Catarina Reis
Catarina Reis
15 Nov, 2021 - 11:20

As consequências da mentira na candidatura de emprego

Catarina Reis

As estatísticas não enganam, as consequências da mentira na candidatura de emprego podem ser fatais e deitar tudo por terra.

consequências da mentira na entrevista de emprego

Faça o que fizer, nunca – mas nunca mesmo – minta numa candidatura de emprego.

Este é um conselho simples e uma regra (aparentemente) básica, no entanto as estatísticas revelam que mais de 60% dos candidatos mentem na candidatura de emprego ou até durante a entrevista. Mas as consequências da mentira na candidatura de emprego podem ser muito elevadas e afetar a sua reputação.

AS CONSEQUÊNCIAS DA MENTIRA NA CANDIDATURA DE EMPREGO PODEM SER DEVASTADORAS

A honestidade é um dos aspetos de avaliação mais importantes quando alguém enceta uma relação profissional. Embora muitas vezes os recrutadores estejam preparados para identificar irregularidades, a tentação de se transmitir informação falsa para conseguir ser admitido mais facilmente, poderá se tentadora para muitos candidatos.

Numa era em que através da internet se pode através de pesquisa descobrir facilmente um dado falso, é de todo desaconselhado apresentar informações falsas numa candidatura de emprego, seja em que circunstâncias for.

Ainda que no momento da candidatura lhe possa parecer boa ideia, o melhor é pensar duas vezes, pois as consequências da mentira na candidatura de emprego podem ser meio caminho andado para não ser selecionado ou mesmo para ser demitido.

Mesmo que uma mentira possa passar incólume na altura da admissão no emprego, é apenas uma questão de tempo até que seja descoberta.

honestidade na entrevista de emprego

Quais poderão ser as consequências da mentira na candidatura de emprego

  • Ser eliminado do processo de recrutamento;
  • Ser despedido, caso tenha sido já admitido;
  • Desprestígio: poderá estar a ameaçar toda uma carreira, pois o prestígio é fundamental que se mantenha num nível aceitável para que os seus parceiros de trabalho confiem em si;
  • Circulação de rumores: os rumores circulam depressa de boca em boca, e por vezes chegam depressa a muita gente no contexto de um mercado de trabalho ou de um circuito profissional.

Se mentiu no seu CV, pode não estar preparado para responder a questões sobre a informação que lá colocou durante a entrevista. Caso o recrutador detete essa mentira, além de ficar com uma ideia negativa de si, obviamente não o vai selecionar.

Se mentiu na entrevista de emprego e passou impune, pode ser colocado numa situação de trabalho para a qual não está preparado; e se os seus empregadores perceberem que o escolheram com base numa mentira, podem ter uma boa razão para o despedirem.

Nada melhor que evitar estes cenários até porque…


Consequências da mentira na candidatura de emprego – as mentiras mais comuns

Nem só de competências são feitas as mentiras na candidatura de emprego. Entre as mentiras mais frequentes destacam-se:

  • Informações sobre o salário anterior: é normal que se pense que este assunto dificilmente possa ser descoberto, mas nunca se sabe. As pessoas que mentem sobre este aspeto fazem-no para conseguir um salário mais elevado, ou para evitar um determinado patamar de salário que considere insuficiente;
  • Qualificação final de curso: talvez a mentira mais comum numa candidatura de emprego. Os recrutadores não olham só para números, e nesse sentido este aspeto pode não ser assim tão relevante para conseguir ser admitido. Caso seja um requisito essencial para ser admitido para o cargo, isso poderá ser sinal de que este fator poderá ser investigado pela entidade empregadora;
  • Número de anos de experiência profissional. Muitos anúncios pedem pessoas com experiência. Se mentir, lembre-se que depois vai ter que demonstrar que detém mesmo o grau de experiência profissional que mencionou, e isso poderá deixá-lo em maus lençóis.
  • Nível de língua estrangeira. Esta mentira talvez seja a mais fácil de ser desmascarada. A falta de conhecimento de uma determinada língua estrangeira é algo que é imediatamente identificável.

Mas há mais. Há candidatos que mentiram sobre o estado civil ou competências informáticas e ainda sobre os motivos da saída do emprego anterior.

Quer impressionar e tornar-se o candidato ideal aos olhos dos seus recrutadores?! Força, mas faça-o recorrendo aos seus atributos enquanto profissional, às suas competências, à sua atitude. E aí sim, vai ver que facilmente vai brilhar!

As consequências da mentira na candidatura de emprego pode ter efeito bola de neve!

Mentir uma vez pode ser o início da sua caminhada para um beco sem saída.

Uma mentira – vamos supor – no seu Curriculum Vitae (CV) pode ser apenas a primeira de várias. Ou seja, visualize este cenário: para tentar dar resposta a todos os requisitos enumerados na oferta de emprego, decide mentir sobre as suas competências ou experiências profissionais no seu CV. 

Mas depois chega a entrevista de emprego e o seu recrutador questiona-o sobre essas mesmas competências ou experiências. Poderá entrar consigo num ciclo vicioso que pode arruinar as suas possibilidades de ser selecionado, não só nessa entrevista em particular, mas em muitas outras.

Quanto maior a bola de neve, mais destrutiva se pode tornar. De forma resumida é isto que uma “simples” mentira na sua candidatura de emprego pode tornar-se para si enquanto profissional. A sua falta de honestidade pode manchar a sua reputação, que nos dias de hoje é motivo mais que suficiente para não arranjar emprego.

Veja também