Publicidade:

10 destinos para viajar em novembro e descobrir o mundo

Preços mais baixos são música para os seus ouvidos? Então, aproveite esta altura e saiba quais são os melhores destinos para viajar em novembro.

10 destinos para viajar em novembro e descobrir o mundo
Locais encantadores que esperam por si

Escolher destinos para viajar em novembro pode não ser uma tarefa fácil, pois um pouco por todo o mundo não faltam locais de cortar a respiração e que valem mesmo a pena conhecer. Para ajudar, elegemos 5 destinos na Europa e 5 destinos no resto do mundo, para que feche os olhos e imagine para onde vai a seguir.

Pode achar estranho viajar em novembro. E se assim pensa é porque ainda não pensou em todas as vantagens para o fazer: ainda encontra temperaturas amenas na Europa, nalguns locais do mundo está prestes a chegar o verão, os preços são mais baixos, quer nas viagens, quer nas unidades de alojamento, e as multidões quase não existem.

Confira, então, quais as nossas 10 sugestões de destinos para viajar em novembro na Europa e no mundo.

5 destinos para viajar em novembro na Europa


Andaluzia, Espanha

cádiz

Temperatura média: 16ºC

Novembro é um mês maravilhoso para visitar o sul da Espanha, quando as multidões de verão já terminaram, finalmente, mas ainda é possível passear de manga curta. Na região da Andaluzia não faltam cidades encantadores. Cádiz é um lugar muito charmoso, branqueado de branco e com o som do flamenco no ar. Sevilha tem-se vindo a destacar pela proliferação de pequenos e bonitos hotéis. Além dos clubes de praia de Marbelha, visite o Parque Nacional Sierra de las Nieves para nadar em piscinas naturais e andar de caiaque. Málaga tem conquistado os amantes de arte, com exposições itinerantes que se juntam aos museus Picasso, Carmen Thyssen e Arte Contemporânea.

Atenas, Grécia

atenas

Fonte: Pexels

Temperatura média: 18ºC

Quase parece verão, mas não. É uma cidade onde a nova e jovem cultura dá vida a todos os espaços históricos, criando-se inúmeros locais de performances, galerias de arte e bares peculiares em bairros outrora duvidosos. Lojas sofisticadas renasceram como restaurantes modernos e que merecem o seu tempo. E o bom tempo que ainda se faz sentir nesta altura, ainda permite tirar fotos de fundo azul junto da Acrópole e do Parthenon.

Berlim, Alemanha

berlim

Temperatura média: 9ºC

Berlim tem invernos frios e em novembro o clima já começa a ser bem rigoroso. Ainda assim, esta é uma cidade tão incrível que vale a pena colocar mais uma camisola e vestir um casaco mais quente para desfrutar da famosa vida noturna e dos locais culturais, que têm sempre algo de novo e interessante para apresentar. Outro aspeto positivo acerca desta cidade é que é mais barata que outras grandes cidades alemãs, como Munique e Hamburgo.

Lisboa, Portugal

lisboa

Fonte: Max Pixel

Temperatura média: 15ºC

O segredo para umas férias com temperaturas agradáveis na Europa em novembro é… Já percebeu, certo? Viajar para o sul do continente, pois claro. E, assim, sendo, não poderia faltar na lista a capital portuguesa, que tem a boa sorte de usufruir de um clima subtropical mediterrâneo. Reserve um quarto bem no centro da cidade e vá calcorreando cada rua, cada calçada, cada colina, pois Lisboa tem muito pelo que se apaixonar.

Verbier, Suíça

Verbier

Fonte: Max Pixel

Temperatura média: 5ºC

Em Verbier a ênfase assenta na palavra “diversão”. Com os Aleps como cenário de fundo, já é possível desfrutar das pistas de neve que permitem andar de ski, de tobogã, brincar aos bonecos de neve e atirar bolas de forma inocente. É uma cidade que tem um charme típico de um destino de inverno: hotéis sofisticados, com design de chalé, grandes lareiras que convidam ao descanso, bebidas quentes e fortes.

5 destinos para viajar em novembro no resto do mundo

Cuba

cuba

Fonte: Visual Hunt

Temperatura média: 28ºC

Passar umas férias em Cuba é ter a certeza de usufruir de uma experiência única. É o local perfeito para beber rum, fumar charutos, dançar salsa, ouvir histórias da revolução e passar uns dias de descanso total em praias tropicais e de cores tão diferentes da que está habituado. A areia parece branca como farinha, mas quando lhe toca o sol, enche-se de raios dourados. Por sua vez, as águas são transparentes e tentam esconder um mundo novo que nos chama a mergulhar e a dele fazer parte, nem que seja por uns minutos.

Etiópia

etiópia

Temperatura média: 24ºC

Por muito tempo, a Etiópia tinha preocupações bem maiores do que o setor do turismo, como seca, fome e agitação política. Por essa razão, as infraestruturas do país ficaram muito aquém de outros países vizinhos. O que é certo é que por lá não faltam atrações naturais: o deserto vulcânico de Danakil; os picos e vales teatrais das montanhas Simien e Bale; os penhascos vermelhos da escarpa Gheralta.

Myanmar (Birmânia)

Myanmar

Temperatura média: 33ºC

Separada do mundo exterior por meio século por líderes militares não eleitos, Myanmar foi palco de uma eleição geral marcante em 2015, que levou a Liga Nacional para a Democracia ao poder, tornando o país bem mais aberto ao exterior, o que começou a atrair cada vez mais visitantes. E não faltam motivos de interesse: centenas de templos de tijolo vermelho espalhados pelas planícies de Bagan, pescadores de remo que vão tentando ganhar a vida no Lago Inle, e a vila de Ngapali, que lhe permite jantar numa ilha deserta.

Patagónia

Patagónia

Temperatura média: 25ºC

Uma fronteira selvagem, a Patagónia é a ponta vasta e vazia que assinala a América do Sul com os seus maciços e fotogénicos glaciares e centenas de quilómetros de estepes desertos. E como faz limite com diferentes países, é possível encontrar muitas Patagónias diferentes: desde lagos azul-petróleo e línguas glaciares na Patagónia argentina a safaris que procuram pumas pela natureza e passeios inesquecíveis no Parque Nacional Torres del Paine, na Patagónia chilena.

Seul, Coreia do Sul

seul

Temperatura média: 14ºC

Seul oferece uma emocionante pausa na cidade com a mistura certa entre acessibilidade e exotismo: os transportes e infraestruturas são exemplares, e também há suficientes templos confucionistas e cafés para cães – sim, para cães, para entreter o curioso estrangeiro. A economia florescente da Coreia do Sul fez de Seul um polo de alta tecnologia, que vibra positivamente com a cultura jovem e dinâmica da moda. Mas ainda se encontram vestígios de tempos mais austeros e tradicionais, seja pelas ruas de paralelepípedos e arquitetura clássica, pelos mercados excêntricos e becos repletos de cheiros.

Veja também: