Cátia Aguilar
Cátia Aguilar
28 Mai, 2018 - 12:19
Evite estes 13 erros no supermercado e poupe dinheiro

Evite estes 13 erros no supermercado e poupe dinheiro

Cátia Aguilar

É fácil cometer erros no supermercado, o que leva a custos superiores ao que seria suposto. Tenha consciência desses erros para os contornar e gastar menos.

O artigo continua após o anúncio

Ninguém consegue escapar às idas ao supermercado. É onde se encontram quase todas as coisas de que precisamos para rechear as nossas casas, desde alimentação a produtos de higiene. Mas também é lá que se encontram algumas “armadilhas” que nos podem fazer gastar mais dinheiro do que realmente deveríamos, de acordo com as nossas necessidades. Outros erros no supermercado ocorrem por nossa culpa, porque não nos preparamos, o que nos transforma em vítimas da nossa própria desorganização.

Para que esse cenário mude, nada melhor do que ter consciência de 13 erros comuns que nos fazem gastar mais nas idas ao supermercado.

Fuja destes 13 erros no supermercado

erros-no-supermercado

O objetivo da generalidade dos consumidores é gastar o mínimo de dinheiro possível quando vão às compras. O dos supermercados é precisamente o inverso: querem fazê-lo gastar tudo e mais alguma coisa. Afinal, é esta a sua atividade e só irão lucrar se os clientes comprarem os produtos que lá existem.

1. Lista de compras

Um dos principais erros no supermercado é lá estar sem uma lista de compras, o que pode ser fatal. O facto de termos listadas todas as nossas necessidades ajuda a que nos foquemos e faz com que seja mais difícil cairmos na tentação de trazer coisas de que não precisamos, caso contrário estariam na lista!

2. Tempo

Na sequência da lista de compras vem o tempo que passamos em loja. Se não tivermos uma lista, vamos olhar mais para todos os lados na tentativa de vermos algo que nos desperte a atenção. Se tivermos uma lista, acabamos por ir diretamente aos sítios que nos interessam.

Para além da importância da lista em si, tê-la ou não também dita o tempo que vamos perder no supermercado. E quanto mais tempo lá ficamos, mais dinheiro gastamos. Por isso, tente comprar apenas aquilo de que precisa e ir embora o mais depressa possível.

3. Corredores

A escolha dos corredores onde vai circular dentro do supermercado é fundamental. Se, com ou sem lista, passar em frente a um corredor com o tipo de produtos que sabe que não precisa, não vá para lá. Seja fiel à máxima “se não está na lista é porque não precisa”. E, para ser mais fácil evitar as tentações, não vá para territórios perigosos.

4. Cesto vs carrinho

A menos que vá fazer compras grandes para o mês ou de algo volumoso, não use o carrinho. Prefira o cesto de mão.

O artigo continua após o anúncio

Usar um carrinho dá-nos a sensação de que não temos assim tanta coisa, fazendo com que a tentação de meter mais coisas lá para dentro seja maior. E como nas últimas décadas o tamanho dos carrinhos aumentou em cerca de 40%, podemos afirmar que o perigo se tem tornado cada vez maior.

O cesto permite-nos controlar melhor o que estamos a levar. E quanto mais leve e pouco cheio estiver, melhor.

5. Descontos

Outro dos erros no supermercado é perder tempo com descontos. Muitos dão-nos a sensação de estar a poupar, mas nem sempre é verdade. Faça sempre as contas para perceber qual é, realmente, a poupança que vai fazer.

Também é importante ter atenção a descontos que o obriguem a comprar grandes quantidades de um produto que não usa assim tanto, ou outras em que, para ter o que pretende, o obrigam a comprar mais alguma coisa que não seja do seu interesse. Isso não é poupar.

6. Unidade ou packs

Geralmente, comprar packs maiores de alguns produtos, como o papel higiénico, fica mais barato do que comprar embalagens individuais ou com menos unidades. Mas nem sempre isso é verdade.

Se se tratar de algo que não vai precisar mais, não há dúvida: compre apenas a quantidade de que necessita. Mas se estivermos a falar de alguma coisa que use frequentemente, faça as contas para saber quanto paga por unidade em cada uma das opções, para fazer a escolha mais acertada.

7. Produtos congelados

Compre-os! Claro que isto dependerá de quando e de que forma os pretende usar, mas fique a saber que as frutas são congeladas quando estão no seu pico de maturação, mantendo o sabor e os nutrientes intactos.

Longe vão os tempos em que os produtos congelados eram, muitas vezes, inferiores. Para além de tudo, estes produtos são mais práticos de conservar.

O artigo continua após o anúncio

8. Frequência das compras

É simples perceber este ponto. Quantas mais vezes for ao supermercado mais vai gastar porque, para além daquilo de que, efetivamente, precisa, vai estar exposto às tentações com mais frequência. Por isso, tente fazer compras que durem mais tempo, para não ir tantas vezes ao supermercado.

9. Promoções

Quando vir um produto com uma promoção extraordinária, mesmo que o preço pareça bom, não deixe de o comparar com os equivalentes de outras marcas. Por vezes, um produto sem promoção pode ser mais barato do que um equivalente com desconto.

10. Conferir a conta

Depois de pagar, confira sempre se as suas compras batem certo com o que está no recibo. Pode haver algum engano, como ter um produto registado duas vezes ou não ter sido aplicado um desconto de algum produto que o deveria ter.

Pode perder um pouco de tempo, mas mais vale isso do que perder dinheiro.

11. Marcas brancas

O facto de um produto não ser de marca não implica que não seja bom. Muito pelo contrário. Há até marcas conhecidas que produzem produtos para marcas brancas, mudando apenas a embalagem. Tenha presente que nem sempre uma marca implica que a qualidade de um produto seja melhor e experimente as alternativas mais baratas, como as marcas do próprio supermercado.

O mesmo vale para os genéricos dos medicamentos.

12. Legumes preparados

As saladas de pacote e outros vegetais que já vêm lavados, cortados e prontos a usar nem sempre representam a compra mais inteligente. Muitas vezes estas embalagens têm um tamanho muito grande. E quando os pacotes são abertos os alimentos deterioram-se mais depressa do que os produtos frescos. Estes, por sua vez, podem ser comprados apenas na porção desejada, evitando o desperdício.

A exceção está, mais uma vez, nos produtos congelados, apesar de, no caso dos vegetais, não ser assim tão linear. Alguns quase não têm sabor. É uma questão de ir experimentando marcas diferentes até perceber quais valem a pena.

O artigo continua após o anúncio

13. Posicionamento do produto

As prateleiras podem ser enganadoras. Já ouviu dizer que os produtos ao nível dos olhos são os mais comprados? O posicionamento dos produtos num supermercado é muito importante e nada é colocado ao acaso. Tanto que há marcas que pagam para que os seus produtos sejam expostos em determinado sítio nas prateleiras.

Também a quantidade influencia a escolha do consumidor, por isso esteja atento e procure alternativas. Olhe para as zonas superiores e inferiores das prateleiras, que muitas vezes é onde vai encontrar o produto ideal.

Veja também: