Catarina Milheiro
Catarina Milheiro
16 Dez, 2016 - 01:49
Parkinson: o que é e como se manifesta

Parkinson: o que é e como se manifesta

Catarina Milheiro

A doença de Parkinson é a segunda doença degenerativa mais comum do sistema nervoso central. É importante que esteja a par de todos os sintomas.

O artigo continua após o anúncio

A doença de Parkinson foi descrita no séc. XIX por um médico inglês e é hoje considerada como uma perturbação cerebral.

Conhecida por ser uma doença muito frequente e progressiva, a doença de Parkinson apresenta alguns sintomas muito próprios como os tremores, a lentidão em alguns movimentos e ainda a rigidez do tronco e dos membros. Apesar disso, é importante que compreenda que o quadro clínico da doença de Parkinson não se inicia sempre da mesma maneira em todos os doentes.

O que é a doença de Parkinson?

Consiste numa doença degenerativa que é lentamente progressiva de algumas áreas específicas do sistema nervoso central, ou seja, do cérebro e da medula espinhal.

A doença resulta da diminuição dos níveis de uma substância intitulada de dopamina, que funciona como um “mensageiro químico” cerebral nos centros que comandam os movimentos. Estes níveis reduzem devido à morte das células cerebrais que têm a capacidade de a produzir.

Para que consiga ter uma noção da dimensão desta doença, depois da doença de Alzheimer, a doença de Parkinson é a segunda doença degenerativa mais comum do sistema nervoso central.

Atualmente, estima-se que cerca de 20 mil portugueses sofram desta doença. Contudo, com o aumento da longevidade da população em geral, estima-se que estes números aumentem nos próximos 20 anos atingindo cerca de 30 mil portugueses.

Parkinson: conheça todos os sintomas

parkinson

Existem alguns sintomas muito próprios desta doença, desde a presença de tremores, a lentidão dos movimentos até à rigidez do tronco e dos membros, que são, aliás, bem conhecidos.

A doença de Parkinson aumenta a sua prevalência com a idade e o sexo do indivíduo, o que significa que a manifestação da doença é mais comum em homens do que em mulheres acima dos 50 anos, sendo muito rara antes dos 50 anos. No entanto, em 5% dos casos, a doença afeta pessoas com idades inferiores aos 40 anos.

O artigo continua após o anúncio

Os sintomas desta doença estão relacionados maioritariamente com os movimentos da pessoa em questão, visto que, a dopamina é a substância que controla a atividade muscular.

Numa fase inicial, a doença de Parkinson começa por se manifestar através de um ligeiro tremor na mão, na perna ou no braço (que acontece quando a extremidade do membro está em repouso). Contudo, em momentos em que a pessoa se sinta mais tensa, este tremor pode mesmo aumentar. Normalmente, este sintoma melhora quando a pessoa move, por vontade própria, a extremidade afetada e pode mesmo chegar a desaparecer durante o sono.

Todavia, a situação piora à medida que a doença vai progredindo. O que acontece nesta fase, é que os tremores começam a tornar-se um pouco mais difusos, podendo afetar as extremidades dos dois lados do corpo.

Atente a todos os sintomas inerentes à doença de Parkinson:

  • Tremores;
  • Rigidez do tronco e dos membros;
  • Lentidão dos movimentos;
  • Numa fase mais avançada da doença, os tremores podem afetar os 2 lados do corpo;
  • Músculos da face afetados, sendo que a expressão facial pode mesmo ficar totalmente apagada;
  • Ansiedade, stress e tensão;
  • Depressão;
  • Perturbações na memória;
  • Incontinência urinária;
  • Problemas na visão;
  • Cãibras;
  • Dificuldades na mastigação e deglutição;
  • Alterações na atividade sexual;
  • Dificuldades na marcha e instabilidade corporal;
  • Diminuição ou desaparecimento de movimentos automáticos, como por exemplo, piscar os olhos;
  • Salivação excessiva;
  • Desequilíbrio;
  • Dores musculares;
  • Dificuldade para começar ou continuar um movimento, como começar a caminhar ou levantar-se de uma cadeira;
  • Posição inclinada;
  • Com o tempo, o tremor pode ser sentido na cabeça, nos lábios e nos pés;
  • Pode piorar com o cansaço, excitação ou stress;
  • Voz para dentro, mais baixa e monótona;
  • Confusão.

Como pode verificar, os sintomas são bastantes e é por isso necessário que, na suspeita da presença da doença, o doente seja observado por um médico para que seja realizado o diagnóstico correto com a maior antecedência possível.

A doença de Parkinson tem tratamento?

parkinson

Ainda não existe cura para esta doença, contudo existe sim tratamento para atenuar alguns sintomas provocados pela doença de Parkinson.

Os sintomas da doença podem ser controlados através de vários tipos de medicamentos que estimulam a libertação de dopamina (desde que ainda existam algumas células cerebrais que produzam a dopamina). Nos casos em que já não existem estas células, existem outros medicamentos que convertem as suas substâncias em dopamina a nível cerebral.

Além disso, o tratamento pode também ser feito através de outro tipo de medicamentos que imitam a ação que a dopamina tem no cérebro e outros que impedem a sua degradação, a fim de prevenir a morte de algumas células.

O artigo continua após o anúncio

Para as pessoas com doença de Parkinson, é também recomendada a prática de exercício físico juntamente com uma dieta equilibrada para que se consigam manter ativas fisicamente e emocionalmente.

Como já explicamos, a doença de Parkinson não tem cura, no entanto os tratamentos atuais disponíveis para cada doente têm como principal objetivo a melhoria e o controlo mais eficaz do estado da doença.

Lembre-se que esta é uma doença que não afeta só o doente, como também todas as pessoas que o rodeiam. Por este mesmo motivo, cabe a cada um de nós estar devidamente informado de todos os sintomas e tipos de tratamento disponíveis atualmente para que consigamos melhorar a qualidade de vida das pessoas afetadas.

Veja também:

Partilhar Tweet Pin E-mail WhatsApp