Publicidade:

Sou madrasta, e agora? Veja dicas essenciais para manter uma boa relação

Sou madrasta, e agora? Esqueça tudo o que já ouviu sobre o assunto e, agora, leia as nossas dicas para ter uma ótima relação com o seu enteado, ou enteada.

Sou madrasta, e agora? Veja dicas essenciais para manter uma boa relação
Respeito é a base de uma boa relação madrasta-enteado(a)

Sou madrasta, e agora… Vou ser feliz!

Quem inicia uma relação com alguém que já tem filhos, certamente já pensou nos desafios que vai enfrentar. Se este é o seu caso e está cheia de dúvidas, esqueça o medo e dedique-se à tarefa de construir uma relação importante para a família que está agora a ajudar a formar.

Respeite o espaço e o tempo necessários para a relação se consolidar e, enquanto isso, inspire-se nas nossas 12 dicas que a vão, seguramente, ser uma grande ajuda.

Sou madrasta, e agora? 12 dicas úteis para saber lidar com todos os desafios


1Fonte: Pexels/Pixabay

Entre as muitas dúvidas e medos, o amor por aquela pessoa prevaleceu e fez com que enfrentasse o desafio de assumir uma relação não só com o seu marido, mas também como com o filho ou a filha dele – ou ainda, no plural mesmo, com os filhos. Mas calma! A relação com os filhos do parceiro ou parceira pode ser muito mais pacífica do que imagina. Tudo depende do esforço conjunto para que a relação não seja assimétrica.

1. Determine o tipo de relação que tem com o seu enteado

Se o seu enteado não é muito próximo de si, não insista e, sobretudo, não invada o seu espaço. Com o tempo, ele vai acabar por se aproximar-se e, aí sim, deve interagir ao máximo e fazer programas conjuntos de que ele goste – como ir ao cinema ou à praia, por exemplo.

2. Crie uma relação simpática com a mãe do seu enteado ou enteada

Não precisa de ser a sua melhor amiga, nem sua amiga sequer. O que é fundamental é que não tenha uma relação tensa que possa interferir não só na relação com o seu enteado ou enteada, como com o seu próprio marido. Tente tranquilizá-la quanto à sua presença e mostre-lhe que não pretende substituir o lugar de ninguém, mas apenas dar o melhor contributo para que tudo funcione da melhor forma.

3. Não tente substituir o lugar da mãe

Caso a mãe do seu enteado já tenha falecido, não pense que substituir o lugar dela é o mais indicado. Respeite o espaço do(a) enteado(a) e, acima de tudo, as memórias que ele(a) tem da mãe. Para se aproximar dele(a), pode ser uma boa ideia pedir-lhe que lhe conte histórias e mostre fotografias da mãe.

4. Não interfira em assuntos íntimos

Como madrasta, não tem a obrigação de falar de temas mais pessoais como sexo ou menstruação. Espere até o seu enteado ou a sua enteada lhe dar uma indicação clara de que gostaria de perguntar-lhe algo ou partilhar algo consigo.

5. Seja flexível quanto à forma de tratamento

É provável que os mais novos não se sintam bem a tratá-la por madrasta, muito menos por mãe. Por isso, simplifique e não leve a mal que ele a trate pelo nome – ou, então, encontrem um diminutivo giro e carinhoso de que ambos gostem.

6. Envolva o seu enteado ou enteada nas atividades familiares

Ainda que não seja seu filho ou a sua filha, ou ambos, os filhos de uma relação anterior fazem parte da estrutura familiar que está a construir com o seu marido. Portanto, sempre que pensar algum programa ou viagem, não se esqueça de os incluir nesse plano.

Claro que pode ter momentos a dois com o seu companheiro, mas aproveite para fazê-lo nos dias em que, por exemplo, o(a) enteado(a) está com a mãe. Ah, e não se esqueça de também incluir os mais novos nos afazeres domésticos. Isso fará com que se tornem mais responsáveis e independentes.

7. Seja simpática

Pode parecer algo muito simples e, na verdade, é. Mas, é também fundamental e é algo que irá logo cativar qualquer pessoa, mesmo que não o demonstrem de imediato. Mostre que respeita o(a) enteado(a) e verá como a sua aceitação vai ser muito mais fácil e rápida. Seja rígida e imponha ordem quando for necessário, mas saiba ser também divertida e meiga quando sentir que é ideal.

8. Não diferencie irmãos

Se, para além do seu enteado ou da enteada, existe um filho ou uma filha comum entre si e o seu marido, procure não fazer diferenças, só porque um é fruto da sua união e outro não. Nos desentendimentos, confrontos e discussões entre irmãos, tenha sempre um papel neutro e avalie a situação, esquecendo os laços de sangue existentes. Caso não o consiga fazer, é preferível punir os dois ou pedir ao pai de ambos que tome a decisão.

9. Explique o amor que sente pelo seu marido

O seu marido é o pai, por isso é certo que o seu enteado ou enteada gostará de ver o pai feliz – certo? Então, agarre nesta premissa e explique que você também gosta muito do seu marido e que só o quer ver e fazer feliz. Afinal, têm um amor comum e a vossa missão é a mesma, não é verdade?

10. Adeque o tratamento à idade do seu enteado ou enteada

Cada idade requer abordagens diferentes, por isso tenha em consideração esse aspeto e adeque a sua linguagem e tipo de tratamento. Por exemplo, não ofereça um brinquedo a um adolescente. Proponha antes levá-lo ao cinema e ver o último filme de ação, acabadinho de estrear.

11. Partilhe as suas dúvidas e procure ajuda

Sim, há casos difíceis e complicados que podem requerer a ajuda técnica de psicólogos ou outros profissionais. Se é mal tratada pelo seu enteado ou enteada, ou simplesmente não se consegue adaptar a alguns dos seus hábitos de vida e higiene, por exemplo, é momento de partilhar isso com o seu marido, com outras madrastas que conheça e, em casos mais complexos, fazer uma visita a um terapeuta familiar.

12. Não seja ciumenta

O ciúme é uma arma fatal em qualquer relação – sobretudo, se estiver a disputar o lugar com o seu enteado ou com a sua enteada. Seja paciente e apresente-se como uma aliada, em vez de uma concorrente ou adversária. Ajude o seu marido na grande tarefa de educar.

“Sou madrasta, e agora?” –  a questão pode parecer um verdadeiro bicho papão, mas os enteados, tal como as madrastas, são seres humanos como todos os outros, com virtudes e defeitos que é preciso conhecer e aprender a amar. Se ainda se perguntava sobre o que é suposto fazer no papel de madrasta , certamente que já ficou mais tranquila e percebeu que o segredo está no respeito mútuo, em ser calma e paciente e, acima de tudo, muito perseverante.

Veja também: