Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Valdemar Jorge
Valdemar Jorge Com: Marvin Tortas
23 Set, 2020 - 16:01

Citroën Méhari: mais um ícone automóvel rendido à eletricidade

Valdemar Jorge Com: Marvin Tortas

Sem capota, com capota, ele é jipe, é camião. Assim era o popular anúncio do Citroën Méhari nos anos 70, renascido agora numa versão amiga do ambiente.

Citroen Mehari

Muitos são os leitores que se lembrarão do popular Citroën Méhari. Um espartano automóvel da marca francesa com carroçaria em plástico ABS que conquistou adeptos em todo o mundo.

Nascido em 1968, este compacto, original e inovador automóvel rapidamente começou a conquistar adeptos pela Europa fora, quer nas zonas mais rurais, quer nas zonas de praia.

O Méhari era apresentado como uma viatura “faz tudo”, conceito pouco em voga na época. Tanto servia para apoio profissional, como num ápice se transformava numa viatura de lazer. Mais tempo perdia o seu proprietário a mudar de indumentária, que a transformar o Méhari de “profissional” em “aventureiro”.

Popularizado em Portugal nos anos 70 pelo mítico anúncio que começava com a música “Com capota, sem capota, ele é jipe, é camião”, o Citroën Méhari foi descontinuado nos anos 80, deixando entre os seus fãs a saudade.

Hoje em dia, as viaturas originais são tidas como automóveis de coleção na Europa Continental, mas continuam a desempenharas suas funções de viatura de trabalho e lazer nas ilhas baleares espanholas, onde é possível ver a maior concentração destes bólides.

Ouvindo as preces dos seus clientes, a Citroen reinventou em 2015 este ícone automóvel, convertendo-o à eletricidade. Esta é a história do mítico Citroën Méhari e do seu renascimento.

Citroën Méhari: um carro para várias ocasiões

Citroen Mehari

Este utilitário, com nome inspirado no dromedário de corrida rápida conhecido por Méhari, foi fabricado e comercializado pela Citroën cerca de 20 anos (1968-1988) e conheceu duas versões: tração às duas rodas frontais (1968-1988) e tração às quatro rodas (1980-1983).

Era conhecido pela carroçaria construída em plástico ABS, não possuir portas e ter capota conversível em tecido. Isto é. Com três movimentos transformava-se num apetecível descapotável, sendo uma ótima alternativa para os dias quentes de Verão.

Leve, muito leve, o Méhari pesava 535 kg, tinha suspensão e chassis independentes, componentes que partilhava com outros modelos da marca francesa conhecido por “A-Series” e recebia motor de 602cc que partilhava igualmente com o 2CV6 Dyane e Ami, outros modelos da marca francesa que tiveram assinalável êxito comercial.

Citroen Mehari

Entre o seu lançamento, em França, e o final de produção, a Citroën colocou no mercado automóvel 144.953 Méhari. O modelo foi projetado pelo conde Roland de la Poype, que dirigiu a companhia francesa SEAP – Société d’Etudes et d’Applications des Plastiques, empresa fornecedora da Citroën, e foi produzido na Bélgica, Espanha, Portugal, Argentina, Jugoslávia.

Méhari teve versões de duas e quatro rodas motrizes

A versão 4×4 do Citroën Méhari surgiu em 1979 e a marca francesa manteve este modelo em produção até 1983. Distinguia-se da versão de duas rodas motrizes por ter a roda sobressalente montada no capot, especialmente desenhado para esse efeito.

Ostentava ainda para-choques adicionais dianteiros e traseiros, arcos das rodas alargados, grandes pneus (em opção) e luzes traseiras semelhantes ao furgão Citroën Acadiane.

A versão 4×4 disponha ainda de caixa de quatro velocidades normais e uma caixa de transferência de três velocidades para cruzar inclinações de até 60%. O Méhari 4×4 era um dos poucos modelos com suspensão independente nas quatro rodas e estava equipado com travões de disco em todas as rodas.

Duas edições limitadas a reboque do sucesso do Méhari

Citroen Mehari

Com o despontar do interesse pelo pequeno e ágil Méhari, a marca francesa apostou na construção de duas edições limitadas, mas que a reboque do sucesso conquistado ajudaram ainda mais a impulsionar as vendas. Uma delas usava até um termo caracterizador de liberdade: Plage (Praia).

  • Versão Azur – Inicialmente pensada para ter apenas 700 exemplares, acabou por ser integrada na restante gama do Méhari, devido ao seu sucesso. Distinguia-se pela carroçaria branca com portas azuis, grelha e capota em lona, assentos estofados em tecido em riscas largas de azul e branco.
  • Versão Plage – Surgiu ao mesmo tempo que a Azur, mas a marca francesa reservou-a para os mercados da Península Ibérica. Produzido em Mangualde, em Portugal caracterizava-se pela carroçaria pintada em cor amarela com apontamentos brancos.

Citroën E-Méhari: pioneiro elétrico, mas afastado de Portugal

Citroen eMehari

Antecipando o dealbar da eletrificação massiva do automóvel que se acentuou nos últimos anos, a Citroën, em 2016, revoluciona de novo o mercado ao apresentar um irreverente E-Méhari 100% elétrico.

A nova proposta da casa francesa mantém o espírito do original Citroën Méhari, mas com um design bem atual, mantendo o espírito aventureiro que sempre caracterizou este modelo, que agora, se quer encaixar no segmento dos pequenos SUV.

À versão de 2016 sucede uma outra em 2018. Nesta, a Citroën reforça a robustez do Méhari que agora recebe teto rígido, estrutura anticorrosiva sólida, e um adicional de 20% de binário, o que o deixa mais potente.

Embora não seja possível comprar este novo E-Méhari em Portugal, por opção da marca francesa, o E-Méhari, com esta nova roupagem, até poderia ser opção para os meses mais frios de Inverno, mantendo a alegria de se poder circular no Verão com os cabelos ao vento.

Felizmente, e por ser um automóvel elétrico, caso o pretenda importar, estará isento de pagamento de IVA e de ISV, ficando por isso, bastante mais em conta.

Assumidamente elétrico

Citroen eMehari

Elétrico assumido, o novo Citroën E-Mehari oferece uma condução silenciosa, suave e acima de tudo segura.

A opção mecânica, agora com mais 20% de binário, alcança 166 Nm até às 3.700 rpm. A autonomia anunciada é de cerca de 200 km entre recargas da bateria e a velocidade máxima é de 110 km/h.

O sistema é apoiado por tecnologia de baterias LMP (Polímero de Lítio Metálico) do Grupo Bolloré que permite carregamentos em 8 horas numa tomada de doméstica de 16A.

Melhor isolamento e conforto reforçado

As alterações operadas nesta versão de 2018 incidiram ainda no reforço do isolamento acústico, novos bancos, atualização da consola central e dos painéis das portas de forma a tornar o ambiente a bordo do E-Méhari mais moderno, confortável e aprazível.

Mantendo a versatilidade e aventureirismo do original Méhari o E-Méhari tem carroçaria construída em material plástico leve e resistente a pequenos impactos. Não sofre de danos por efeito da corrosão e requer pouca manutenção.

Uma característica que lhe é única é que pode ser lavado por dentro e por fora, com uma mangueira, sem que os materiais com que é construído sofram com o efeito da água. Torna-se, deste modo, o veículo ideal para condutores descontraídos, amantes de aventura e que defendam uma baixa pegada ecológica.

Veja também