Publicidade:

Os 4 melhores países para estudar medicina

Pensar em seguir uma carreia no mundo médico é um desafio. Na altura de escolher o curso, saiba quais os melhores países para estudar medicina.

Os 4 melhores países para estudar medicina
Sabe quais são?
  • Os países de leste têm sido os mais escolhidos para estudar medicina

Conhecer os melhores países para estudar medicina é fundamental para quem pretende enveredar por esta área de estudos, aspirando vir a tornar-se num médico respeitável no seio da comunidade científica e entre os pacientes. Para alcançar este objetivo, cada aspirante a médico deverá, pois, ter a informação necessária sobre os países e que os cursos na área da medicina são reconhecidos internacionalmente.

Não nos esqueçamos de que este se trata de um curso exigente e que requer um grande investimento por parte do estudante. Paralelamente, se é de facto um sonho para um aluno tornar-se médico, e se não possui a média necessária para tirar o curso em Portugal, uma vez que as médias são, como sabemos, elevadíssimas, deve procurar universidades fora do país, de modo a poder realizar essa aspiração profissional. Para tal, precisará então de conferir, de seguida, os melhores países para estudar medicina.

Quais são os melhores países para estudar medicina?


Saiba quanto custa a faculdade de medicina

1. Letónia

Este país tem estado presentes nas escolhas dos alunos que pretendem tirar o curso de medicina, uma vez que as suas propinas são de valor baixo, podendo um curso de seis anos rondar, em média, os 72 mil euros, na sua totalidade. Outra das grandes vantagens é o fato de não existir uma média de entrada.

Por outro lado, a vida nos países de leste é muito mais barata do que a média europeia, o que facilita o orçamento quotidiano dos estudantes. Conheça aqui uma das melhores universidades da Letónia, a RSU.

2. República Checa

A República Checa tem uma ampla tradição na área da medicina, sendo que as duas melhores e mais antigas universidades do país para tirar o curso de medicina são a Charles University e a Palacky University. Outras vantagens de estudar na República Checa são o custo de vida reduzido, a localização geográfica e a diversidade académica que a região oferece.

Os exames de acesso são Biologia, Química e Física/Matemática. As propinas no conjunto dos seis anos estarão entre os 60 mil euros e os 75 mil euros.

3. Eslováquia

Este destino é uma excelente alternativa dentro dos melhores países para estudar medicina, com cerca de 63 mil euros de propinas totais dos 6 anos, sendo os livros fornecidos pela própria universidade. Dentro deste contexto, a Pavol Jozef Safarik University (PJSU) é considerada uma universidade de excelência. Os exames de acesso são Biologia, Química e Física/Matemática.

4. Hungria

A Hungria está no top dos sítios mais procurados nos últimos anos para tirar o curso de medicina, sendo que as propinas rondam os 74 mil euros. Uma das vantagens é que os protocolos praticados com as universidades da Hungria acabam por possibilitar aos alunos estudar um ano nos Estados Unidos da América. A partir do terceiro ano, é também é possível estudarem um ano em Portugal, através do programa Erasmus.

Para aceder, há uma prova escrita com 21 perguntas de escolha múltipla (a, b, c e d): 7 de Biologia, 7 de Química e 7 de Física. O estudante terá de ter um mínimo de 8 questões corretas em 21. Haverá também uma prova oral dividida em 3 temas: Biologia, Química ou Física (opcional) e Inglês. O estudante será avaliado em cada uma destas componentes (de 0 a 100 em cada tema) e terá de ter uma classificação mínima de 240 pontos.

Como vê, não faltam excelentes opções entre os melhores países para estudar medicina. Compare a informação e faça a opção mais acertada!

Veja também:

Catarina Mesquita Catarina Mesquita

Licenciada em Línguas e Literaturas Modernas, variante de Estudos Portugueses e Ingleses, Pós-Graduada em Linguística Portuguesa e Mestre em Estudos Portugueses Multidisciplinares, possui experiência de mais de quinze anos ao serviço da educação, da tradução e da escrita.