Publicidade:

9 sintomas dos homens que não devem ser ignorados

Novembro é o mês de alerta para a saúde do homem, mas há sintomas dos homens aos quais importa prestar atenção durante todo o ano. Saiba quais são!

9 sintomas dos homens que não devem ser ignorados
Em Portugal, o cancro da próstata é o mais frequente entre os homens

Os homens morrem de forma mais precoce que as mulheres e há estudos que indicam que são mais vulneráveis a determinadas doenças, nomeadamente àquelas que apresentam maior gravidade e cronicidade. Assim sendo, importa conhecer um pouco mais acerca das especificidades da saúde masculina bem como estar alerta para os sintomas dos homens que não devem ser ignorados.

A saúde masculina


Há sintomas nos homens que não devem ser ignorados

De facto, os homens parecem ser mais vulneráveis a um grande número de doenças. De forma a reduzir estes números preocupantes importa apostar na prevenção e conhecer quais os sintomas dos homens que devem servir de alerta e que justificam a procura de avaliação médica.

Assim, importa compreender as particularidades e as vulnerabilidades do sexo masculino, conhecer as patologias mais frequentes e os sintomas dos homens que inspiram preocupação. Para além de possuir este conhecimento, os indivíduos do sexo masculino devem adotar um estilo de vida saudável, em que o bem-estar físico, mental e social estejam presentes.

7 doenças que afetam mais os homens


São muitas as variáveis que justificam a razão dos homens são mais vulneráveis a determinadas patologias. Seja por existir determinada base genética ou por comportamentos de risco em que os homens tendem a envolver-se, a verdade é que estas 7 doenças afetam de forma mais significativa os homens:

1. Síndrome da Apneia Obstrutiva do Sono

síndrome da apneia obstrutiva do sono é uma doença respiratória do sono provocada por colapsos intermitentes e repetidos da via respiratória superior. Provoca pausas respiratórias durante o sono e leva a que as pessoas não tenham um sono repousado.

São vários os fatores que contribuem para o aparecimento desta patologia, tais como: fatores genéticos; idade avançada; excesso de peso; consumo de tabaco e álcool. A maior prevalência desta doença no sexo masculino (afeta duas a quatro vezes mais os homens) deve-se à obesidade/excesso de peso. O padrão de distribuição da gordura difere consoante o género. Nos homens concentra-se tendencialmente no abdómen e na região do pescoço o que origina diminuição da capacidade de expansão pulmonar e estreitamento das vias respiratórias, respetivamente.

2. Pneumonia

Uma pneumonia é uma infeção respiratória que atinge os pulmões e é uma das principais causas de hospitalizações e mortalidade no nosso país. A maior vulnerabilidade e mortalidade nos indivíduos do sexo masculino são justificadas pela adoção de determinados comportamentos de risco e de hábitos de vida, como o tabagismo, mais frequentes nos homens.

Pneumonia

3. Doença cardiovascular

Doenças cardiovasculares são todas aquelas que afetam o nosso sistema circulatório, ou seja, o coração e os vasos sanguíneos. Habitualmente são doenças sérias, que inspiram cuidados permanentes. É a aterosclerose (quando a placas de gordura e cálcio se fixam no interior das artérias dificultando ou impedindo a circulação sanguínea) que está na origem de quase todas as doenças cardiovasculares.

Estas doenças são mais comuns nos homens devido à maior suscetibilidade a alguns dos fatores de risco (hipertensão arterial; colesterol elevado; tabagismo; diabetes; obesidade; alcoolismo; sedentarismo) mas também porque, por razões hormonais, os homens se encontram menos protegidos.

4. Tumores malignos da traqueia, brônquios e pulmão

No nosso país, os tumores malignos da traqueia, brônquios e pulmão matam anualmente quase quatro vezes mais homens. A exposição ao tabaco, hábito ainda mais comum nos homens do que nas mulheres, é uma das principais explicações para a elevada incidência destas patologias. Para além deste dado, há investigações que avança que a maior vulnerabilidade face às doenças cancerígenas pode estar relacionada com mutações do cromossoma Y (exclusivo dos homens).

5. Cancro da próstata

cancro da próstata é o tumor masculino mais frequente após os 50 anos de idade. No seu estado normal, as células crescem e dividem-se em novas células, que são formadas à medida que vão sendo necessárias. Quando as células da próstata envelhecem ou são danificadas, morrem naturalmente.

Por outro lado, quando as células perdem este mecanismo de controlo e sofrem alterações tornam-se células de cancro, ou seja, não morrem quando envelhecem ou se danificam. Em vez disso, produzem descontroladamente novas células que não são necessárias, resultando na formação de um cancro.

6. Cálculo renal

cálculo renal (formação de “pedras” no aparelho urinário) é mais prevalente nos homens, sobretudo após os 50 anos de idade. Acredita-se que nas mulheres os estrogénios tenham um efeito protetor, diminuindo a excreção renal de cálcio.

Cálculo renal

7. Daltonismo

daltonismo, ou seja, a dificuldade de distinguir as cores, afeta de forma mais significativa os homens. Esta situação explica-se pelo facto do gene do daltonismo ser transportado pelo cromossoma X. Ora, as mulheres têm dois cromossomas X, logo, mesmo que tenham a anomalia genética, esta é compensada pelo par correspondente, não manifestando a doença mas tendo a capacidade de a transmitir.

9 sintomas dos homens que não devem ser ignorados!


Agora que já conhecemos algumas das patologias que afetam de forma mais marcante os indivíduos do sexo masculino importa conhecer quais os sintomas dos homens que não devem ser ignorados. A presença destes sintomas dos homens ou de outras alterações de saúde relevantes justifica a consulta de um médico.

1. Dores no peito;

2. Surgimento de novos sinais no corpo ou alterações significativas nos sinais já existentes;

3. Ressonar constante ou sensação de cessação da respiração durante o sono;

4. Incapacidade de urinar, ou dificuldade em iniciar ou parar o fluxo de urina;

5. Necessidade frequente de urinar, principalmente durante a noite;

6. Dor ou ardor durante a micção;

7. Dificuldade em ter uma ereção;

8. Presença de sangue na urina ou no sémen;

9. Dor frequente na zona inferior das costas, nas ancas ou na zona superior das coxas.

Veja também:

Ana Graça Ana Graça

Mestre em Psicologia, pela Universidade do Minho, com a dissertação “A experiência de cuidar, estratégias de coping e autorrelato de saúde”. Especialização (Pós-Graduada) em Neuropsicologia Clínica, Intervenção Neuropsicológica e Neuropsicologia Geriátrica. Membro efetivo da Ordem dos Psicólogos Portugueses, com especialidade em Psicologia Clínica e da Saúde e Neuropsicologia. Além da Psicologia. é apaixonada por viagens, leitura, boa música, caminhadas ao ar livre e tudo o que traga mais felicidade!