Viviane Soares
Viviane Soares
12 Mai, 2019 - 12:00
Ginásio e férias de verão. Juntar os créditos é o que precisa para voltar a fazer planos

Ginásio e férias de verão. Juntar os créditos é o que precisa para voltar a fazer planos

Viviane Soares
Patrocinado por:

Quando o orçamento doméstico está muito ajustado às despesas, é preciso adiar alguns planos para cumprir com os compromissos financeiros. Juntar os créditos pode ser o que precisa para voltar a investir nos seus sonhos.

Anda constantemente a adiar a tal inscrição no ginásio? Já não marca férias de verão há dois anos? Desistiu da ideia de fazer uma pós-graduação? Quando o rendimento mensal apenas faz face às despesas correntes e aos encargos com créditos, torna-se difícil investir em planos para melhorar o posicionamento profissional e a qualidade de vida.

Seja qual for o seu caso, este é o momento certo para analisar o seu orçamento e perceber como pode ter mais liquidez mensal, auferindo os mesmos rendimentos para finalmente voltar a fazer planos.

Como reorganizar as finanças e voltar a investir nos projetos pessoais

Ter um seguro saúde, entrar no ginásio... Juntar os créditos pode ser o que precisa para voltar a fazer planos

A gestão das finanças pessoais implica muito mais do que apenas garantir que consegue cumprir todos os compromissos financeiros atempadamente. É preciso organizar o orçamento de modo a ter sempre liquidez ao longo do mês, garantindo assim que suporta eventuais imprevistos e que pode ainda constituir uma poupança a longo prazo. Além disso, é importante gerir as finanças de modo a que consiga também investir continuamente na melhoria da qualidade de vida e no crescimento profissional.

Se tem o orçamento apertado e não está no horizonte um aumento de rendimento, então é preciso reorganizar as finanças. O primeiro passo pode ser rever a gestão dos créditos que possui para ter a certeza de que não está a pagar mais do que deveria. Isto é, tendo em consideração a fatia considerável que estes encargos têm no seu orçamento, há alguma forma de os reduzir?

Se não pode amortizar os créditos, a melhor alternativa será recorrer à junção de créditos. Sabia que o pode fazer e obter uma poupança mensal significativa? Saiba como.

Juntar créditos: uma estratégia para poupar dinheiro

Para quem está a suportar encargos com crédito automóvel, cartões de crédito ou mesmo com créditos pessoais, recorrer ao crédito consolidado é, sem dúvida alguma, uma solução a considerar. Isto porque, ao agregar todos os créditos num só, ficará a pagar uma única prestação mensal (consideravelmente mais baixa do que o somatório de todas as prestações individuais), com taxas de juro que podem ser bem mais competitivas do que aquelas que paga atualmente.

Além disso, os custos avultados com comissões mensais serão outros dos encargos dos quais se verá livre quando consolida créditos. Isto porque, com a dispersão de créditos, está a pagar várias comissões bancárias por manter várias contas separadas nos bancos onde contraiu crédito. Vejamos um caso concreto no sentido de esclarecer as suas dúvidas.

Já pensou em juntar os créditos? Faça uma simulação e saiba quanto pode ficar a poupar por mês 

O desafio da Susana: investir na formação da filha e num estilo de vida saudável

mãe e filha

A Susana é enfermeira, tem 46 anos de idade, é recém separada e tem uma filha de 17 anos. Tem um rendimento mensal familiar de 1300€ e um dos seus principais receios é não conseguir suportar as despesas de formação da filha, que vai agora entrar para a universidade. Isto porque também tem que gerir o pagamento da renda e de três créditos (crédito automóvel, crédito pessoal e cartão de crédito, que representam 34,6% do seu rendimento).

Uma das suas principais frustrações é não ter uma almofada financeira para um eventual imprevisto, mas também para conseguir ter um estilo de vida mais saudável. Como pode então a Susana reorganizar as suas finanças com o crédito consolidado?

Ao agregar os créditos num só ficará a pagar uma mensalidade menor, com um prazo mais alargado. Além disso, as taxas de juro associadas poderão ser significativamente inferiores às taxas dos créditos que possui. Vejamos quais são as despesas da Susana e como ficariam ao recorrer à consolidação.

  • Crédito automóvel: 200€
  • Crédito pessoal (mobiliário): 150€
  • Cartões de crédito: 100€

Total das mensalidades: 450€
Montante total em dívida: 15.000€

Neste caso, a Susana poderia consolidar os créditos e ficar com uma única mensalidade de 262,81€*, com um prazo de pagamento de 84 meses*. Recorrendo ao crédito consolidado, a Susana reduziria em 41,59% o valor mensal do seu orçamento destinado aos créditos. Ou seja, face aos 450€ iniciais verifica-se uma redução de 187,19€ por mês. Com este dinheiro, a Susana poderia assegurar as despesas de formação da filha e ainda começar uma poupança.

*Cofidis: TAEG 13,3%, TAN 11,30%. Montante Total Imputado ao Consumidor: 22.436,04€

Faça uma simulação de crédito consolidado. Rápido e sem compromisso

Quais as vantagens da consolidação de créditos

Antes de mais, importa sublinhar que os créditos são importantes instrumentos de gestão financeira, quando bem geridos. Neste caso em particular, o crédito consolidado é uma solução que promove o aumento da liquidez mensal para poupar ou investir em novos projetos.

As suas principais vantagens são as seguintes:

1. Pagar uma prestação mensal mais baixa;
2. Ter única prestação num dia fixo do mês;
3. Ter um único credor e poupar em comissões;
4. Melhorar o seu historial de crédito junto do Banco de Portugal;
5. Mais liquidez e organização orçamental, que pode traduzir-se em mais qualidade de vida.

Conhece o Crédito Consolidado Cofidis?

Já o crédito consolidado da Cofidis, que permite consolidar desde os 5 mil euros até aos 50 mil euros, até um prazo de 120 meses, diferencia-se dos restantes pelas seguintes razões:

a) Não há comissão de análise do processo nem de abertura: se quiser realizar um crédito na Cofidis, contrariamente ao que acontece com muitas instituições, não necessita de pagar um montante adicional para abertura de crédito, tal como não precisa de pagar para ver o seu processo analisado (quer seja aceite ou recusado).

b) Não há comissões de amortização antecipada, parcial ou total: imagine que tem a possibilidade de liquidar o seu crédito antes do prazo final do pagamento. Neste caso, não precisa de pagar aquela percentagem adicional que costumam solicitar nestas situações.

c) As taxas de juro são fixas: não há mudanças inesperadas no prazo e a respetiva taxa de juro do empréstimo, o que consequentemente não fará a mensalidade oscilar.

d) A Cofidis liquida os seus créditos atuais: ao recorrer ao crédito consolidado Cofidis, poderá ficar descansado com esta fase do processo. A Cofidis liquida os créditos que tem nas várias instituições financeiras e trata de tudo por si.

e) O processo de contratação é feito online ou por telefone: trata-se de um processo simples que poderá tratar sem sair da comodidade da sua casa.

f) Redução de custos significativa: como não há lugar para cobrança de comissões e as taxas podem ser inferiores, as despesas associadas ao crédito são mais baixas.

g) Possibilidade de novo financiamento: pode solicitar um crédito consolidado para liquidar os empréstimos que já possui e ainda um financiamento adicional para um novo projeto.

Simule também o seu crédito consolidado na Cofidis e perceba qual o montante que pode poupar ao fim do mês para finalmente investir em si.

Veja também
Partilhar Tweet Pin E-mail WhatsApp