Publicidade:

Os 10 mais ricos do mundo em 2018

Confira a lista dos homens (sim, porque não há mulheres na lista) que acabaram o ano 2018 com o título de mais ricos do mundo. Consegue adivinhar alguns?

Os 10 mais ricos do mundo em 2018
Conheça a lista e inspire-se!

Faz parte da tradição começar o ano fazendo balanços do ano que terminou. No entanto, alguns balanços são mais inspiradores do que outros, e o nosso está nesse grupo: fomos procurar saber quem foram, em 2018, os mais ricos do mundo.

Conhecer os mais ricos do mundo pode funcionar como inspiração. É certo que eles dificilmente contam as moedas que têm na carteira, dificilmente fazem um orçamento mensal para pagar a conta da luz e provavelmente nem sabem ao certo quanto gastam no supermercado todos os meses. No entanto, quase todos começaram por baixo: eram simples cidadãos trabalhadores como qualquer um de nós. E isso dá-nos uma certa esperança.

Antes de partir para a lista, saiba que, ainda que o mundo esteja em transformação, a lista dos mais ricos do mundo ainda só tem homens nos lugares de topo. Na verdade, tem de descer uns longos 16 lugares até se deparar com Alice Walton, filha do fundador da Walmart e a primeira presença feminina neste grupo tão restrito.

De resto, prepare-se para ler números grandes – para facilitar, vamos trocar as filas de zeros pelas palavras “mil milhões” – e ficar com muita, muita curiosidade. Como será ser assim tão incontavelmente rico?

Os 10 mais ricos do mundo em 2018


10. Larry Ellison

 

 

Fundador da empresa Oracle, Larry foi o primeiro, em 1977, a perceber que o futuro das empresas passava por uma gestão informatizada da relação com os clientes através de bases de dados. Quando, em 2014, decidiu abandonar o cargo de CEO (embora se mantenha no conselho de administração), já estava mais do que confortável na lista dos mais ricos do mundo.

Apesar de extremamente rico, Larry Ellison não se esqueceu da humanidade: em 2016, ofereceu uns generosos 200 milhões de dólares à Universidade da Califórnia do Sul para financiar a pesquisa de tratamentos para o cancro.

Pouco habituado a estar parado, o empresário fundou no ano passado uma nova empresa, a Sensei, que se dedica à agricultura hidropónica no Havai. Adivinha-se, por isso, uma subida no ranking dos mais ricos do mundo quando o empresário começar a somar mais dígitos aos atuais 58,5 mil milhões de dólares que já tem no dote.

9. David Koch

 

 

É caso para dizer que o negócio de família correu bem: David foi, até 2018, vice-presidente do grupo Koch, que é “só” a segunda maior empresa privada dos Estados Unidos.

Entre oleodutos e fertilizantes, loiça e papel higiénico, as áreas de negócio do bilionário já rendem mais de 100 mil milhões de dólares anuais, o que facilita a vontade de ajudar os outros: além de estar entre os mais ricos do mundo com uma conta bancária de 60 mil milhões de dólares, David Koch também é patrono do Lincoln Center de Nova Iorque e do Memorial-Sloan Kettering Cancer Center.

Em 1980, o empresário ainda tentou aventurar-se na política e concorreu como vice-presidente, mas percebeu que não tinha futuro quando as urnas ditaram o resultado: apenas 1% dos americanos via nele um bom representante.

8. Charles Koch

 

 

Não, não é engano: Charles é irmão de David e também ele tem 60 mil milhões de dólares no bolso para gastar. Chairman desde 1967 da empresa que o pai tinha fundado em 1940, Charles tem, tal como o irmão, 42% da empresa da família.

Menos dado às causas sociais, o empresário é conhecido por criar e desenvolver vários “think tanks” que ajudam empresários e investidores a fazer melhores negócios – alguns exemplos são o Cato Institute, a The Heritage Foundation e o American Enterprise Institute.

7. Carlos Slim Helu

 

 

De entre os mais ricos do mundo, Carlos é o único que não vem das “terras do tio Sam”. Mexicano de gema, o empresário é o clássico exemplo de que, em terra de cegos, quem tem olho é rei: quando, em 1990, se juntou a parceiros internacionais e comprou uma parte da Telmex, tomou posse daquela que era, na altura, a única companhia telefónica do México. Claro que, a partir daí, o negócio foi fácil de fazer.

Com uma fortuna avaliada em 67,1 mil milhões de dólares, Carlos e a família são agora donos da America Movil, que detém a antiga Telmex. O mexicano também investiu, entretanto, noutras áreas de negócio, como a construção civil, os bens de consumo, a mineração e a imobiliária. Mais tarde, entrou no mercado americano ao comprar 17% do New York Times.

Hoje, Carlos Helu dedica-se à coleção de arte, que exibe num museu desenhado pelo próprio genro.

6. Amancio Ortega

 

 

Se costuma fazer compras na Zara, na Massimo Dutti ou na Pull&Bear, saiba que é no bolso deste senhor que está a depositar o seu dinheiro.

Amacio Ortega fundou, juntamente com a ex-mulher, o grupo Inditex e tornou-se o “pai” da moda rápida e de baixo custo. Hoje dono de apenas 60% do grupo, o espanhol continua confortável na lista dos mais ricos do mundo graças aos dividendos que tira do negócio e que atingem os 400 milhões de dólares por ano.

Amante do ramo imobiliário, o empresário tem imóveis em Madrid, Barcelona, Londres, Chicago, Miami e Nova Iorque.

5. Mark Zuckerberg

 

 

É o mais jovem da lista dos mais ricos do mundo, mas já lá está há uns anos: o “pai” do Facebook começou o negócio aos 19 anos, quando abandonou Harvard, e foi num piscar de olhos que se tornou rico para lá do que conseguia contar.

Apesar de ter tido um ano difícil e cheio de críticas por conta da partilha de dados dos utilizadores com empresas que manipulam a opinião pública, Zuckerberg soma e segue com os seus 17% de ações da empresa.

Tal como outros parceiros no clube dos mais ricos do mundo, Mark Zuckerberg também quer deixar memórias positivas e prometeu, juntamente com a mulher, doar 99% das suas ações do Facebook até ao fim da vida. A oferta não é nada pequena: o americano tem uma fortuna avaliada em 71 mil milhões de dólares.

4. Bernard Arnaut

 

 

O nome não lhe soa familiar? E se lhe dissermos que é o dono da Louis Vuitton e da Sephora? O empresário francês já contava com 42 mil milhões de dólares no dote, mas a recente compra da Christian Dior ajudou a aumentar o império para os atuais 72 mil milhões.

Dono de mais de 70 marcas de moda – algumas de luxo -, Bernard não é particularmente dado ao filantropismo e prefere investir em monumentos ao consumismo, como o museu da Fundação Louis Vuitton, em Paris, que custou uns módicos 135 milhões de euros para por de pé.

3. Warren Buffet

 

 

Warren Buffet é a verdadeira personificação do sonho americano: o investidor está entre os mais ricos do mundo com todo o mérito, já que chegou ao topo fazendo bons e inteligentes investimentos. Aos comandos do grupo Berkshire Hathaway, o americano já controla mais de 60 empresas, incluindo a Duracell, e tem uma fortuna avaliada em 84 mil milhões de dólares.

Apesar de ser filho de um congressista norte-americano – e já ter, por isso, uma fortuna familiar razoável -, Warren decidiu muito cedo ser um homem de negócios: aos 11 anos começou a comprar ações na bolsa e o passatempo cresceu tanto que aos 13 já preenchia a própria declaração do IRS.

Até agora, o investidor já doou cerca de 35 mil milhões de dólares a causas sociais (uma boa parte deles através da fundação do amigo Bill Gates), mas promete que, até morrer, vai doar mais de 99% de tudo o que tem.

Decidido a incentivar os pares da lista de mais ricos do mundo, Warren anda desde 2010 a publicitar, com a ajuda de Bill Gates, um movimento de solidariedade que pede aos bilionários que doem metade das suas fortunas às causas sociais.

2. Bill Gates

 

 

Amigos na solidariedade e parceiros na lista dos mais ricos do mundo: Bill Gates já só tem pouco mais de 1% das ações da Microsoft, empresa que fundou em 1975, e prefere distribuir o dinheiro por outros investimentos, mas continua no topo da pirâmide com uma fortuna de 90 mil milhões de dólares.

Atualmente muito dedicado à fundação Bill and Melinda Gates, que criou para salvar vidas e melhorar a saúde global, Bill Gates está concentrado no combate à poliomielite e no investimento em investigação para o desenvolvimento das energias renováveis.

Se está a perguntar-se do que vive a fundação deste casal, a resposta é simples: é esta fundação que tem “absorvido” as ações da Microsoft que Bill foi cedendo: a doação já vai num total de 35,8 mil milhões de dólares.

1. Jeff Bezos

 

 

Chegamos ao grande líder da lista dos mais ricos do mundo. O fundador da Amazon não só é o homem mais rico do planeta como bateu todos os recordes: nunca, em 30 anos de listas de bilionários, a Forbes tinha encontrado alguém tão valioso. Sente-se, porque o número impressiona: Jeff Bezos vale uns gigantescos 150 mil milhões de dólares.

Com tantos zeros na conta bancária, ninguém diria que o negócio de Jeff começou numa garagem em Seattle, em 1994. Menos ainda que esse negócio tinha surgido de forma modesta, quando o antigo estudante da Universidade de Princeton se cansou do emprego que tinha e resolveu despedir-se para vender livros online.

Hoje, além da Amazon e de uma companhia aeroespacial que promete levar turistas ao espaço em foguetões reutilizáveis, Jeff Bezos também é um filantropista: no ano de 2018 criou o Bezos Day One Fund, que dá suporte a famílias sem-abrigo e financia a criação de pré-escolas fiéis ao método de Montessori.

Os mais ricos do mundo em 2017


1. Bill Gates;

2. Warren Buffet;

3. Jeff Bezzos;

4. Amancio Ortega;

5. Mark Zuckerberg;

Os mais ricos do mundo em 2016


1. Bill Gates;

2. Amancio Ortega;

3. Warren Buffet;

4. Carlos Slim;

5. Jeff Bezzos;

6. Mark Zuckerberg;

7. Larry Ellison.

Veja também: