tempo.

Assim sendo, na hora de escolher entre amortecedores a gás ou a óleo, a sua escolha deverá ser ponderada consoante o uso que dará ao carro. Sendo que os amortecedores a gás estão a virar tendência no mercado e a maior parte dos fabricantes de luxo já nem sequer incorpora a opção de amortecedores a óleo nos seus modelos, esta deverá ser a escolha mais sensata. Ainda assim, o peso desta opção e os trajetos que percorrerá na maior parte das vezes é aquele que deve pautar a sua escolha.

Veja também:

Marvin Tortas Marvin Tortas

Licenciado em Ciências da Comunicação, homem do Norte, apaixonado por carros e com experiência em desporto automóvel. A seguir a mamã e papá, as palavras Ferrari, Mercedes, Audi e Fiat foram respetivamente as 3ª, 4ª, 5ª e 6ª palavras do seu vocabulário.

Também lhe pode interessar: