Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Inês Pereira
Inês Pereira
10 Ago, 2017 - 10:57

6 conservantes naturais que deve conhecer

Inês Pereira

Farto de consumir alimentos com conservantes artificiais e pouco saudáveis? Está na altura de conhecer alternativas. Tome nota destes conservantes naturais.

6 conservantes naturais que deve conhecer

Numa altura em que o estilo de vida saudável conquista cada vez mais adeptos poucos são os produtos e os alimentos que não são escrutinados pela preocupação com a saúde. Claro está que isso implica também os modos de confeção e conservação daquilo que ingerimos. Por isso mesmo, muitas são as pessoas que procuram cada vez mais substituir os conservantes artificiais dos alimentos por conservantes naturais e menos prejudiciais.

É provável que já tenha dado por si no corredor do supermercado a verificar os rótulos e a constatar a existência de conservantes químicos e potencialmente perigosos para a sua saúde- Ora, não se preocupe porque temos uma boa notícia: existem mesmo alternativas e, surpreenda-se, estão mesmo à mão. Afinal, pode salvar os seus alimentos do apodrecimento de forma natural, aumentando a sua durabilidade.

Do limão ao mel, passando até pelas ervas aromáticas e pelo alho, fique a conhecer agora as opções saudáveis que tem à sua disposição no que se refere a evitar a oxidação da comida.

6 conservantes naturais para substituir os artificiais

Os conservantes são substâncias utilizadas para a conservação de produtos tão variados como comida, medicamentos ou tintas. Na indústria alimentar são utilizadas para preservar características como o sabor e a aparência do alimento, bem como o seu valor nutritivo. Aquilo que pode não saber é que estas substâncias podem ser de origem artificial ou natural – e na segunda categoria existe alguns utilizados já há séculos.

Como seria de esperar, os conservantes naturais são mais benéficos para a sua saúde do que a alternativa. É precisamente por esse motivo que deve ficar a conhecer todas as opções para que consiga fazer escolhas informadas quando estiver no supermercado ou, até mesmo, em sua casa.

Limão

placeholder-1x1

Com certeza não lhe parece estranho que o limão faça parte da lista de conservantes naturais. Afinal, já deve ter ouvido aquela dica que diz que umas gotas do sumo desta fruta impedem a oxidação e o apodrecimento de alimentos como a maçã.

Rico em pectina e ácido ascórbico, o limão tem propriedades antioxidantes e antibacterianas, o que permite prolongar o prazo de validade de alguns alimentos. Vegetais, fruta fresca e compotas veem a sua longevidade muito beneficiada pelo sumo do limão.

Mel

Doce e capaz de preservar a qualidade dos alimentos? Não deve precisar de mais motivos para ter um frasco de mel em casa. De facto, é usado como conservante natural desde a antiguidade, especialmente no Médio Oriente e em África.

As grandes quantidades de açúcar presentes neste alimento sugam a água das células dos microrganismos que podem danificar a comida, como as bactérias, e fazem com que não seja possível uma deterioração. Por outro lado, tem também propriedades antibióticas que impedem o crescimento de organismos nocivos.

Ervas aromáticas

Talvez o surpreenda mas algumas ervas aromáticas, como os orégãos, o tomilho, o alecrim e o rosmaninho, são ótimas aliadas na conservação dos seus alimentos. Acontece que são ricas em antioxidantes, pelo que previnem o aparecimento de bactérias – não é por acaso que são uma ótima opção para conservar vegetais e carne.

Alho

placeholder-1x1

Como se não bastasse o agradável sabor conferido aos cozinhados e os inúmeros benefícios para a saúde, as vantagens do alho vão mais longe. Acontece que este tempero é um ótimo aliado no que se refere a preservar os alimentos.

A verdade é que tem uma ação poderosa na destruição de bactérias como a salmonela e a E.coli. De facto, de acordo com alguns estudos, o alho consegue conservar carne à temperatura ambiente, durante 4 dias, sem que esta apresente sinais de deterioração. É também bastante eficaz em sopas e molhos.

Sal

Tão banal nos dias que correm, o sal foi, provavelmente, o primeiro conservante natural dos alimentos. Quando o frigorífico era ainda apenas um sonho distante, a necessidade de prolongar a durabilidade dos alimentos, especialmente da carne e do peixe, obrigou à utilização deste tempero como conservante.

Acontece que, através de um processo chamado osmose, o sal consegue absorver toda a água presente nos microrganismos, tornando assim impossível o seu desenvolvimento e a sua sobrevivência.

Vinagre

Se a única utilidade que dá ao vinagre é temperar a salada talvez seja boa ideia mudar esse facto. Dadas as suas propriedades desinfetantes e antissépticas, este líquido pode ser utilizado em limpezas e, claro, na conserva de alimentos – graças à elevada concentração de ácido acético, impede o aparecimento de bactérias. Não é, aliás, por acaso que os vegetais em pickles são conservados em frascos cheios de vinagre.

Veja também