Publicidade:

Desnutrição: causas, sintomas e tratamento

A desnutrição nem sempre é sinónimo de magreza, pois pode também afetar pessoas obesas devido a uma alimentação desequilibrada. Perceba melhor esta doença.

Desnutrição: causas, sintomas e tratamento
A desnutrição pode causar sérios danos à saúde se não for tratada a tempo

Dá-se o nome de desnutrição à doença que provém da falta de nutrientes considerados essenciais para a nossa saúde, como proteínas, vitaminas, lípidos, carboidratos e sais minerais.

Este mal costuma afetar os indivíduos que sofrem de pobreza, principalmente as crianças que vivem em países mais pobres, o que provoca a desnutrição infantil. Prova disso é o facto de cerca de 95 por cento de pessoas desnutridas serem oriundas de países em desenvolvimento.

A desnutrição continua a ser um dos principais responsáveis pelo nascimento de crianças abaixo do peso normal, e também de crianças que têm mais probabilidades de ficarem doentes durante a infância, adolescência e vida adulta.

Quem corre o risco de sofrer desnutrição?

  • Indivíduos que sofrem de anorexia nervosa;
  • Indivíduos que têm febre prolongada, queimaduras, hipertiroidismo ou cancro;
  • Indivíduos com doenças crónicas do fórum gastrointestinal, fígado ou rins;
  • Crianças com pouco apetite;
  • Adolescentes que passam por surtos de crescimento rápido;
  • Idosos;
  • Vegetarianos;
  • Indivíduos que fazem dietas rigorosas durante longos períodos de tempo;
  • Indivíduos que tomam remédios que afetam o apetite ou a absorção de nutrientes;
  • Indivíduos com o vício do álcool ou da droga que não se alimentam de forma adequada.

Desnutrição: causas e sintomas

fome

Causas da desnutrição

A principal causa da desnutrição pode ter a ver com a subnutrição, nome dado à falta de ingestão dos nutrientes necessários para satisfazer as necessidades energéticas e de crescimento do organismo, ou a hipernutrição, doença relacionada com a ingestão de alimentos em excesso.

Ambas as situações são causadas pelo desequilíbrio existente entre a necessidade do corpo e a ingestão de nutrientes fundamentais. Conheça outras causas relacionadas com a desnutrição:

  • Falta de acesso a alimentos;
  • Problemas no metabolismo ou absorção de nutrientes, como diarreia, anorexia ou diabetes;
  • Situações que aumentem a necessidade de nutrientes, como febre alta ou queimaduras;
  • Uso de remédios que diminuem a absorção de nutrientes, como a quimioterapia;
  • Fazer dietas pobres em determinados nutrientes.

Em alguns casos, a desnutrição pode não ser sinónimo de magreza. Há indivíduos obesos que têm hábitos alimentares em que existe muita ingestão de várias calorias, mas onde faltam as vitaminas e os minerais, o que leva a esta doença.

Deve ter atenção às leves manifestações de desnutrição, pois as mesmas podem limitar o desenvolvimento a nível físico e também intelectual de uma criança, que enfrentará assim dificuldades de aprendizagem ao longo do seu percurso escolar.

Sintomas da desnutrição

Além da perda de peso, que é o principal sintoma desta doença, existem outros sintomas que deve ter em atenção:

Os sintomas de desnutrição em crianças podem incluir:

  • Incapacidade de crescer dentro da taxa esperada;
  • Mudanças na cor dos cabelos e cor da pele;
  • Mudanças de comportamento, como sentir irritação, ansiedade ou letargia.

Se não for rapidamente tratada, esta doença pode vir a trazer sérias consequências para a saúde.

Consequências da desnutrição

  • Emagrecimento;
  • Anemia grave;
  • Pele, cabelos e unhas frágeis;
  • Multiplicação das bactérias devido à baixa imunidade;
  • Infeções frequentes;
  • Aumento da quantidade de bactérias no estômago que pode originar cancro;
  • Diminuição da secreção do ácido clorídrico no estômago;
  • Problemas cardíacos;
  • Mau funcionamento intestinal;
  • Dificuldade na cicatrização das feridas;
  • Atraso no desenvolvimento corporal e intelectual nas crianças;
  • Atrofia muscular;
  • Rugas mais visíveis.

Esta doença pode matar também devido à perda de massa em vários músculos, inclusive o coração, um órgão muscular que verá assim o seu funcionamento afetado.

Tratamento para combater a desnutrição

alimentacao

Todas as consequências acima referidas podem ser tratadas, ainda que as crianças ou os adultos subnutridos que tenham sofrido anorexia, por exemplo, possam vir a ter problemas de saúde irreversíveis, como baixa estatura ou pouco desenvolvimento inteletual, além de problemas hormonais e esterilidade.

O tratamento da desnutrição é feito através do aumento gradual da quantidade de calorias ingeridas, o que evita alterações intestinais, como a diarreia. Para tal, o doente deve comer entre 6 a 12 refeições por dia, todas elas com pouca quantidade de alimentos.

À medida que o tratamento vai avançando, o número de refeições diminui mas as quantidades de alimentos aumentam, consoante a adaptação do doente. Caso este não consiga ingerir comida sólida, podem ser usados suplementos líquidos que garantam os nutrientes necessários.

Se o caso de desnutrição não for grave, o doente deve ser tratado em casa, pois se estiver internado no hospital pode correr o risco de ser contaminado com outras doenças devido ao organismo enfraquecido.

No entanto, se se tratarem de casos onde esta doença é crónica, ou se o paciente não viver num lugar com boas condições, deve ser rapidamente hospitalizado. Lá poderão alimentá-lo com nutrientes injetados diretamente nos vasos sanguíneos ou através de sonda gástrica, se o caso for muito grave.

Avaliação nutricional

Para que o médico possa avaliar o estado nutricional do paciente, deve conhecer a dieta do mesmo e os problemas médicos que este possa ter. Para tal, poderá perguntar ao paciente que alimentos foram ingeridos pelo mesmo nas últimas 24 horas, e que tipos de alimentos consome diariamente.

É comum que o profissional de saúde peça ao indivíduo que comece a fazer um diário onde irá apontar a comida que vai ingerindo durante os próximos dias.

O índice de massa corporal (IMC) é igualmente uma ferramenta frequentemente utilizada para diagnosticar a desnutrição.

Também deverá ser realizado um exame físico, onde o médico poderá observar o aspeto geral e o comportamento do paciente, além da distribuição da gordura do corpo e da avaliação do funcionamento dos órgãos e sistemas. Em alguns casos, é pedido um exame de sangue.

Veja também:

Cátia Tocha Cátia Tocha

Formada em Ciências da Comunicação pela Universidade Autónoma de Lisboa, onde concluiu Licenciatura e Mestrado, começou o seu percurso como jornalista na Rádio. Hoje, escreve sobre diferentes áreas e tem já alguns anos de experiência na escrita para meios online.