Publicidade:

A guerra da melhor francesinha do mundo. Entre nesta batalha

Meio mundo reclama ter a melhor francesinha do mundo. A outra metade reclama por ela. Vamos dissipar dúvidas? Ou então não.

A guerra da melhor francesinha do mundo. Entre nesta batalha
Francesinhas há muitas

A melhor francesinha do mundo. Neste debate só há uma afirmação pacífica. É um prato do Porto, ao Porto pertence e é quase uma heresia comê-la noutra latitude qualquer. A partir daqui, as opiniões divergem, dando pleno sentido à expressão popular “cada cabeça, sua sentença”.

Há quem goste com bife, com carne assada, vegetariana, com pão de forma, com pão bijou, enfim, a lista é longa e ilustre. Onde a guerra começa mesmo é na definição da melhor das melhores.

Toda a gente tem a sua favorita, toda a gente conhece um cantinho especial onde o forno a lenha ou o prato de barro fazem toda a diferença, onde as batatas são de melhor qualidade (e nesta luta nem entram as insípidas batatas congeladas) e, claro está, onde o fino (não há imperiais com francesinha) é melhor tirado.

Aqui no E-konomista não pretendemos resolver esta eterna questão. Muito pelo contrário. A ideia é mesmo deitar mais lenha nesta fogueira. Vai daí, encetamos de forma abnegada um tour calórico em busca do Santo Graal.

Corremos Ceca e Meca, discutimos à mesa, tiraram-se notas e chegaram-se a poucas conclusões. Assim sendo, aqui fica o nosso top 5, apresentado de forma aleatória, certos porém da barragem de críticas que se aproxima. Afinal, vai sempre faltar aquela. Se é o caso do leitor, se conhece mais e melhor, diga de sua justiça. Prometemos lá ir.

O nosso aguardado (e polémico) Top 5


Ruial Francesinhas

Na esconsa Rua de Santo Ildefonso mora há largos anos o café Ruial, especializado em francesinhas. Também tem cachorros e outras miudezas que não são aqui chamadas, porque o importante é mesmo a dita. A carne é das melhores proveniências, o pão tostado no ponto e o molho é para lá de bom, sem exageros de picantes, mas saboroso o suficiente para atiçar à cerveja, sempre bem tirada. Para quem não dispensa as batatas, são genuinamente cortadas e com excelente fritura.
Onde: Rua Santo Ildefonso, 409
Reserva: Ao fim-de-semana é aconselhável

Lado B

Do outro lado da rua está o Coliseu do Porto. Em frente mora o Lado B, onde as francesinhas deram fama e proveito à casa, que a vende como a melhor do mundo. E a verdade é que é de facto muito boa, oferecendo a opção de carne assada, um regresso às origens deste prato. Os vegetarianos não necessitam de fugir do Lado B a sete pés. Há uma opção pensada para este público, com tofu fumado, salsicha de soja e molho vegetal.
Onde: Rua Passos Manuel, 190-192
Reserva: Aconselhável, em especial quando há espectáculos no Coliseu

Barril

A inovação também faz parte do mundo da francesinha. O prato foi-se adaptando, com uma heresia ou outra à mistura, e já existem imensas variações. Meus amigos, a francesinha da pita, em Valongo, começa tornar-se num caso muito sério. Tem carne de frango cortada ao estilo kebab, bife e linguiça, tudo bem acamado em pão de pita e regado com um suave e ligeiramente picante molho. Os puristas dirão que não é uma francesinha. Até a provarem.
Onde: Avenida 5 de Outubro, 43 (Valongo)
Reserva: Aconselhável

Francesinhas da Rasa

Atravessamos a ponte para a margem esquerda do Douro para continuar a nossa demanda. Estudamos rotas, ouvimos especialistas e acabamos no Francesinhas da Rasa. A francesinha é de qualidade superior, mas as batatas ficam muito a desejar. O molho, sim, tem saber e dedicação e casa na perfeição com o queijo derretido e a carne. Destaque ainda para os excelentes ovos estrelados (para quem gosta), servidos na perfeição. Os finos saem a estalar!
Onde: Rua Pinto de Aguiar, 16 (Vila Nova de Gaia)
Reserva: Aconselhável

Café Santiago

A ida a este mítico espaço de francesinhas começou com uma sonora gargalhada, quando um amigo de visita nos disse ter comido uma francesinha de estalo… em Lisboa. Como se andava ali pelos lados da Praça dos Poveiros, o poiso natural foi o Santiago. E a qualidade continua lá, mesmo tendo em conta a massificação de uma casa que serve mais francesinhas do que muitas padarias pão-quente. No final, voltamos a questionar o nosso amigo, mas ainda está catatónico…
Onde: Rua de Passos Manuel, 226
Reserva: Aconselhável

Veja também: