ekonomista
ekonomista
11 Set, 2019 - 11:31
Feira do Livro do Porto no Palácio de Cristal até dia 22

Feira do Livro do Porto no Palácio de Cristal até dia 22

ekonomista

A Feira do Livro do Porto 2019 está aí e conta com um vasto programa lúdico e cultural. No Palácio de Cristal até ao próximo dia 22.

O artigo continua após o anúncio

A Feira do Livro do Porto está a decorrer no Palácio de Cristal, reunindo até ao próximo dia 22 de setembro cerca de 90 expositores, em 130 pavilhões, e um vasto programa cultural e lúdico.

Este ano, o evento homenageia o pensador e ensaísta Eduardo Lourenço, mas de uma forma que irá além da cerimónia na Avenida das Tílias. A par de sessões focadas na personalidade, este autêntico festival literário propõe 17 dias de de reflexão sobre os mais variados temas que preocupam o Mundo, tomando precisamente como exemplo o espírito interpelador do homenageado.

Feira do Livro do Porto homenageia Eduardo Lourenço

feira do livro do porto 2019

A homenagem a Eduardo Lourenço e debates, sessões de spoken word e lições comissariados pelo escritor e argumentista Nuno Artur Silva integram o vasto leque de propostas que a Feira do Livro do Porto 2019 tem para oferecer. O grande festival literário promove também um ciclo de cinema, uma exposição, várias sessões especiais e ainda numerosas oficinas, ações de programa educativo e de animação, compondo um vasto e diversificado programa de acesso gratuito e concebido para diferentes públicos.

Um dos pontos altos aconteceu já no sábado dia 7, pelas 17 horas, com a atribuição da tília de homenagem a Eduardo Lourenço, que juntou o filósofo às cinco personalidades anteriormente celebradas: Vasco Graça Moura (2014), Agustina Bessa-Luís (2015), Mário Cláudio (2016), Sophia de Mello Breyner Andresen (2017) e José Mário Branco (2018).

A homenagem prosseguiu no Auditório da Biblioteca Municipal Almeida Garrett (também nos Jardins do Palácio), com a sessão de abertura que contou com Lídia Jorge e Artur Santos Silva para uma conversa com o jornalista Carlos Magno para refletir sobre o percurso de Eduardo Lourenço, tendo particularmente em conta que grande parte do seu trabalho se debruçou sobre a identidade e imagem do povo português, quer para si próprio quer para a Europa e para o Mundo.

A voz que ensaia

E, se muitos dos restantes eventos têm o pensamento ou o espírito indagador/questionador de Eduardo Lourenço como farol, um outro está diretamente ligado ao filósofo e que será o de encerramento da Feira do Livro deste ano. No domingo dia 22, Maria Filomena Molder, com moderação da jornalista Anabela Mota Ribeiro, dá uma lição sobre “Eduardo Lourenço. Variações sobre a voz que ensaia”, (expressão do próprio Eduardo Lourenço quando escreveu sobre os “Ensaios” de Montaigne).

Antes porém, “O Labirinto da Saudade” dá nome a uma conversa/espetáculo que reúne o músico David Santos (Noiserv), o realizador Miguel Gonçalves Mendes, Pilar del Rio, Siza Vieira e Nuno Artur Silva. É ainda um título de Eduardo Lourenço (“Delírio manso”) que uma sessão especial das Quintas de Leitura toma como tema.

Oficinas para diferentes idades

A programação da Feira do Livro do Porto inclui uma dezena de oficinas para diferentes idades, cujas inscrições já estão abertas e algumas começaram mesmo já a esgotar.

O artigo continua após o anúncio

Um dos casos que rapidamente ficou sem vagas foi “O prazer de ler em voz alta textos de Sophia e Jorge de Sena”, mas outros têm ainda possibilidade de aceitar inscrições, como acontece com a oficina “Caderno Diário”, dedicada à exploração dos diários gráficos, em que Joana Estrela e Alfaiate do Livro propõem aos participantes a exploração dos diversos registos que este meio proporciona. Munidos com os cadernos feitos no primeiro dia, serão convidados a realizar exercícios para praticar o desenho e a escrita, encontrar inspiração e explorar o espaço dos Jardins do Palácio de Cristal.

feira do livro do porto 2019

Mas há ainda muitos mais nomes a reter e ouvir na Feira do Livro do Porto. É o caso dos que se juntarão no debate sobre “Escritores contemporâneos em tempos conturbado”: o angolano José Eduardo Agualusa, o português Rui Zink, a moçambicana Isabela Figueiredo e a venezuelana Karina Sainz Borgo.

Além de uma homenagem a Mário Cláudio pelos 50 anos de vida literária, com Martinho Soares e Ana Paula Arnaut, o pensador Boaventura Sousa Santos vai confrontar globalização com desglobalização, enquanto o painel formado por Nuno Ferrand de Almeida, Luísa Schmidt e Henrique Miguel Pereira vai questionar a “esperança de habitar a Terra”, sob a moderação de Arminda Deusdado.

Hélia Correia fará uma “provocação amantíssima” sobre Agustina Bessa-Luís; dois poetas do Porto (João Luís Barreto Guimarães e Jorge Sousa Braga) vão protagonizar “Poesia à Capela”; e Roberto Francavilla vem dar a perspetiva de um especialista sobre Portugal, mas visto de fora.

No tocante ao ciclo de cinema, “Nada a esconder” (“Caché”), que garantiu a Michael Haneke o prémio de melhor realizador em Cannes (2005), é apresentado por Pedro Mexia numa das cinco sessões que tomarão a Europa como tema central de reflexão.

Veja também:

Partilhar Tweet Pin E-mail WhatsApp