Publicidade:

Caminho de Santiago: siga este pequeno guia

Fazer o Caminho de Santiago é uma viagem marcante, presente na lista de objetivos de muitas pessoas. Se quer embarcar nesta aventura, este artigo é para si.

Caminho de Santiago: siga este pequeno guia
Rota peregrina com séculos de existência

Mais do que uma longa caminhada esta é uma viagem de autodescoberta, uma aventura pessoal e um desafio que eleva o espírito mais além. Neste artigo, dizemos-lhe tudo o que precisa de saber sobre o Caminho de Santiago, um desafio superado por inúmeros peregrinos ao longo de vários séculos.

De facto, esta rota milenar tem sido trilhada por milhões de pessoas desde o século IX, quando foi descoberto o sepulcro do Apóstolo Santiago, o Maior. Desde esse momento e de forma espontânea, pessoas oriundas de diversas partes do mundo percorrem os caminhos que conduzem à Catedral de Santiago de Compostela, onde se veneram as relíquias do Santo Apóstolo, dando origem a um fenómeno que se reforça a cada ano.

Percorrer o Caminho de Santiago é entrar numa rota de renovação, de transformação interior, viajando ao ritmo de outros séculos. De seguida, saiba mais sobre esta viagem única, que para efeitos de validação oficial, deve ser feita a pé, a cavalo ou de bicicleta.

Quer fazer o Caminho de Santiago? Veja tudo o que precisa de saber


A lenda de Santiago de Compostela

caminho de santiago

A devoção a Santiago foi, desde cedo, particularmente fervorosa em Espanha, onde o discípulo de Jesus terá chegado para evangelizar. No regresso à Palestina foi torturado e decapitado. Corria o ano 44 e Tiago torna-se o primeiro grande mártir cristão. Reza a lenda que outros dois discípulos, seus amigos, roubaram o corpo e o levaram num barco para a Galiza para o sepultarem. Viria a ser encontrado entre os anos 813 e 820.

A descoberta terá sido originada por uma “chuva de estrelas” (uma das teorias é que o nome Compostela vem daqui, da expressão em latim campus stellae, ou seja, “campo de estrelas”): o acontecimento terá ocorrido durante várias noites seguidas sobre um zona alta de um bosque e observado por um ermita galego chamado Pelágio. O sucedido levou o bispo Teodemiro a ordenar escavações no local, tendo sido encontrada uma arca, com o que se veio a concluir serem os restos mortais de Santiago.

Desde logo foi mandada construir nesse sítio uma capela, que posteriormente daria lugar à monumental Catedral de Santiago de Compostela, construída entre 1075 e 1128. A partir do século XII, com a publicação do primeiro guia do peregrino, centrado no Caminho Francês (Códice Calixtino), começam a chegar cada vez mais devotos, oriundos de vários países da Europa, o que faz desenvolver as localidades por onde passam.

Um Caminho ou vários Caminhos?

Caldas de Reis, Caminho de Santiago

São 7 as grandes rotas históricas que levam a Santiago de Compostela, sendo que algumas delas desdobram-se em mais do que um itinerário. Mais à frente falaremos do Caminho Português. Por agora, exploremos um pouco os outros 6 Caminhos mais populares, que atravessam França e/ou Espanha.

Caminho Francês

É o Caminho de Santiago mais percorrido de todos. O ponto de partida oficial é a cidade de Saint Jean de Pied de Port, junto aos Pirinéus atlânticos, no entanto, o local mais popular para iniciar o Caminho é a cidade de Sarria, já na Galiza, a cerca de 120 km de Santiago. Há ainda quem comece a peregrinar noutras cidades espanholas:

  • Roncesvalles
  • Pamplona
  • Logroño
  • Burgos
  • Sahagún
  • León
  • Ponferrada

Caminho do Norte

É uma rota totalmente em território espanhol, que percorre a costa norte do país, começando no País Basco e passando por cidades importantes como San Sebastián, Bilbao, Santander e Oviedo. Por seguir junto ao mar oferece paisagens de grande beleza, podendo ainda associar à aventura uma interessante componente gastronómica. As cinco grandes secções deste Caminho, onde se pode iniciar o trajeto, são:

  • San Sebastián
  • Bilbao
  • Santander
  • Ribadesella
  • Villalba

Caminho Inglês

Apesar do nome, esta rota está assinalada apenas a partir de cidades como Ferrol, no norte da Galiza, o ponto de partida oficial. O nome advém do facto deste ser o percurso trilhado pelos peregrinos vindos de Inglaterra, Irlanda e Escócia, que aqui chegavam de barco. Alguns desembarcavam ainda em Ribadeo, Viveiro ou La Coruña. São cerca de 155 km repletos de paisagens verdejantes e paragens em localidades pitorescas como Pontedeume ou Betanzos.

Caminho Primitivo

É o percurso mais antigo que se conhece. Começa nas Astúrias, na cidade de Oviedo e vai até Lugo atravessando os Picos da Europa. Um pouco mais à frente de Lugo, funde-se com o Caminho Francês. Foi este o percurso da peregrinação liderada pelo rei Alfonso II no século IX, que assim confirmou que os restos mortais encontrados eram de Santiago.

O monarca foi um dos grandes entusiastas das peregrinações, tendo sido às suas ordens que a primeira catedral começou a ser construída. Quem percorre este Caminho inicia a aventura em Oviedo (210 km até Santiago) ou em Lugo (111 km até Santiago).

Via da Prata

Menos conhecido do que os anteriores, trata-se do Caminho que parte de Ourense e que utiliza antigas estradas romanas que uniam o sudoeste ao noroeste da Península Ibérica. O nome terá vindo da palavra árabe “balata”, que significa “pedra” (caminhos de pedra) e não do metal precioso. Trata-se de um percurso com cerca de 110 km.

Caminho de Finisterra

Esta é uma rota peculiar, uma vez que não termina mas começa em Santiago de Compostela. O Caminho de Finisterra une Santiago a Múxia num percurso de 87 km e foi incluído no Códice Calixtino como tradição Xacobeia – ou seja, oficialmente ligado ao culto a Santiago.

A origem deste itinerário de peregrinação é, no entanto, anterior ao cristianismo, tendo depois inspirado muitos caminhantes que chegavam a Santiago de Compostela a continuar a peregrinação até ao “fim do mundo”.

Pelo Caminho de Santiago, a partir de Portugal

S. Pedro de Rates, Póvoa de Varzim

O Caminho Português de Santiago  apresenta 3 rotas possíveis: o Caminho Português Central, que começa em Lisboa, passa pela cidade Invicta e atravessa o Minho;  o Caminho Português da Costa, que deriva deste primeiro a partir de S. Pedro de Rates, na Póvoa de Varzim, seguindo pela costa portuguesa e espanhola; e o Caminho Português do Interior, que parte de Viseu e sobe por Trás-os-Montes e pelo interior galego até Compostela.

Os três pontos de partida habituais para quem vai fazer o Caminho Português são o Porto (cerca de 230 km até Santiago), Ponte de Lima (cerca de 150 km) e Valença (cerca de 115 km). De seguida, mostramos-lhe um plano de etapas a partir do Porto, com referência aos locais mais interessantes por onde irá passar.

Etapa 1: Do Porto a Vilarinho (Vila do Conde)

  • Percurso: 25 km
  • Pontos de interesse: Capela da Ramada Alta, Descida da Sé do Porto, Igreja da Misericórdia / Rua das Flores, Pelourinho do Porto, Mosteiro de Vairão.

Etapa 2: De Vilarinho (Vila do Conde) a Barcelos

  • Percurso: 26 km
  • Pontos de interesse: Ponte D. Zameiro e as Azenhas junto desta, Ruínas da antiga Estalagem das Pulgas, Ponte do Ave, Capela de Nossa Senhora da Ajuda.

Etapa 3: De Barcelos a Ponte de Lima

Barcelos, Caminho de Santiago

  • Percurso: 30 km
  • Pontos de interesse: Igreja de Santa Maria Maior, Igreja do Senhor da Cruz, Cruzeiro do Espírito Santo, Capela de Santa Cruz, Capela do Espírito Santo, Cruzeiro na bifurcação para Ponte de Lima.

Etapa 4: De Ponte de Lima a Valença/Tui

  • Percurso: 38 km
  • Pontos de interesse: Ponte romano-gótica sobre o rio Lima; Capela do Anjo da Guarda, Caminho das Tojeiras, Caminho nas Barrosas, Igreja de Santa Marinha de Arcozelo; Portão da Quinta de Sabadão, Arco da Geia.

Etapa 5: De Valença/Tui a Redondela

  • Percurso: 29 km
  • Pontos de interesse: Túnel do Convento das Clarissas, Cruzeiro em San Bartolomeu de Rebordáns, Ponte da Veiga sobre o rio Louro, Ponte internacional de Valença, Capela da Virgem do Caminho, Catedral de Tui.

Etapa 6: De Redondela a Pontevedra

  • Percurso: 18 km
  • Pontos de interesse: Outeiro de Penas (parque de merendas), Vista sobre a Ria de Vigo, Igreja de Santiago de Redondela.

Etapa 7: De Pontevedra a Caldas de Reis

  • Percurso: 23 km
  • Pontos de interesse: Centro histórico de Pontevedra, Fonte da Xunqueira, Igreja da Virgem Peregrina, Igreja de S. Francisco.

Etapa 8: De Caldas de Reis a Padrón

Rio Bermaña, Caldas de Reis

  • Percurso: 17 km
  • Pontos de interesse: Igreja de Santa Maria, Ponte sobre o Bermaña, Fonte, Capela de San Roque.

Etapa 9: De Padrón a Santiago

  • Percurso: 21km
  • Pontos de interesse: Centro Histórico de Padrón, Rio Sar, Cruzeiro em Rueiro, Colegiada de Santa Maria de Iria Flavia, Igreja de Santiago de Padrón, Convento do Carmo.

Preparar-se para o Caminho de Santiago


mala

A peregrinação a Santiago de Compostela é um desafio físico e mental para o qual é necessário preparação adequada. Planear e antecipar os imprevistos é essencial para poder desfrutar em pleno desta aventura.

1. Preparação prévia

  • Faça exercício físico antes de iniciar o Caminho;
  • Se não costuma andar a pé, comece com caminhadas curtas e vá aumentando progressivamente;
  • Faça passeios com a mochila carregada, simulando o peso que irá transportar durante o caminho, para se habituar;
  • Estabeleça um plano de etapas, entre os 25 a 30 km por dia a pé e os 60 a 100 km se for de bicicleta;
  • Informe-se da previsão do estado do tempo, para levar roupa adequada;
  • Adapte bem a mochila ao seu corpo: evite folgas, evite excessiva compressão, não leve coisas desnecessárias.

2. Credencial do Peregrino

  • O documento que o identifica como peregrino;
  • Dá acesso aos Albergues de Peregrinos;
  • Permite o acesso, em Portugal, à rede nacional das Pousadas de Juventude;
  • Indispensável para solicitar a “Compostela” na Oficina do Peregrino, em Santiago de Compostela, que é apenas concedida a quem efetua a peregrinação com sentido cristão ou numa atitude de busca espiritual;
  • Só é atribuída a “Compostela” a quem percorra os últimos 100 km a pé ou a cavalo, ou os últimos 200 km em bicicleta até ao Túmulo do Apóstolo Santiago;
  • Pode solicitar a caderneta online em diversos sites ou então fisicamente nas catedrais que fazem parte do percurso e em alguns albergues e associações. Pode solicitá-la, por exemplo, aqui: Sé Catedral do Porto ou aqui: Associação Espaço Jacobeus.
  • Deve ter a Credencial logo no início do Caminho, para que lhe seja colocado o selo do ponto de partida e depois deve ir solicitando os respetivos carimbos ao longo do Caminho, nos locais oficiais.

3. Vieira

Vieira, Símbolo do Caminho

  • A concha de vieira é o maior símbolo do Caminho;
  • Há vários significados associados à concha, sempre presente na sinalética ao longo do Caminho. Os sulcos podem ser entendidos como os vários caminhos que levam a Compostela;
  • Outra lenda diz que o barco em que transportaram o corpo do Apóstolo foi protegido por uma concha;
  • Há também quem diga que, no início, os caminhantes só obtinham a concha no final e se estendessem a peregrinação até Finisterra. Aí abandonariam todos os seus presentes, apanhando uma concha como prova da missão cumprida;
  • À semelhança do cajado e da cabaça, esta espécie de amuleto encontra-se à venda em várias lojas e até nos albergues ao longo dos percursos.

4. Vestuário

Como ser um peregrino, Caminho de Santiago

  • Use roupa adequada para a época;
  • Se fizer o caminho no verão, leve consigo um impermeável dobrável;
  • Use bonés ou chapéus para se proteger do sol (e protetor solar!);
  • Auxilie a caminhada com um cajado, para ajudar nos terrenos mais difíceis e prevenir lesões.

5. Calçado

  • Use botas de montanha ou de treking ajustadas ao pé, de tecido leve e impermeável e que facilitem a transpiração;
  • Use meias de caminhada sem costura;
  • Deve levar também chinelos ou sandálias para descansar o pé no final do dia e ajudar a melhorar em caso de bolhas ou feridas;
  • Nunca use botas ou ténis novos na caminhada.

6. Mochila

  • Deve ser confortável, estar adaptada ao corpo, de material leve, com cintos na cintura e no peito e bolsos nas laterais e na parte superior;
  • Não sobrecarregue a mochila.

7. Técnicas para caminhar

  • Antes de começar a caminhada diária, faça alguns alongamentos aos braços e principalmente pernas e pés;
  • Comece com um ritmo suave e vá aumentando o ritmo da marcha, até estabilizar;
  • Mantenha um ritmo que lhe seja confortável e que permita, sem esforço, manter uma conversa;
  • Descanse pelo menos 10 minutos a cada duas horas;
  • Em descidas, se o piso permitir, caminhe com passo mais rápido, apoiando bem o pé e apertando um pouco mochila na cintura, para poder descansar os ombros.

8. Hidratação

  • Beba três copos de água entre uma a duas horas antes de começar a etapa, dois copos 15 minutos antes da partida e o equivalente a um copo de água a cada 40 minutos durante a etapa, perfazendo cerca de 2 litros de água por dia;
  • Beba mesmo que não tenha sede, pois ajuda a evitar problemas musculares, como cãibras;
  • Não consuma água de nascentes ou fontes de potabilidade duvidosa.

9. Paragens/pausas

  • No verão, procure um lugar fresco à sombra;
  • Alargue os atacadores e coloque os pés para cima;
  • Aproveite para beber e comer alguma coisa (preferencialmente alimentos nutritivos, como nozes, chocolate, frutas, barras de energia).

10. Cuidado com os pés

  • Todos os dias antes de começar a caminhar, aplique um pouco de vaselina;
  • Pode refrescar os pés em fontes ou lagos, porém certifique-se de que os seca muito bem;
  • Se tiver bolhas: fure com uma agulha até ficar bem drenada, mas nunca deve cortar a pele, que serve para proteger a área lesionada. Depois coloque um penso sobre a bolha, de modo a cobrir bem a área afetada.

11. Combater a fadiga

  • Deve fazer uma pausa antes de estar totalmente exausto, caso contrário a recuperação será mais difícil e lenta;
  • Para evitar a fadiga muscular, beba muitos líquidos, até mesmo bebidas energéticas, para substituir os minerais perdidos;
  • Se sofrer de exaustão por calor, procure um local fresco e beba líquidos em abundância.

Por último, se está a pensar fazer o Caminho de Santiago de bicicleta, não deixe de ler onosso artigo sobre o assuntoBom Caminho!

Veja também: