Publicidade:

Visitar Finisterra: pequeno guia para conhecer o “fim do mundo”

Visitar Finisterra é viajar no tempo e conhecer um lugar lendário, onde o mar se exibe com imponência. Fica na Galiza, a menos de 4 horas do Porto.

Visitar Finisterra: pequeno guia para conhecer o “fim do mundo”
O Cabo Finisterra inspira lendas e desperta paixões

O enquadramento geográfico da região espanhola da Galiza confere-lhe atributos especiais, sendo um excelente destino de viagem. Neste artigo, falamos-lhe de visitar Finisterra, esse lugar envolto em mitos e lendas, onde em tempos se julgava que o mundo acabava.

Pertencente à Província da Corunha, cidade que merece igualmente uma visita, Finisterra destaca-se pela sua paisagem natural intocada, onde a terra se encontra com o Atlântico de forma dramática e magnética. De seguida, dizemos-lhe tudo o que precisa de saber para uma escapadinha perfeita a este lugar mágico.

Visitar Finisterra: tudo o que precisa de saber


finisterraFonte: Pixabay/luisandantino

Como chegar

Este paraíso galego está a menos de 4 horas de uma viagem de carro a partir do Porto. No entanto, se pretende visitar Finisterra e quer partir de Lisboa, poderá equacionar viajar de avião até Vigo ou até à Corunha, ainda que o mais certo é ter de fazer uma escala noutra cidade espanhola, como Madrid ou Barcelona.

Com automóvel, de Vigo a Finisterra são cerca de 2 horas na estrada. Se estiver no centro da Corunha, a viagem demorará cerca de 1h30. O percurso a partir de Santiago de Compostela é de cerca de 90 km, demorando cerca de 1 hora e 20 minutos.

Se estiver numa de road trip, faça-se à N550 a partir de Santiago, também conhecida como Estrada da Costa. Irá passar por vilas encantadoras como Noia, Muros e Cee: um percurso mais demorado, mas mais rico e interessante.

Melhor época do ano para visitar Finisterra

Esta é uma zona de invernos frios, ventosos e chuvosos, altura em que a paisagem assume contornos ainda mais bravios  – o que não é necessariamente uma desvantagem, caso aprecie este tipo de atmosfera introspetiva e misteriosa.

Se, pelo contrário, quer aproveitar os dias de sol e a possibilidade de fazer praia, aconselhamo-lo a ir no verão, no final da primavera ou no início do outono, quando a meteorologia e o estado do mar serão mais agradáveis e haverá cor e movimento nas vilas.

finisterraFonte: PxHere

A Costa da Morte

Uma das explicações para que a zona onde está o Cabo Finisterra seja apelidada de “Costa da Morte”, para além do mar revolto, tem a ver com a sua delimitação escarpada. Esta característica era supostamente aproveitada pelos “piratas de terra” de séculos passados, para provocar naufrágios e assim poder pilhar os barcos.

Penduravam candeias nos cornos dos bois e soltavam-nos à noite no cimo das falésias: os marinheiros pensavam que se tratava de uma aldeia com porto onde pudessem atracar e aproximavam-se, mas embatiam nas rochas.

O “fim do mundo” e a ligação ao Caminho de Santiago

Foram os Romanos, nos tempos de conquista da Península Ibérica, que batizaram esta porção de terreno que entra pelo mar adentro de “Finisterra”. Naquela época longínqua, este Cabo simbolizava o fim do mundo físico até aí conhecido, daí o seu nome. Uma perceção reforçada pelo majestoso pôr-do-sol, que aqui era contemplado com temor e fascínio já no tempo dos Celtas: terminava aqui a viagem do astro-rei iniciada a Oriente.

Após a descoberta dos restos mortais do Apóstolo Santiago e com o iniciar da tradição de fazer “o Caminho”, muitos peregrinos começaram a percorrer uma última etapa: a de Santiago de Compostela a Finisterra, com o objetivo de acompanhar a viagem do sol e o itinerário celeste da Via Láctea.

Chegados ao lugar que se acreditava ser o mais ocidental da Europa, os peregrinos podiam apreciar o horizonte infinito, numa experiência final de plenitude. O percurso de Santiago a Finisterra (Múxia) é de 87 km e está incluído no Códice Calixtino como tradição Jacobeia, isto é, faz parte do culto oficial ao Apóstolo Maior.

O visitar em Finisterra

Passeios tranquilos para apreciar a paisagem e contactar com as gentes locais, cuja ocupação principal é a pesca, são atividades obrigatórias. Veja aqui os pontos e paragens a incluir no seu roteiro:

  • Aldeia de Finisterra, com o seu porto pitoresco – tabernas imperdíveis
  • Santuário de Santa María das Areas – imagem de Cristo da Barba Dourada
  • Vistas da Ria de Corcubión – com o Monte Pindo no horizonte
  • Cemitério Municipal – obra de arquitetura original
  • Ruínas da Ermida de San Guillerme – destaque para a “cama de San Guillerme”
  • Farol de Finisterra – data de 1853, está 138 m a cima do nível do mar

As praias

Apesar do nome “Costa da Morte”, há por aqui praias bem abrigadas. Eis aqui algumas das praias que deve conhecer, umas mais bravias, outras mais paradisíacas:

  • Playa de Talón
  • Playa de Langosteira
  • Playa de Mar de Fóra
  • Playa de Corveiro
  • Playa de la Ribeira
  • Playa de Sardiñeiro

tortillaFonte: PxHere

Onde comer e o que provar

Na aldeia de Finisterra, não deixe de visitar algumas tabernas ao sabor do seu instinto e provar marisco acabado de apanhar pelos pescadores, com destaque para o lingueirão. O peixe e os frutos do mar frescos são os produtos locais por excelência, mas poderá comer outras iguarias típicas galegas, como os pimentos padrón, a tortilha ou os calamares.

Se quer ir já com alguns nomes de restaurantes debaixo de olho, aqui ficam algumas sugestões:

Onde dormir em Finisterra

Por último, falamos-lhe das várias opções de alojamento que encontrará se decidir visitar Finisterra. Ainda que os hotéis e os parques de campismo sejam as escolhas habituais (não conte com hotéis de charme ou parques de campismo glamorosos), começa a haver alguma oferta em casas e apartamentos para alugar.

Veja também: