Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Nuno Margarido
Nuno Margarido
14 Out, 2016 - 09:45

Portugueses são adeptos fervorosos de dispositivos móveis

Nuno Margarido

Um estudo realizado a nível europeu revelou que os portugueses são adeptos fervorosos de dispositivos móveis.

Portugueses são adeptos fervorosos de dispositivos móveis

Segundo alguns dados do “Mobile Shopping, Banking and Payment Survey”, desenvolvido pela Nielsen, 96% dos portugueses têm um ou mais dispositivos móveis. Um número elevado que coloca Portugal entre os três países da União Europeia que maior uso dão a estes equipamentos.

No mesmo estudo podemos descobrir que 69% dos inquiridos valorizam a o facto de estarem contactáveis a qualquer momento e em qualquer lugar e que 65% afirmam que os dispositivos móveis vieram melhorar a sua qualidade de vida.

No entanto, as vantagens oferecidas pelos dispositivos móveis também trazem algumas adversidades. Cerca de 69% admitiu que as relações face-to-face estão a ser substituídas por relações “eletrónicas”. Para além disso, 67% admitiram sentir-se sobrecarregados pelo constante bombardeamento de informação e 55% acaba mesmo por valorizar os momentos em que não estão conectados.

O estudo da Nielsen revelou ainda que 82% dos portugueses recorre aos dispositivos móveis para aceder ao e-mail (+11% relativamente à média europeia), 78% para aceder às redes sociais (+16%) e 64% para procurar um produto ou serviço (+14%). Números esclarecedores e que demonstram como os portugueses são adeptos fervorosos de dispositivos móveis.

“Os portugueses são early adopters e adeptos das novidades, demonstrando uma taxa de penetração de aparelhos móveis acima da media europeia. No entanto, utilizam-nos sobretudo para consultar o email e as redes sociais. Relativamente às suas contas bancárias, os portugueses utilizam os dispositivos mobile principalmente para consultar o seu saldo ou os movimentos efetuados, mas apenas quatro em cada dez o fazem. E são muito menos aqueles que utilizam atualmente a aplicação do banco”, concluiu Gustavo Núñez, diretor-geral da Nielsen Iberia.

Veja também: