Dar chocolate ao cão? Não, porque é tóxico

Se costuma dar chocolate ao cão, saiba que essa ação pode pôr em risco a saúde e, mesmo, a vida do seu animal. Fique a saber porquê e proteja o seu cão.

“sponsored by fidelidade”
Dar chocolate ao cão? Não, porque é tóxico
Saiba quais os perigos de dar chocolate ao cão

Para muitos donos, dar chocolate ao cão é um ato de carinho e amor, partilhando com o amigo de quatro patas algo que nós humanos, por norma, apreciamos e muito. Porém, saiba que dar chocolate ao cão ou, mesmo, ao gato, é algo altamente nocivo para a saúde e bem estar destes animais, cujos organismos não processam, nem absorvem corretamente este alimento.

Portanto, fique a perceber melhor porque nunca deve dar chocolate ao cão e quais as alternativas possíveis para mimar o seu animal com uma guloseima ou snack, sem com isso pôr em causa o seu bem-estar ou saúde.

Saiba por que não deve dar chocolate ao cão


Comecemos pelo princípio e sublinhemos a mensagem essencial a transmitir. Não, não deve dar chocolate ao cão. Se, no geral, não se aconselha dar ao cão comida que não ração, menos se recomenda oferecer chocolate, visto que o mesmo pode ser tóxico para o animal. Mas sobre isto, falaremos a seguir.

dar chocolate ao cão

Por que não deve dar chocolate ao cão?

Muitos julgam que não se deve dar chocolate ao cão por este alimento provocar diabetes mellitus e, consequentemente, cataratas e cegueira, devido ao seu elevado teor em açúcar. Contudo, não é esta a principal razão pela qual não deve dar chocolate ao cão, mas sim  o facto deste alimento poder ser tóxico para o seu animal.

Conheça 22 alimentos tóxicos para o seu cão >>

Composição do chocolate

O chocolate é composto por uma mistura de grãos de cacau com manteiga de cacau, que contém teobromina, uma substância que pode ser tóxica para o cão. As substâncias tóxicas para o cão no cacau são da classe das metilxantinas, das quais fazem parte a teobromina, mas também a cafeína.

O nível de toxicidade depende, naturalmente, da dose ingerida, do tamanho do animal e, ainda, do tipo de chocolate (o chocolate meio amargo e amargo possui maior quantidade de teobromina). Para ter uma noção, um cão com 20kg pode ficar intoxicado e morrer com, apenas, 28g de chocolate culinário amargo – as quantidades passíveis de serem tóxicas variam consoante o tipo de chocolate, mas este será o tipo com maior concentração de metilxantinas.

Os cães, tal como nós, são capazes de absorver, metabolizar e excretar as metilxantinas. O problema é que, no caso da teobromina, esse processo dura cerca de 17h e estas são neurotóxicas para o seu organismo.

Além disso, há especialistas que indicam, ainda, que existem cães intolerantes à lactose, o que pode ser outro problema, no caso de chocolates que contêm leite no seu processo de fabrico. Finalmente, e sendo o chocolate rico em gordura, a sua ingestão pode também prejudicar o pâncreas do animal.

Sinais clínicos (efeitos e reações)

Os sinais clínicos (ou sintomas do animal) surgem 6 a 12 horas após a ingestão, mas não estão relacionados com a hiperestimulação do sistema nervoso central, que provoca vómitos, diarreias e aumento da ingestão de água.

Todavia, se o animal ingerir uma grande quantidade, produzir-se-á toxicidade, a qual pode causar hiperatividade, agitação, aumento da frequência cardíaca, aumento da diurese, diarreia, tremores e até, mesmo, a morte.

Sobretudo neste último caso, o tratamento precoce é a solução mais eficaz e capaz de evitar males maiores. Por isso, caso o seu cão ingira chocolate, deve levá-lo ao veterinário o mais depressa possível, para que ele possa controlar e estabilizar as funções vitais do seu animal. Porém, a recomendação é que previna estes cenários, impedindo que o cão coma chocolate.

Que guloseima pode, então, dar ao seu cão?

Se costuma comer chocolate e, inevitavelmente, o faz à frente do seu cão, enquanto ele “faz questão” de ficar a olhar para si, lambendo o focinho, então saiba que existem à venda “chocolates” especiais para cão, os quais, obviamente, não possuem teobromina e não apresentam quaisquer riscos para a saúde do animal.

Aprenda a fazer bolos para cães >>

Caso prefira, pode também você mesmo fazer uns deliciosos “chocolates” para os seus amigos de quatro patas, fazendo a seguinte receita, a qual é apta para animais e, também, humanos em dieta… Estes “chocolatinhos” caseiros duram até 8 dias, no frigorífico.


“Chocolates” para cães e gatos

Ingredientes
2 saquetas de gelatina em pó, sem sabor
1/2 chávena de alfarroba em pó
1/2 chávena de farinha de aveia
1/2 chávena de água
10 c. de sopa de água fria
Forminhas, q.b.

Modo de Preparação

  1. Num recipiente, misture a alfarroba e a farinha de aveia.
  2. Vá acrescentando a água aos poucos e misture bem, até obter uma massa homogénea.
  3. Hidrate a gelatina, de acordo com as instruções da embalagem, e junte à mistura.
  4. Verta o preparado para as forminhas e leve ao frigorífico por 2 horas, até endurecer.
  5. Desenforme e sirva em porções adequadas ao tamanho do animal.

Como ficou claro, mesmo o chocolate branco, consideravelmente mais pobre em teobromina, não deve ser oferecido ao seu cão, visto que se tratam de ingredientes ricos em gorduras e açúcares que podem conduzir a outros problemas de saúde, como por exemplo obesidade.

Assim como os humanos não devem ingerir certos produtos, por correrem o risco de envenenamento, também nem o cão, nem o gato deve comer chocolate, sob pena de com isso ficarem com a sua vida em risco.

Adquira sempre alimentos próprios para o seu animal de estimação e impeça que ele consuma alimentos tóxicos, não os deixando acessíveis, no sofá, sobre a mesa ou no balcão da cozinha, por exemplo.

Veja também: