Publicidade:

6 informações que deve saber acerca do médico de família

O médico de família centra-se no indivíduo, em todas as suas dimensões. Tem um papel determinante e deve ser visitado regularmente.

6 informações que deve saber acerca do médico de família
O médico de família proporciona cuidados a todos

A relação entre médico, principalmente médico de família, e doente não se restringe meramente ao plano científico, visto que ambos são dotados de profundidade psicológica. Antes é uma relação essencial para o sucesso terapêutico, influenciada quer pelas características pessoais, quer pela conduta de ambos.

O importante papel do médico de família


é habitualmente o primeiro ponto de contacto do doente com o sistema de saúde

O médico de família é habitualmente o primeiro ponto de contacto do doente com o sistema de saúde. Tem como principais funções utilizar eficientemente os recursos da saúde, coordenar a prestação de cuidados, trabalhar com outros profissionais no contexto dos cuidados primários e gerir a ligação com outras especialidades médicas, sempre que tal seja pertinente.

É, assim, um verdadeiro gestor de recursos, visto que pode, dentro de certos limites, controlar o internamento hospitalar, o uso de exames complementares, de terapêuticas e o encaminhamento para outros especialistas.

O médico de família assume uma abordagem centrada no doente, na família e na comunidade e tem um processo de consulta distinto dos restantes clínicos, já que a relação estabelecida com o doente é mantida ao longo do tempo.

O compromisso estabelecido entre o médico de família e o doente não tem prazo, nem termina com a cura da doença ou do tratamento.

No médico de família, o doente encontra um profissional dotado de um conjunto de conhecimentos e técnicas especiais, que adota uma postura disponível, pronto para analisar e tratar qualquer problema de saúde e entendê-lo dentro do contexto pessoal, familiar e social do doente.

6 informações que deve saber acerca do médico de família


informações que deve saber acerca do médico de família

1. Como escolher e efetuar a inscrição no médico de família?

Antes de mais, deve dirigir-se ao centro de saúde da sua área de residência, fazendo-se acompanhar do seu documento de identificação (cartão de cidadão ou passaporte), comprovativo de residência e cartão ou número de beneficiário da segurança social ou do subsistema de saúde.

Uma vez inscrito, pode escolher o seu médico de família, de entre os que trabalham no centro de saúde. Se o médico da sua eleição tiver a sua lista de utentes completamente preenchida, é provável que seja aconselhado a optar por um dos médicos em cuja lista existam vagas.

Em caso de mudança provisória de residência, é possível fazer uma inscrição temporária noutra unidade de saúde. Para tal, é necessário que as razões da sua mudança sejam expostas por si no centro de saúde da área de residência temporária. Mais uma vez, para fazer o pedido de transferência do seu processo clínico e o pedido de inscrição temporária, será necessário levar consigo os mesmos documentos de que necessitou no ato de inscrição.

2. Gostava de mudar de médico de família. É possível fazer essa alteração?

No caso de pretender mudar de médico de família, deve apresentar o seu pedido, por escrito, devidamente justificado, ao diretor do centro de saúde, a quem caberá tomar a decisão. No entanto, também os médicos de família podem recusar ou cancelar a inscrição de qualquer utente nas suas listas, desde que tal seja feito através de pedido escrito e justificado. Também neste caso a decisão cabe ao diretor do centro de saúde.

3. Toda a família deve estar inscrita no mesmo médico de família?

Não é obrigatório que toda a família esteja inscrita no mesmo médico de família, até porque muitas vezes, por diversas razões, tal não é possível. No entanto, o ideal é que todos os elementos que compõem a família estejam inscritos no mesmo médico, pois só assim é possível obter uma maior compreensão dos problemas que afetam a família.

4. Em caso de necessidade de relatório médico, é possível pedi-lo ao médico de família?

Apesar de qualquer médico estar perfeitamente capacitado para emitir relatórios comprovativos da aptidão física ou mental, na grande maioria dos casos estes atestados são emitidos pelo médico de família. Assim, em caso de necessidade de relatório médico, deve recorrer a uma consulta no seu centro de saúde.

5. O que é uma consulta de vigilância da saúde e quando deve ser realizada?

A consulta de vigilância de saúde serve, como o nome indica, para vigiar o estado de saúde, de forma regular. Todas as pessoas beneficiam de acompanhamento médico próximo e regular, mas há grupos populacionais mais vulneráveis (por exemplo, crianças, grávidas, idosos e pessoas com doença crónica) que requerem ainda maior atenção. Assim sendo, as consultas com o médico de família devem ser programadas, periódicas e regulares.

6. Como manter a inscrição no médico de família?

Caso não recorra ao centro de saúde durante 5 anos consecutivos é possível que seja notificado e que lhe seja solicitado que informe se deseja permanecer inscrito. Caso não o faça nos 90 dias que se seguem a essa comunicação, fica sem médico de família atribuído.

De forma habitual, a notificação é geralmente endereçada numa carta que possui um código de ativação. De forma a manter o médico de família, deve contactar a sua unidade de saúde presencialmente, por telefone ou e-mail, indicar o código de ativação e atualizar os seus dados pessoais, caso necessário.

Na eventualidade de não entrar em contacto com a sua unidade de saúde, é integrado na lista de utentes inscritos sem contacto nos últimos 5 anos e é aberta uma vaga na lista do seu médico. Tal não prejudica o seu direito de, a qualquer momento, requerer novamente a atribuição de médico de família.

Veja também:

Ana Graça Ana Graça

Mestre em Psicologia, pela Universidade do Minho, com a dissertação “A experiência de cuidar, estratégias de coping e autorrelato de saúde”. Especialização (Pós-Graduada) em Neuropsicologia Clínica, Intervenção Neuropsicológica e Neuropsicologia Geriátrica. Membro efetivo da Ordem dos Psicólogos Portugueses, com especialidade em Psicologia Clínica e da Saúde e Neuropsicologia. Além da Psicologia. é apaixonada por viagens, leitura, boa música, caminhadas ao ar livre e tudo o que traga mais felicidade!