Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Luís Seco
Luís Seco
09 Dez, 2017 - 08:22

Dobrando as esquinas de Dubrovnik

Luís Seco

Dubrovnik é um destino perfeito para aqueles que adoram praia, mas é também uma cidade museu única. Descubra mais sobre as principais atrações de Dubrovnik.

Dobrando as esquinas de Dubrovnik

Numa estreita faixa costeira na região da Dalmácia com não mais do que cinco quilómetros, no sudeste da Croácia, apertada pela Bósnia e Herzegovina e bem perto de Montenegro, existe uma cidade de que, provavelmente, já ouviu falar.

Pela sua resiliência em sobreviver às duas Guerras Mundiais e, mais recentemente, por ter resistido a um cerco de sete meses no ano de 1991. Quem tem cerca de 40 anos lembrar-se-á de ver este último na televisão e, imagino, pensar que o desmembramento da Jugoslávia levaria à destruição da cidade por parte do Exército Popular da Jugoslávia, composto maioritariamente por sérvios.

Mas o povo de Dubrovnik resistiu. E a própria cidade também, apesar de mais de 50% ter sofrido danos. Com o fim da guerra, a Cidade Antiga foi reparada, entre 1995 e 1999, segundo os padrões da UNESCO, de forma a manter o estilo original que levou esta instituição a considerá-la Património Mundial em 1979.

Dubrovnik, a Pérola do Adriático

Chamam-lhe a Pérola do Adriático e tem sido uma importante potência marítima desde o século XIII na região. Por isso, não admira que, ao longo dos tempos, as suas igrejas, mosteiros, palácios e fontes tivessem sido construídos em diversos estilos arquitectónicos: Gótico, Renascentista, Barroco.

Toda a zona circundante é conhecida pela sua paisagem de montanhas rochosas e inúmeras ilhas. E também pela flora mediterrânea que aí cresce devido ao clima temperado.

Na costa, hoje em dia, encontramos aquilo a que se chama a Riviera de Dubrovnik, perfeita para aqueles que adoram praia ou desejam “saltitar” de ilha para ilha. Com este objetivo em mente, a melhor altura para visitar a cidade é, sem dúvida, o verão. A primavera e o outono são ótimos para evitar as multidões de turistas que querem passar pelos portões das muralhas. Talvez sejam estas as melhores estações para conhecer a fundo uma cidade museu única.

Em diferentes alturas do ano, aprecie a cultura não perdendo os festivais de música, as peças de teatro e as mais variadas exposições de arte.

Principais atrações de Dubrovnik

Encontrar as principais atrações da Cidade Antiga não é difícil. Na verdade, a mais visível é a grande muralha que a protege desde o século X, tendo sido reforçada nos séculos XIII e XIV. Chega a ter seis metros de altura e seis de espessura, com um perímetro de quase dois quilómetros.

placeholder-1x1

Um passeio sem rumo em seu redor, no topo, é uma forma excelente de passar um bom bocado, independentemente da hora do dia. A vista sobre o Adriático ou os edifícios do interior da cidade é fabulosa. Completando as defesas, destacam-se duas torres (Minceta e Bokar) e dois fortes (Lovrijenac e Revelin).

O Forte Lovrijenac é, sem dúvida alguma, o mais conhecido monumento devido à sua utilização como cenário na série de televisão Guerra dos Tronos, representando aí a cidade de King’s Landing. Esta e a de Qarth são igualmente filmadas noutras partes de Dubrovnik, que também assumiu um papel na rodagem do filme Star Wars: Os Últimos Jedi.

O forte em si é uma obra incrível e inexpugnável na defesa contra os Venezianos desde o século XI. A sua localização, 37 metros sobre o mar, faz dele o lugar perfeito para o famoso festival de verão e os seus muitos espectáculos de teatro e música.

O principal acesso às muralhas da Cidade Antiga é o Portão Pile, protegido a rigor com o seu próprio fosso e ponte levadiça. Outro portão digno de nota é o Ploce, por trás da Torre Asimov.

A via principal do centro histórico é a espetacular Stradum, ponto de encontro para locais e turistas, que se deixam ficar pelos cafés e restaurantes. O bonito pavimento de calcário foi lá colocado em 1468, mas os edifícios são já do século XVII, quando foram reconstruídos após o terramoto de 1667, e apresentam a característica única de terem as suas portas e janelas principais sob o mesmo arco.

Outro ponto de encontro é a Praça Loggia, onde estão alguns dos mais famosos edifícios e monumentos, tais como a Coluna de Orlando e os sinos de 1480, usados para alertar os cidadãos. Encontramos ainda neste lugar a Igreja de São Brás, uma torre com um relógio que data do século XV, o principal posto da guarda e a pequena Fonte de Onófrio.

A catedral da cidade, de estilo barroco, possui três naves e uma decoração interior que destaca pinturas de artistas da Itália e da Dalmácia. O impressionante tesouro incluiu um suposto pedaço da cruz onde Jesus terá sido crucificado. Existem ainda outras relíquias relacionadas com São Brás e perto de 140 relicários em ouro e prata.

placeholder-1x1

Outra área bastante frequentada é a Grande Fonte de Onófrio, construída entre 1438 e 1444 para armazenar a água trazida do Rio Dubrovacka.

Em frente dela está a Igreja de São Salvador, do início do século XVI, com características góticas e renascentistas. Já o Mosteiro Dominicano de Dubrovnik (início do século XIV), era tão grande que houve necessidade de mudar parte das muralhas do lugar original para o construir… Agora, no interior, podemos ver muitas pinturas religiosas da Escola Veneziana e peças em ouro e prata.

Também existe um outro mosteiro na cidade, Franciscano, que tem uma das mais valiosas bibliotecas da Croácia e uma fascinante farmácia medieval com boiões decorados, aparelhos de medição e almofarizes.

Destaque ainda para dois palácios: o dos Reitores (outrora o centro do governo da república) e o belo Sponza, de arquitetura renascentista e um bom representante da maioria dos palácios que existiam na cidade antes do terremoto.

Desde o Forte de Santo Ivan protegia-se o porto, fechado durante a noite com uma corrente. Atualmente tem três museus: o Aquário, o Museu Etnográfico e o Museu Marítimo.

Com tantas atrações para conhecer como as que pode ler acima, e muitas mais não referidas, vai ter bastante com que se entreter… Quando não estiver a desfrutar da praia ou da comida preparada com ingredientes que saem das águas acompanhados pelos vinhos croatas.

Para relaxar preguiçosamente à beira-mar, os locais vão até às ilhas de Lokrum e Lopud ou à península Lapad. Os turistas preferem a Banje ou a Buza.

Dubrovnik é um lugar com uma boa energia que passa para nós em todos os momentos que dobramos as suas esquinas. Convida-nos a conhecer pessoas ou a deambular sozinhos por entre as suas paredes.

Mesmo que nos apeteça sair por um dia, fazer uma pequena road trip pelos arredores leva-nos por estradas sinuosas com vistas infindáveis, pequenas vilas e aldeias, praias escondidas, olivais e vinhas. Será esta a sua próxima viagem?

Veja também: