Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Teresa Campos
Teresa Campos
28 Ago, 2020 - 13:00

Conjuntivite: o que é e como tratar

Teresa Campos

A conjuntivite carateriza-se por olhos vermelhos, pálpebras inchadas e secreções oculares. Se reúne estes sintomas, saiba tudo o que deve fazer.

homem com conjuntivite no olho

A conjuntivite é uma doença ocular algo frequente tanto em crianças, como em adultos. Se no verão são mais comuns as conjuntivites bacterianas, no outono são mais comuns as virais. Já a primavera é conhecida pelas conjuntivites alérgicas.

Apesar de, habitualmente, não configurar um problema grave de saúde, a conjuntivite pode ser bastante incómoda e alguns tipos altamente contagiosos. Aprenda a distinguir os vários tipos e saiba o que fazer em cada caso.

Conjuntivite: causas, tratamentos e prevenção

Conjuntiva é o nome de uma membrana, fina e transparente, que existe nos nossos olhos. Ela cobre a superfície da córnea e o interior das pálpebras. Quando ela fica irritada ou inflamada, estamos perante uma conjuntivite.

A conjuntivite pode ter origem numa alergia, num vírus ou numa bactéria. Os principais sintomas deste problema são olhos raiados e vermelhos, com prurido, lacrimejo e secreção. Este é um problema relativamente comum, que causa desconforto e que pode afetar os dois olhos ou só um.

Como já adiantámos, existem 3 tipos principais de conjuntivite, os quais apresentam origens e causas distintas.

Conjuntivite alérgica

Esta é a tipologia mais recorrente, afetando aproximadamente 1/3 da população. É especialmente frequente na primavera, devido ao contacto com alergénios como pólens, pêlos de animais, ácaros e pó. Não é contagiosa, mas costuma atingir os dois olhos.

Conjuntivite infeciosa

Esta forma de conjuntivite é provocada por vírus, fungos ou bactérias. Neste caso, trata-se de uma conjuntivite contagiosa, podendo transmitir-se de pessoa para pessoa, nomeadamente através da partilha de objetos; do ar; e do contacto das mãos com o olho.

Conjuntivite tóxica

Este tipo de conjuntivite é causado pela exposição a produtos de limpeza e a agentes tóxicos, como o fumo do cigarro, a tinta do cabelo ou até alguns medicamentos.

Veja também Visão: quanto custa a cirurgia para miopia?

Tratamento e prevenção

Sintomas principais

Cada tipo de conjuntivite pode ter manifestações próprias e a duração dos sintomas pode variar de caso para caso. Ainda assim, há sintomas mais ou menos comuns, como é o caso de:

  • Olhos vermelhos e lacrimejantes;
  • Pálpebras inchadas;
  • Prurido ou ardor;
  • Intolerância à luz;
  • Sensação de areia nos olhos;
  • Secreções (sobretudo na conjuntivite bacteriana em que as secreções são espessas, amareladas e abundantes).
mulher a pôr gotas nos olhos

Tratamento

Para tratar este problema, é preciso determinar bem a sua origem. Os fármacos normalmente receitados nestas situações são: colírios lubrificantes; pomadas com antibiótico; e/ou anti-histamínicos.

Além disso, há cuidados que deve ter, de maneira a que a infeção não piore, nem se alastre. Algumas dessas precauções são:

  • Lavar as mãos antes e depois de colocar os colírios ou as pomadas;
  • Lavar frequentemente as secreções presentes nas pálpebras;
  • Aplicar compressas frias na região para reduzir o inchaço;
  • Não partilhar e trocar com frequência as fronhas das almofadas e as toalhas do rosto;
  • Não colocar lentes de contacto;
  • Reduzir a exposição a alergénios ou a outros agentes irritantes;
  • Evitar a exposição direta à luz ou ao sol;
  • Evitar mergulhar em piscinas.

Prevenção

É possível diminuir o risco de conjuntivite, adotando algumas medidas de higiene, tais como: lavar as mãos e o rosto regularmente; evitar esfregar ou coçar os olhos; não partilhar as toalhas de rosto, nem os produtos de higiene com outras pessoas.

Se suspeita que tem uma conjuntivite, deve consultar o mais depressa possível um médico, de preferência um oftalmologista.

Apesar de, geralmente, este problema ter um tratamento simples, esta doença ocular carece de terapêutica específica e, para isso, precisa de ser feita uma avaliação caso a caso, de modo a detetar com exatidão a origem do problema.

Veja também