Publicidade:

Os 5 melhores telemóveis para idosos

Os melhores telemóveis para idosos devem ter em conta uma série de funcionalidades para melhorar a vida dos utilizadores. Conheças as nossas sugestões.

Os 5 melhores telemóveis para idosos
A melhor tecnologia adaptada à idade

Quem é que, hoje em dia, não precisa de um telemóvel? A necessidade de estar comunicável é comum a todas as idades. Abordando o tema dos telemóveis para idosos, é necessário ter em conta algumas funcionalidades que podem melhorar (ou, pelo contrário, comprometer) a acessibilidade destes dispositivos para utilizadores na terceira idade.

Podemos estar perante típicos smartphones ou equipamentos adaptados e vendidos com esta distinção, mas não são só os dispositivos com teclas grandes que são considerados bons telemóveis para idosos. É importante, sobretudo, que tenham características que ajudem quem pode sofrer de limitações a nível físico, auditivo e visual.

Além disso, é importante que seja fáceis de manusear, que tenham uma autonomia a nível da bateria acima da média, que sejam resistentes e que permitam acionar mecanismos de emergência de forma simples e rápida.

A prioridade deixa de estar centrada nas funcionalidades, tipo de câmara ou memória, apesar de não se excluir a preocupação com aspetos mais tecnológicos, ou até estéticos. Outro aspeto positivo dos equipamentos com estas características costuma ser o preço, pois, geralmente, estes são telemóveis mais baratos.

Telemóveis para idosos: 5 sugestões


1. ZTC C230

ALT ztc c320

Fonte: Fnac

Este modelo vem naquele formato tipo concha, o que proporciona uma camada de proteção ao ecrã. Além de um teclado de tamanho maior que o normal, tem também câmara e rádio FM, sistema Bluetooth e câmara VGA. O tamanho facilita o transporte, mas pode ser considerado fácil de perder. O preço ronda os 55€, desbloqueadoVer telemóvel >>

2. ZTC SP54

ALT ztcFonte: ZTC

Também da marca ZTC, este modelo tem sido um dos telemóveis para idosos mais vendidos. O modelo SP54 já apresenta um design mais típico com o ecrã e as teclas grandes. A utilização intuitiva é um ponto forte, apesar do ecrã ser pequeno. Possui câmara, sistema Bluetooth, botão de emergência, rádio FM, lanterna e é carregado numa base de secretária semelhante à de um telefone fixo. Tal como o modelo anterior, tem uma bateria de 1000 mAh. O preço é de 50€, desbloqueado. Ver telemóvel >>

3. AEG Voxtel M250

telemovel aeg para idososFonte: AEG

O modelo da AEG prima também pelas teclas de grande dimensão. Do teclado faz parte também o botão de emergência, e a possibilidade de ligar a lanterna do telefone. A bateria é de 800 mAh neste telemóvel que, apesar de pequeno, é sólido e resistente. Custa 39€, desbloqueado. Ver telemóvel >>

4. Samsung Galaxy J3

ALT samsung galaxy j3Fonte: Samsung

Entrando agora no mundo dos smartphones, a Samsung apresenta o Galaxy J3, que apesar de não ser publicitado como sendo “para idosos”, apresenta algumas características que podem ajudar quem quer manter a acessibilidade e a facilidade de utilização, juntamente com mais tecnologia.

Além de estarmos perante um Android, que disponibiliza toda uma série de aplicações, o Galaxy J3 prima pela memória de 16 GB de armazenamento interno, câmara de 13 megapixels e câmara de selfie. O que o torna um bom telemóvel para idosos é o ecrã de 5 polegadas, que pode ser personalizado com atalhos para as funcionalidades mais úteis e importantes. Desbloqueado, o preço ronda os 200€Ver telemóvel >>

5. Yezz Andy Az4.5 Dual Sim Senior

ALT yezz andyFonte: Fnac

Outro smartphone Android para finalizar a lista. O preço do Yezz Andy está nos 139€. O ecrã de 4,5 polegadas combina o melhor de um ecrã touch de um qualquer smartphone com as vantagens dos equipamentos com grandes teclas.

As aplicações e funcionalidades estão em ícones coloridos acessíveis, e o botão de emergência está novamente presente. Tem também uma câmara fotográfica de 5 megapixels e o sistema de carregar é em dock. Outra grande vantagem é ser dual simVer telemóvel >>

Veja também:

Júlia Rocha Júlia Rocha

Licenciada em Ciências da Comunicação pela Universidade do Porto, sempre se deu bem com os livros, teclados de computador e canetas. A importância da palavra escrita num mundo tecnológico, aliada à história, ao cinema, literatura e televisão, são os seus maiores campos de interesse.