Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Inês Pereira
Inês Pereira
11 Out, 2019 - 10:21

Ter qualificações a mais: o que fazer quando é tido como entrave

Inês Pereira

Ter qualificações a mais pode ser uma dor de cabeça para alguns candidatos. Saiba o que fazer nestas situações.

O que fazer quando tem qualificações a mais

Enquanto pesquisa pelas melhores ofertas de emprego tropeça numa vaga que o conquista, embora não seja a mais indicada para sua área de formação ou grau académico. No entanto, ao olhar uma segunda vez percebe que tem qualificações a mais para aquilo que pedem. E agora? Será que deve ou não juntar esta oportunidade à sua lista “enviar CV”? 

A probabilidade de este cenário lhe ser familiar é enorme, tendo em conta que é uma situação bastante comum. Muitos são os candidatos com licenciaturas, mestrados e até doutoramentos que procuram emprego e se viram para ofertas fora da sua área de formação. Resultado? Muito frequentemente estão perante o dilema de ter excesso de qualificações e não sabem o que fazer.

Apesar de, geralmente, se pensar neste cenário como positivo, a verdade é que pode ser um dilema. Está na altura de compreender melhor este fenómeno e de saber como deve lidar com a situação.

Qualificações a mais: o que significa, consequências e o que fazer

mulher entrevista emprego

Regra geral, impera a ideia de que ter formação ou experiência profissional superior àquela que é exigida numa oferta de emprego é extremamente vantajoso porque se traduz numa mais-valia para as funções.

No entanto, nem sempre as empresas vêem a questão desta forma. Existem, de facto, casos em que ter qualificações a mais pode transformar-se num motivo para não oferecer o lugar a determinado candidato.

Há até uma palavra inglesa para este fenómeno: over-education. Aplica-se aos casos em que uma pessoa se sente, de alguma forma, oprimida devido à sua educação. De facto, muitos empregadores poderão levantar objeções a uma candidatura com qualificações em excesso.

É precisamente por esse motivo que muitos optam por tentar omitir as suas habilitações com o intuito de serem selecionados para vagas de emprego onde se exigem níveis de formação mais baixos. E não admira, tendo em conta que em muitos casos falamos de pessoas que o fazem porque precisam desesperadamente do emprego.

No entanto, é importante que pondere e pese os riscos. Uma omissão, ou até mesmo mentira, acerca do seu currículo pode ter consequências que lhe saem caras, podendo ser motivo de exclusão ou, até mesmo, de um eventual despedimento.

Facilmente nos cruzamos com exemplos de over-education no nosso dia a dia. Quantos funcionários de supermercado ou lojistas têm cursos superiores? A indústria têxtil ou alimentar, a construção civil e o comércio são apenas alguns exemplos de áreas que estão repletas de pessoas com excesso de qualificações.

Resultado

Infelizmente, a verdade é que corre o risco de ser recusado por apresentar um currículo excecionalmente bom. Os recrutadores tendem a preferir pessoas cujas qualificações estejam mais de acordo com aquilo que pretendem.

As justificações prendem-se principalmente com políticas de recursos humanos. Em primeiro lugar, os recrutadores receiam que o tempo e trabalho investidos na formação destes funcionários seja em vão, já que existe um risco muito elevado de deixarem a empresa por terem encontrado ofertas que vão mais ao encontro da sua formação.

Depois, surge também a questão salarial, uma vez que a oferta pode nem sempre satisfazer as expectativas do candidato. A empresa corre o risco de a pessoa exigir um salário mais alto do que aquele que foi proposto sob o argumento de ser bastante qualificado.

Por último, os recrutadores preocupam-se também com a motivação do colaborador. Acontece que este é um fator que se reflete diretamente na produtividade, pelo que é uma das prioridades para qualquer empresa.

O que fazer

Agora que já tem noção do que significa ter qualificações a mais e já sabe tudo o que esse detalhe implica, está na altura de saber o que deve fazer. Será que deve omitir partes da sua formação? Mentir sobre a sua experiência profissional?

Claro está que, por muito que queira determinado emprego, deve ponderar bem todas as consequências que podem advir deste tipo de decisões (e para quem opta por ser sincero há sempre uma hipótese).

Então qual o caminho que deve seguir? Bom, basta que pondere acerca dos motivos que podem levar qualquer recrutador a excluí-lo de um processo de recrutamento por excesso de qualificações. Certamente compreende que a verdade é a melhor política, pelo que deve mostrar aos potenciais empregadores todas as suas capacidades.

Coloque de parte o medo de ser excluído e esforce-se por deixar bem claro que, independentemente da sua formação ou experiência profissional, vai desempenhar as suas funções com brio e profissionalismo. O importante é evidenciar toda a sua motivação e arriscar, mantendo sempre a honestidade.

Veja também