ebook
Ebook Finanças (s)em Crise
Um guia para tempos complicados
Viviane Soares
Viviane Soares
29 Jul, 2018 - 00:00

Honda Type R: descubra o que o faz ser o carro do ano

Viviane Soares

Há mais de duas décadas que o emblema Type R da Honda é sinónimo de elevada performance. Deriva de uma filosofia de criação de automóveis de estrada inspirados em corridas. Saiba mais sobre este modelo.

Honda Type R: descubra o que o faz ser o carro do ano

O Honda Civic Type R foi galardoado, no final de 2017, com três prémios anuais da publicação BBC TopGear. O modelo recebeu as distinções de “Carro do Ano”, de “Hot Hatch do Ano” e de “Carro do Ano para os Editores Internacionais”. A publicação elegeu os vencedores com base nos votos de 22 editores internacionais que escolheram os melhores automóveis de 2017.

A distinção surgiu numa altura em que se assinalavam os 25 anos do modelo, ou seja, desde a apresentação do primeiríssimo veículo Honda Type R. Há mais de duas décadas que o emblema Type R tem demonstrado a versão de performance mais elevada do modelo, que deriva de uma filosofia de criação de automóveis de estrada inspirados em corridas.

Os modelos Honda Type R sempre representaram a pureza do conceito original – minimizando o peso enquanto maximizam a potência, capacidade de resposta, estabilidade dinâmica e performance de travagem.

Civic Type R renovado

Honda

Fonte: Honda

Recém-projetado de raiz para oferecer a experiência de condução mais recompensadora no moderno segmento hatchback, o Civic Type R de quinta geração representa o primeiro Type R verdadeiramente “global”. Ao contrário de versões anteriores em que variantes específicas estavam limitadas aos mercados japoneses ou europeus, o Novo Type R será exportado para o mundo inteiro.

História do Type R

Honda

1992

O Type R surgiu pela primeira vez em 1992, com a estreia do NSX Type R de primeira geração. O objetivo da Honda era desenvolver um automóvel que proporcionasse um impressionante prazer de condução com a velocidade de um automóvel de corrida, equipado com um motor V6 de 3.0 litros e 280 cv.

Um extenso programa de redução de peso extraiu cerca de 120 kg ao NSX padrão, incluindo novos bancos Recaro de materiais compósitos leves em vez dos bancos de couro eletricamente ajustáveis.

Foi a primeira vez que o emblema vermelho da Honda, o estofamento vermelho e a cor branca de competição do chassis foram introduzidos num automóvel de produção da Honda. A combinação de cores foi um tributo à herança da Honda da Fórmula 1, refletindo as cores das corridas que apareciam nos monolugares RA271 e RA272.

O primeiro foi o automóvel japonês a correr pela primeira vez na Fórmula 1, enquanto o segundo foi o automóvel que ganhou o Grand Prix pela primeira vez do país, tendo chegado à bandeira axadrezada no México, em 1965. Ambos os automóveis foram pintados a branco, com uma “marca de sol” vermelho – inspirada na bandeira oficial do Japão – e estabeleceram a tendência icónica para as variantes futuras do Type R.

1995

Em 1995, a Honda apresentou a primeira geração do Integra Type R, oficialmente disponível apenas para o mercado japonês. O seu motor VTEC de quatro cilindros, 1.8 litros e 200 cv atingiu o limite de 8000 rpm e introduziu um público muito mais vasto na experiência com o Type R.

A versão atualizada era mais leve do que o Integra padrão. Em simultâneo, mantinha a sua rigidez e apresentava uma caixa manual de cinco velocidades com um rácio pequeno, assim como uma suspensão e travões atualizados.

O Honda Civic Type R de 1997 que se lhe seguiu, produzido apenas no Japão, estava equipado com o famoso motor B16 de 1.6 litros – o primeiro motor num automóvel de produção em série a apresentar uma potência específica que excedia 100 cv por litro. O Type R apresentava um chassis mais resistente, uma suspensão dianteira e traseira de duplo braço triangular, travões atualizados e um diferencial de derrapagem limitada (LSD) helicoidal.

1998

Um Type R, pela primeira vez, na forma do Integra Type R de 1998 foi apresentado oficialmente aos compradores europeus. Equipado com um motor VTEC de quatro cilindros e 1.8 litros, este coupé icónico fornecia 190 cv com o respetivo limite de 8000 rpm. O foco de redução de peso chegava a incluir um para-brisas mais fino para as versões europeias.

O primeiro Type R de cinco portas foi lançado em 1999. O Accord Type R estava equipado com um chassis e suspensão mais resistentes, travões mais fortes e um diferencial de derrapagem limitada. Foi igualmente apresentado com um sistema de escape duplo e um spoiler traseiro opcional.

2001

O ano de 2001 assistiu à estreia da segunda geração do Integra Type R para o mercado japonês e ao lançamento da segunda geração do Civic Type R. Este representava a primeira vez que um modelo Type R tinha sido construído na Honda of the UK Manufacturing (HUM), em Swindon. A versão do mercado doméstico japonês, caracterizada por um número de melhoramentos do modelo do Reino Unido, era também construída na HUM.

Em 2002, a segunda geração do NSX Type R foi apresentada no Japão, representando a continuação da evolução da filosofia inspirada em corridas. A fibra de carbono era amplamente utilizada para ajudar a reduzir o peso, inclusive no grande spoiler traseiro e no capot ventilado. O automóvel continua a ser o modelo mais raro do Type R da Honda.

2007

terceira geração do Civic Type R foi lançada em março de 2007 e foi apresentada em dois formatos. Foi apresentado aos compradores japoneses um sedan de quatro portas com um motor VTEC de quatro cilindros, 2.0 litros e 225 cv e uma suspensão traseira independente, enquanto o Type R do mercado europeu se baseava no hatchback de cinco portas, com uma unidade VTEC de 2.0 litros, com 201 cv com 7800 rpm.

2015

quarta geração do Civic Type R foi lançada em 2015 com um conjunto de novidades técnicas. O seu ponto central era o primeiro motor VTEC Turbo – o motor mais extremo e com maior performance do Type R alguma vez construído – com 310 cv, 6500 rpm e um binário de 400 Nm a partir de 2500 rpm.

A manobrabilidade de performance otimizada foi o resultado de um sistema de amortecimento adaptativo de quatro rodas e de uma montagem única de suspensão dianteira reforçada de duplo eixo. Foi também apresentado um modo +R renovado, dando a opção aos condutores de se envolverem numa experiência de condução mais intensa – através do aumento da resposta do motor e da sensibilidade de direção, assim como através de configurações de amortecedores revistos – bastando tocar num botão. Durante este desenvolvimento, a quarta geração do Civic Type R definiu uma nova referência em termos de um automóvel de produção de tração dianteira, em Nürburgring Nordschleife.

Conheça melhor o Type R>>

Veja também: