Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Teresa Campos
Teresa Campos
24 Mar, 2020 - 16:58

COVID-19 e as grávidas e recém-mamãs: perguntas e respostas

Teresa Campos

Se tem dúvidas sobre a COVID-19 e as grávidas e recém-mamãs, fique a saber quais as recomendações da Organização Mundial de Saúde.

covid19 nas grávidas e recém-mamãs

Numa altura em que o mundo enfrenta uma pandemia que causa mortos a cada dia que passa, há mulheres que são portadoras de vida, seja no seu ventre, seja nos seus braços. Os anseios da relação entre a COVID-19 e as grávidas e recém-mamãs são comuns a muitas mulheres que, neste momento, vivem num misto de sentimentos e emoções.

Ter um filho é sempre motivo de alegria, mas também de alguma angústia e nervosismo. Porém, quando se vive uma ameaça global como é a do novo coronavírus, todos esses medos naturais podem ser multiplicados e gerar muitas dúvidas e inquietações acerca da relação entre a COVID-19 e as grávidas e recém-mamãs. Por isso mesmo, a Organização Mundial de Saúde (OMS) deixou alguns esclarecimentos e conselhos a quem, neste momento, carrega a esperança, em forma de bebé, consigo!

COVID-19 e as grávidas e recém-mamãs. Saiba o que diz a OMS

As grávidas correm mais riscos, se contraírem o novo coronavírus?

As pesquisas ainda estão a tentar perceber o impacto da COVID-19 nas grávidas. Os dados ainda são limitados mas, até ao momento, não parece haver evidências científicas de que as gestantes corram mais riscos do que a população em geral.

Porém, sabe-se que as mudanças no corpo da mulher e no seu sistema imunitário, caraterísticas desta fase da sua vida, podem potenciar algumas infeções respiratórias. Por isso, é importante que as grávidas tomem algumas precauções e se protejam, além de informarem o profissional de saúde que as acompanha caso sintam alguns sintomas como febre, tosse ou dificuldade em respirar.

Como é que as gestantes se podem proteger da COVID-19?

Para evitarem a contaminação pelo novo coronavírus, as grávidas devem fazer o mesmo que a generalidade das pessoas, ou seja:

  • lavar frequentemente as mãos com um gel desinfetante ou água e sabão;
  • respeitar o distanciamento e isolamento sociais, sempre que possível;
  • evitar tocar nos olhos, nariz e boca;
  • cumprir a etiqueta respiratório, isto é, tossir ou espirrar sempre para a prega interior do cotovelo ou para um lenço que deve ser imediatamente descartado.

Todas as grávidas e recém-mamãs devem continuar a ir às consultas de acompanhamento que tenham agendadas, desde que cumprindo os devidos procedimentos de higiene e segurança.

As grávidas devem fazer o teste ao COVID-19?

De acordo com a OMS, as grávidas que apresentam sintomas compatíveis com infeção pelo novo coronavírus devem ser testadas, tendo prioridade sobre outros casos suspeitos. Isto porque, em caso positivo, elas podem necessitar de mais cuidados.

Pós-parto

A mãe pode contagiar o seu feto ou recém-nascido?

Mais uma pergunta para a qual ainda não existe uma resposta conclusiva. Até ao momento, não foi detetado nenhum vestígio do vírus em amostras de líquido amniótico e no leite materno de mulheres infetadas.

Quais os cuidados devidos durante a gravidez e o parto?

Independentemente de ter ou não COVID-19, todas as grávidas merecem bons cuidados de assistência médica antes, durante e depois do nascimento do bebé. Tal, só é possível com um acompanhamento atento e contínuo. Para isso, há alguns aspetos que devem ser cumpridos, tais como:

  • Ser tratada com respeito e dignidade;
  • Ter, se assim desejar, uma companhia durante o parto;
  • Ser devidamente esclarecida e informada pela equipa que a assiste na maternidade;
  • Dispôr de mecanismos de alívio da dor;
  • Usufruir de mobilidade durante o trabalho de parto e escolher a posição a adotar no parto.

As gestantes com COVID-19 têm, obrigatoriamente, de fazer cesariana?

Segundo a OMS, não. Estar infetada com o novo coronavírus não é, por si só, um motivo válido para recorrer à cesariana.

Saiba quais são os alimentos a evitar na amamentação
Veja também Saiba quais são os alimentos a evitar na amamentação

As mães com COVID-19 podem amamentar?

Sim, as mulheres, mesmo que infetadas com o novo coronavírus, podem amamentar, se assim o desejarem. Porém, é importante adotar algumas medidas de proteção e higiene, nomeadamente:

  • preferencialmente, usar uma máscara, enquanto amamenta, e respeitar sempre as regras de etiqueta respiratória;
  • lavar bem as mãos antes e depois de tocar no bebé;
  • limpar e desinfetar frequentemente as superfícies em que tenham tocado.
Violência obstétrica no parto

As mães com COVID-19 podem tocar nos seus bebés recém-nascidos?

De acordo com a OMS, sim, podem. O contacto próximo e precoce com o bebé e a amamentação em exclusivo contribuem para a vinculação. Para isso, é importante assegurar alguns aspetos:

  • amamentar em segurança, respeitando a etiqueta respiratória;
  • fazer contacto pele com pele com o bebé e partilhar o mesmo quarto com ele;
  • lavar bem as mãos antes e depois de tocar no bebé;
  • manter todas as superfícies devidamente limpas e desinfetadas.

O que podem fazer as mães com COVID-19 que não se sintam capazes de amamentar?

Nessas situações, é importante ter apoio para oferecer ao bebé leite materno por outra via como extrair leite; estimular a produção de leite; ou recorrer a uma dadora ou banco de leite materno.

Fonte: Organização Mundial de Saúde

Veja também