Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Viviane Soares
Viviane Soares
16 Ago, 2018 - 00:00

Fim do Diesel: de bestial a besta

Viviane Soares

Longe vão os tempos em que comprar um carro a diesel tinha as suas vantagens. Prevê-se que, a curto prazo, a consensualização global das políticas ditas verdes ditará o fim destes veículos, pelo menos dos citadinos e dos utilitários.

Fim do Diesel: de bestial a besta

A partir de 2025, muitas cidades europeias vão banir os diesel permanentemente. As novas normas ambientais, que visam diminuir a emissão de gases poluentes, tornaram-se demasiado exigentes para os fabricantes dos veículos diesel, nomeadamente para os de pequena capacidade – citadinos e utilitários.

Isto porque a tecnologia necessária para equipar estes veículos – para, assim, cumprirem as normas -, faria disparar os preços para o consumidor. À luz da tendência atual, em que há alternativas mais ecológicas no mercado (híbridos e elétricos), os fabricantes entendem que o investimento não iria ter o retorno desejado.

A este propósito, recentemente, a comissária europeia com as pastas do mercado interno, indústria, empreendedorismo e PME, Elzbieta Bienkowska, foi tácita nas palavras: “Os automóveis a diesel estão condenados e vão desaparecer por completo das estradas em poucos anos. É uma tecnologia ultrapassada”, referiu, numa entrevista à Bloomberg.

Segundo a responsável polaca, a União Europeia teve o seu “momento de viragem” depois do caso Dieselgate, em 2015, no qual a Volkswagen admitiu ter  instalado software nos motores a diesel que manipulava a informação relativa à emissão de gases poluentes. Isso “afetou profundamente os sentimentos da sociedade em relação às emissões e aos carros limpos”, sublinhou.

Porque é que o custo da tecnologia Diesel subiu tanto?

A principal razão do aumento dos custos é, sem sombra de dúvida, o ambiente regulatório vigente e futuro. O Dieselgate acabou por expor as lacunas dos testes de homologação e os níveis de NOx demasiado permissivos.

Ainda assim, a indústria automóvel sabia que era uma questão de tempo até serem introduzidas as novas normas ambientais:  emissões médias (95 g/km CO2), normas de emissões (Euro 6c) e os rigorosos testes de homologação WLTP (Teste Mundial Harmonizado de Veículos Ligeiros) e RDE (Real Driving Emissions).

A pressão é tanta sobre os fabricantes que, depois do escândalo com a Volkswagen, sabe-se, agora, que também a Mazda, a Suzuki e a Yamaha manipularam os testes às emissões de gases poluentes. O Dieselgate apenas colocou pressão nas instâncias europeias para avançar para este novo quadro regulatório mais rapidamente.

Do lado das marcas, as normas mais apertadas obrigam a avultados investimentos no desenvolvimento de tecnologias para controlar as emissões. Do lado dos consumidores traduz-se numa fatura mais alta no momento da aquisição do automóvel.

No caso dos Diesel, os sistemas de tratamento dos gases de escape implicaram a adopção generalizada de filtro de partículas e, mais recentemente, sistemas SCR (selective catalytic reduction). Tudo isto para reduzir de forma expressiva as emissões NOx.

Saiba quanto vale o seu diesel atualmente e conheça as condições para adquirir um híbrido >>

Diesel com os dias contados

Fim do Diesel: de bestial a besta

Por muito que custe aos amantes dos motores diesel, da sua força a baixo regime e da sua eficiência em termo de consumos, o seu futuro é deveras incerto. As principais vantagens do motor a diesel – ou motor de ignição por compressão, que é um motor de combustão interna – são conhecidas de todos:

  • São mais económicos do ponto de vista dos consumos: com motores mais eficientes
  • O preço do gasóleo é mais baixo que o da gasolina (para já)
  • Permitem uma condução mais dinâmica, embora os modelos atuais a gasolina consigam prestações equivalentes
  • Face aos elétricos, têm grande vantagem de autonomia

Porém, no contexto atual, os aspetos negativos sobrepõem-se a todos os factores que fizeram milhares de milhões de pessoas adquirirem um veículo a diesel, a saber:

  • Preço mais elevado na compra face aos carros a gasolina
  • Mais poluentes, o que já está a provocar restrições de circulação em cidades por todo o mundo
  • Preço elevado das manutenções e peças de desgaste mais rápido
  • Fiscalidade mais penalizadora
  • Desaconselhados para quem faz percursos pequenos e citadinos

Para retomarmos o discurso da comissária europeia, a realidade passa agora por incentivar a produção dos híbridos e criar medidas de financiamento para estimular o desenvolvimento de baterias para automóveis elétricos. “Queremos ter as primeiras baterias produzidas na Europa, mas também toda a cadeia de valor. É o tipo de projeto que um Estado membro não consegue financiar sozinho”, rematou.

Veja também: