Publicidade:

Quanto tempo em frente ao ecrã devem as crianças passar?

Sabe quanto tempo em frente ao ecrã devem estar as crianças? Conheça as consequências que este tipo de comportamento pode ter para o seu desenvolvimento.

Quanto tempo em frente ao ecrã devem as crianças passar?
Existem algumas alternativas de atividades que pode proporcionar às crianças

A infância é um período em que as crianças se desenvolvem rapidamente, sendo também caracterizada por uma época da vida em que alguns padrões do estilo de vida familiar poderão ser adaptados de modo a que se consiga aumentar os benefícios para a saúde da criança, pelo que o tempo em frente ao ecrã é também um fator a ter em consideração.

A verdade é que a maioria lida diariamente, e de uma forma contínua, com dispositivos móveis, computadores e tablets e é necessário que se imponham algumas limitações às crianças, que como sabemos, hoje tem contacto com os ecrãs desde muito cedo.

A Organização Mundial de Saúde (OMS), desaconselha a população a colocar as crianças em frente à televisão ou a um tablet, antes dos 2 anos de idade.

Por este mesmo motivo, os bebés e as crianças não devem ser deixados em frente a qualquer tipo de ecrã de forma passiva.

Quais as consequências para as crianças?


tempo em frente ao ecrã

Num novo conjunto de diretrizes, a Organização Mundial de Saúde (OMS), alerta para o facto de que os bebés com menos de 1 ano de idade não deverão ser expostos a qualquer tipo de ecrã eletrónico.

Além disso, a organização afirma também que crianças com idades compreendidas entre os 2 e os 4 anos, não devem passar mais de uma hora de tempo sedentário, em frente a um ecrã, por dia.

Hoje é bastante comum vermos algumas famílias com crianças, em restaurantes, com dispositivos eletrónicos, como tablets ou telemóveis à sua frente durante a refeição. No entanto, a entrega de aparelhos eletrónicos às crianças para entretenimento, deve ser algo com tempo limitado e claro, quanto menos tempo, melhor.

Quais as consequências associadas?

A Organização Mundial de Saúde acredita que as crianças que passam demasiado tempo em frente ao ecrã possam estar expostas a alguns fatores de risco como o sedentarismo, a diminuição da atividade física e ainda a alguns hábitos de sono menos saudáveis. E, se repararmos bem, tudo isto faz sentido. Ou seja, uma criança que passe duas horas ,ou mais, por dia em frente a um tablet ou a um smartphone, poderá estar a criar um hábito sedentário e pouco saudável.

Por vezes, até mesmo para os adultos torna-se difícil desligar totalmente de todos os aparelhos eletrónicos, não é assim? Claro está que, quando se trata de uma criança esta ligação que se vai criando com este tipo de aparelhos, pode mesmo significar um perigo para a sua saúde.

É importante alertar a população para as consequências que podem estar diretamente associadas a este problema. Afinal, tanto o comportamento sedentário das crianças como a diminuição da sua atividade física, são considerados fatores de risco para o surgimento de doenças relacionadas com a obesidade.

Afinal, qual é o tempo em frente ao ecrã recomendável?


tempo em frente ao ecrã

As dicas para que os pais consigam gerir melhor o tempo das crianças em frente ao ecrã passam pela limitação e, em alguns casos, pela eliminação de alguns tipos de dispositivos do dia a dia das crianças com menos de 5 anos de idade.

Tudo isso para que elas desenvolvam melhores e mais saudáveis hábitos de vida, isto é, para que evitem a obesidade e as doenças na adolescência e na idade adulta, começando a fazer mais exercício físico de modo a que consigam criar rotinas de sono saudáveis.

Para que não tenha dúvidas sobre este assunto, fizemos uma listagem com algumas dicas, tome nota.

1. Para os bebés

É extremamente importante que os bebés estejam ativos fisicamente várias vezes ao longo do dia. Além disso, recomenda-se também que fiquem pelo menos 30 minutos deitados sobre a barriga, fator este denominado por tummy time.

Segundo a OMS, os pais de bebés com menos de 1 ano de idade, devem mesmo cortar qualquer tipo de contacto que o bebé possa ter com qualquer ecrã. Ou seja, evitar ao máximo o tempo sedentário em frente a um dispositivo.

Assim, para recém-nascidos, são recomendadas também entre 14 a 17 horas de sono (incluindo as sestas). Tempo este que reduz para 12 a 16 horas, a partir dos quatro meses e até aos 11 meses.

Opte por entreter o seu bebé com brinquedos adequados, música e até mesmo com pequenas brincadeiras em família.

2. Para as crianças com 1 ou 2 anos

As crianças com 1 ou 2 anos de idade devem fazer pelo menos 3 horas de atividade física por dia. Por isso, opte por inscrevê-las num desporto que elas próprias tenham interesse, ou, então, passeie ao final do dia com elas.

Caminhadas, passeios ao ar livre, brincadeiras num parque ou até mesmo a prática de algum exercício físico adaptado ao seu filho em casa, pode mesmo ajudar a contrariar alguns hábitos menos saudáveis.

Em relação às crianças de 1 ano, deve limitar o tempo em frente ao ecrã, no máximo até 1 hora por dia.

3. Para crianças com 3 ou 4 anos

Se os seus filhos já têm cerca de 3 ou 4 anos, então o leque de atividades que pode fazer com eles já é maior. Essas crianças devem fazer algum tipo de atividade física durante cerca de 3 horas por dia, sendo que uma delas deverá ser de intensidade moderada ou robusta.

Se não tiver oportunidade de inscrever os seus filhos num desporto, ou se simplesmente essa não for uma opção para si, lembre-se que pode sempre ocupar essas 3 horas com atividades bem divertidas para ambos.

Passar tempo em família é importantíssimo tanto para as crianças, como para nós adultos que passamos os nossos dias empenhados no trabalho. Se tiver oportunidade, saia do trabalho e vá passear ao longo da praia com o seu filho.

Ensine-o a andar de bicicleta ou de patins, faça pequenas corridas ou opte por passear o cão com o seu filho e aproveitar para caminhar e correr.

Evite deixar o seu filho ficar mais de 1 hora por dia em frente ao ecrã e vai obter resultados muito mais saudáveis.

Veja também:

Catarina Milheiro Catarina Milheiro

Finalista da licenciatura em Gestão de Marketing, entende a partilha de informação através da escrita, como uma forma nobre da comunicação.

Saiba tudo sobre emprego