Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Marta Maia
Marta Maia
02 Dez, 2019 - 17:46

4 motivos para diversificar as suas fontes de rendimento

Marta Maia

Diversificar fontes de rendimento é um conselho comum entre os especialistas para fazer crescer o dinheiro. Descubra porquê e como o fazer.

diversificar fontes de rendimento

Sempre que, falando de dinheiro, conversamos com especialistas, invariavelmente um dos conselhos é o de que “devemos diversificar as nossas fontes de rendimento”.

Este conselho, contudo, tem tanto de assertivo como de abstrato, por isso “descodificámo-lo”, não só para que perceba melhor o que significa, mas também para que possa pô-lo em prática.

Diversificar fontes de rendimento: o que quer dizer?

Quando lhe dizemos que deve diversificar fontes de rendimento queremos, na verdade, dizer-lhe que o dinheiro que lhe cai no bolso todos os meses deve ter mais do que uma origem.

Vamos por partes: uma fonte de rendimento pode ser um trabalho, emprego ou uma outra atividade que lhe dá dinheiro a ganhar.

Quando tem um emprego, tem uma fonte de rendimento, mas se tiver vários empregos ou até outras atividades, o seu rendimento mensal tem várias origens diferentes.

Trocado por miúdos, é o chamado “não guardar os ovos todos no mesmo cesto”.

4 razões para diversificar fontes de rendimento

mulher freelancer

Manter várias atividades a render tem grandes vantagens, quer ao nível pessoal, quer ao nível profissional:

1. Tem sempre um plano B

Só quem já tem contas para pagar todos os meses sabe o que é viver com medo de perder o emprego de repente e ficar sem nada.

A angústia de não ter como sobreviver se um azar vier a acontecer é real e afeta grande parte dos portugueses, e para este mal só há mesmo um remédio: diversificar as fontes de rendimento.

Se, além do emprego regular, tiver outra atividade ou fonte de rendimento que lhe garanta uns euros extra, sabe que está sempre protegido e pronto para o pior: se, de hoje para amanhã, o contrato de trabalho acabar, não fica a passar fome. Há alívio maior do que saber isso?

2. Poupa mais e mais depressa

Ter uma segunda (ou terceira) fonte de rendimento é ter a possibilidade de viver com um salário e poupar o resto do dinheiro que recebe.

Pode, por exemplo, manter duas fontes de rendimento: uma a sustentá-lo no dia a dia e a outra a capitalizar para o futuro, abrindo as portas a mais formação, a uma casa nova, a uma família ou qualquer outro sonho que tenha.

Diversificar fontes de rendimento pode, de certa forma, ser o mesmo que diversificar fontes de poupança.

3. Tem maior liberdade profissional

Se viver na angústia de saber que mal sobreviveria sem emprego já é mau, imagine levantar-se todas as manhãs sabendo que tem de passar o dia num emprego mau.

Se não é, de todo, pessoa para aguentar viver uma vida de que não gosta ou suportar um emprego que não o realiza só porque tem contas para pagar, então é a pessoa certa para começar já a diversificar as suas fontes de rendimento.

Sabendo que tem sempre como conseguir pagar as contas dá-lhe margem de manobra para tomar decisões que, noutro contexto, dificilmente tomaria, mas que o fazem indubitavelmente mais feliz.

Diversificar fontes de rendimento, nestes casos, é ganhar o poder de bater com a porta quando quiser.

4. Enriquece o currículo

competênciasIndependentemente de precisar de ter mais competências para manter o seu emprego atual, é inegável que fazer várias atividades lhe dá experiências variadas e muito válidas num cenário de contratação.

Não importa se é engenheiro mecânico e vende uns quadros pintados por si ao fim de semana: só o facto de ter uma perspetiva diferente da da maioria já é um grande ponto a seu favor em contextos de avaliação.

Diversificar fontes de rendimento mostra capacidade de sair da zona de conforto com sucesso e fazer da aprendizagem uma ferramenta que dá lucro.

Como diversificar fontes de rendimento: 4 ideias

As opções são muitas, mas deixamos quatro sugestões para quem precisa de começar a pensar no assunto:

1. Arranje outro emprego

Não precisa de ser na sua área, nem sequer precisa de ser intelectualmente exigente (não se esqueça que acumular dois empregos intelectualmente exigentes também cansa muito e pode deixá-lo sem capacidades para nenhum).

É válido embrulhar presentes no Natal, dar explicações de música, fazer baby-sitting ou vender limonadas na praia. Desde que dê um dinheiro extra de forma regular, um segundo trabalho está ótimo.

Veja também Como ganhar dinheiro extra: 28 dicas para encher a carteira

2. Invista

Se tem dinheiro de parte e não se importa de correr o risco, pode comprar algumas ações e começar a receber os respetivos dividendos. É a forma mais fácil de diversificar fontes de rendimento, porque não tem de ter muito trabalho para receber mais.

3. Crie o seu próprio negócio

Se tem um qualquer talento escondido, ponha-o a dar lucro. Abra o seu negócio: uma loja, um restaurante, uma empresa de visitas guiadas. A criatividade – e o seu talento, claro – é o limite!

Além disso, sendo um negócio só seu ganha liberdade de tempo, porque pode abrir as portas quando quiser e não fica sujeito às ordens de mais ninguém.

4. Venda direitos de autor

Tira umas fotos fantásticas? Sabe compor música? Tire o máximo proveito do talento criativo e produza conteúdos para publicar na internet.

Quando publicados, os clientes vão começar a aparecer e a pagar-lhe direitos de autor para usar a sua obra. Não há forma mais fácil de diversificar fontes de rendimento sem grande esforço.

Veja também