Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Margarida Ferreira
Margarida Ferreira
07 Set, 2014 - 08:00

Marcas brancas estão a perder quota de mercado

Margarida Ferreira

As promoções em que as marcas de fornecedor têm apostado conseguiram convencer os portugueses, que consomem cada vez menos marcas brancas. Uma tendência curiosa que tem a sua razão de ser.

Marcas brancas estão a perder quota de mercado

Antigamente as marcas brancas eram uma forte alternativa a quem queria poupar algum dinheiro e fugir aos preços altos das marcas de fornecedor. No entanto, segundo dados do Barómetro da Associação Portuguesa das Empresas de Distribuição divulgados ontem, é notório que os portugueses estão a alterar os seus hábitos de consumo nas compras de supermecercado. 
Segundo os dados, o que acontece é que com a crise também os fabricantes baixaram os preços, apresentando actualmente várias promoções e soluções alternativas. Perante este cenário, os portugueses vão preferindo comprar produtos de marca ao invés de comprarem produtos chamados de marca branca.

Pode ler-se em notícia que “as marcas da distribuição também intituladas de marca branca, estão a perder quota de mercado desde 2012, e nos primeiros seis meses de 2014 recuaram dois pontos percentuais em comparação com o mesmo período de 2013. No carrinho de compra dos portugueses, 36,2% dos produtos ostentam a marca do híper ou supermercado, mas há um ano o peso era de 38,2%”.

Paralelamente a esta quebra, as empresas de grande consumo como por exemplo a Unilever ou a Nestlé, têm conseguido ganhar quota de mercado. Desde 2013 que o crescimento registado ronda os dois pontos percentuais. Esta tendência fez com que os grandes fabricantes apostassem mais nas promoções, de forma a conseguirem convencer os consumidores de uma compra económica.

Veja também: