Luana Freire
Luana Freire
04 Set, 2019 - 10:29
Móveis perigosos para crianças: um alerta para pais

Móveis perigosos para crianças: um alerta para pais

Luana Freire

Há casos em todo o mundo de móveis perigosos para crianças. A montagem incorreta pode ser uma das causas. Saiba mais sobre um tema que é urgente conhecer.

O artigo continua após o anúncio

Há móveis que podem ser perigosos para as casas com crianças e, inclusivamente, há casos fatais pelo mundo. Com alguma frequência, produtos são retirados de diversas lojas, muitos deles direcionados aos mais novos, por questões relacionadas à segurança. Mas, então, porque continuam a acontecer acidentes mortais e as autoridades não podem fazer nada quanto ao assunto?

Entenda a polémica que envolve os móveis perigosos para crianças

móveis perigosos para crianças

A 14 de maio de 2017, Meghan DeLong , a norte americana que iniciaria uma batalha judicial contra a gigante IKEA, encontrou Connor, o seu filho de 2 anos, caído debaixo de uma cómoda do modelo Hemnes. Connor não respondeu ao chamado da mãe. Não sobreviveu ao acidente. De acordo com o site FastCompany, documentos do tribunal concluíram que o bebé perdeu a vida ao ser esmagado pelo móvel.

Cerca de 1 ano antes, em 2016, a IKEA havia retirado das lojas dos Estados Unidos 29 milhões de armários Malm depois que 6 crianças morreram da mesma forma que Connor (depois da recolha, outras 2 crianças viriam a morrer em tragédias idênticas, totalizando 8 acidentes fatais com o móvel da gama Malm). No entanto, o modelo que matou o bebé DeLong, a cómoda Hemnes, continuou à venda.

A maior recolha de móveis da história

recall de móveis feito pela IKEA nos EUA, em 2016, foi o maior da história. Ao longo da última década, a marca já retirou do mercado milhões de produtos, muitos deles infantis – incluindo, na lista, colchões de berços, cadeiras altas, camas, luminárias, baloiços, capa de fantasia e uma tenda infantil. Algumas das retiradas aconteceram de forma preventiva, não tendo sido relatado nenhum acidente doméstico, enquanto outras são protagonistas de acusações graves, como membros partidos, estrangulamento e, até, óbito.

Com uma regulamentação frágil sobre o assunto, um pouco por todo o mundo continuam a ser vendidos móveis perigosos para as crianças e o problema, tido como de saúde pública, “é de toda a indústria”, tal como, o CEO da IKEA afirmou na altura dos acidentes, salientando que as medidas de fixação à parede não são suficientes para evitar tragédias e que qualquer cómoda, de diferentes fabricantes, pode ser perigosa para os mais novos. A solução, de acordo com o responsável, passaria por redesenhar os modelos “fatais”, tornando-os adequados e seguros. Diante de tamanha polémica, o assunto começou a ganhar a atenção dos consumidores norte americanos, e não só.

A solução da IKEA para ajudar a garantir a segurança das crianças

Enquanto não existe uma lei mais rígida sobre a segurança dos móveis que podemos comprar, grandes empresas como a IKEA apostam nas campanhas de alerta aos consumidores e enviam, juntamente com alguns móveis, os seus kits de fixação à parede (que já eram vendidos há décadas).

A solução encontrada pela gigante sueca, pelo menos para a Europa, ainda é investir em campanhas de sensibilização dos clientes para as normas de segurança a respeitar. Uma delas, por exemplo, alerta os clientes para a importância de fixar as gavetas dos móveis. Além desta orientação da marca, é chamada ainda a atenção dos consumidores para a segurança de móveis que atinjam uma determinada altura (como é o caso das cómodas Malm), que devem ser fixados à parede com os kits enviados na compra. Os clientes também podem solicitar gratuitamente um kit de fixação em qualquer uma das lojas IKEA, mesmo para produtos já comprados há alguns anos.

A montagem adequada dos móveis, seguindo à risca os manuais de instruções dos produtos, e a utilização dos acessórios adequados que acompanham os móveis ajudam a garantir a segurança. Todas as dicas e instruções de montagem seguras estão disponíveis no site da rede de lojas, além de impressas nos manuais que seguem nas caixas dos produtos.

O artigo continua após o anúncio

Em Portugal, não existe nenhum caso reportado de acidentes com móveis IKEA, mas ainda assim, a marca tem o cuidado de alertar os consumidores para os aspectos relacionados com a segurança.

Os móveis IKEA não são os únicos perigosos para crianças

Ainda que o caso dos móveis IKEA perigosos para crianças tenha feito manchetes por todo o mundo, estes não são os únicos produtos que devem ter a atenção especial de pais e cuidadores. Empresas como a Target, o Wal-Mart e a Amazon também já foram alvo das mesmas acusações e processos nos últimos anos.

Em dezembro de 2018, um relatório da Consumer Product Safety Commission, a agência que regula as recolhas de artigos de consumo nos EUA, estimou que 14.000 crianças ficaram feridas em acidentes com móveis e televisões, por exemplo. O número alarmante referiu acidentes ocorridos apenas entre os anos de 2015 e 2017.

Como denunciar um produto de consumo perigoso

Em todo o mundo, as marcas estão sob a vigilância de entidades que regulam as queixas e a venda de produtos de consumo, como carros, bens alimentares, produtos de saúde, eletrónicos e todo o resto, incluindo a mobília que leva para casa. É o caso, em Portugal, da ASAE (Autoridade de Segurança Alimentar e Económica). Quando uma denúncia grave recai sobre um determinado bem de consumo, as autoridades competentes e as marcas em causa atuam para o esclarecimento do problema.

O cliente pode ainda comunicar o problema diretamente ao vendedor, sendo este obrigado a repassar a informação à entidade reguladora. Muitas das marcas que veem os seus produtos envolvidos em acidentes fazem uma recolha de forma voluntária, emitindo um comunicado aos consumidores, como é o caso da IKEA, durante o famoso recall de 2016, que incluiu até uma campanha publicitária sobre o assunto.

20 medidas de prevenção de acidentes domésticos com bebés e crianças

criança armário

Passos simples que deveriam ser obrigatórios.

Os móveis perigosos para crianças e tantos outros de outras marcas fazem com que os números apontem para uma maior incidência de mortes de crianças e adolescentes que tem como origem algum acidente doméstico. Por ser um tema de saúde pública, é importante relembrar algumas medidas de prevenção e segurança que podem salvar a vida dos mais pequenos.

  1. Não deixe bebés sozinhos em cima de móveis, como cómodas e mudadores da fralda, bancadas ou camas;
  2. No caso dos móveis, tenha atenção e proíba que as crianças tentem “escalar”;
  3. Use uma cama de grades para os bebés. As grades devem ter uma altura mínima de 60 cm de altura, com distância entre as barras de 6 cm ou mais. Deve ainda verificar se o colchão é adequado ao tamanho da cama e evitar que mantas e brinquedos estejam na cama;
  4. Nunca deixe uma criança sozinha na banheira, pois um afogamento pode acontecer em questão de segundos. Use tapetes de banho antiderrapantes;
  5. Os brinquedos para bebés, além de adequados à idade, devem ser grandes o suficiente para não serem engolidos ou aspirados, e resistentes para não se partirem. O diâmetro ideal deve ser superior a 32 mm;
  6. Nunca deixe que a criança tem acesso a brincar com almofadas, fios de telefone e sacos de plástico;
  7. Mantenha rebuçados e pastilha elástica fora da vista das crianças;
  8. Tenha atenção às fitas que prendem a chupeta. Retire-as para as sestas e à noite;
  9. Proteja bem os cantos das mesas;
  10. Verifique sempre a temperatura da água e do leite (deve agitar o biberon);
  11. Não tenha armas em casa;
  12. Não permita que a criança tenha acesso a bebidas alcóolicas;
  13. Medicamentos não devem ser tomados em frente a crianças, que tendem a copiar o comportamento. Guarde-os em local seguro e inacessível aos mais novos;
  14. Facas, tesouras e quaisquer objetos cortantes devem estar fora do alcance;
  15. Nunca guarde produtos tóxicos em garrafas pet de refrigerantes e em locais de fácil acesso, como os detergentes da limpeza e inseticidas;
  16. Nunca deixe uma criança sozinha na cozinha e mantenha-a longe do forno e do fogão. Ao cozinhar, deixe as pegas das panelas e tachos, e os cabos das frigideiras voltados para o interior;
  17. Instale grades ou redes de proteção em janelas e varandas;
  18. Instale protetores de tomadas;
  19. Feche sempre a tábua de engomar e nunca deixe o ferro de passar ligado sem supervisão;
  20. Certifique-se que outros cuidadores das crianças cumprem as regras.

Não tenha receio de proibir que o bebé ou a criança façam determinada coisa, devendo ensiná-los e alertá-los para os riscos. Evitar os comportamentos perigosos e a noção de perigo não nasce connosco, por isso é fundamental ter paciência para educar e, sobretudo, dar o exemplo. Já se sabe: os mais pequenos crescem a imitar os adultos.

O artigo continua após o anúncio

Números de telefone que deve ter à mão

Centro de Informação Antivenenos (o centro de Intoxicações): 808 250 143
Saúde 24: 808 24 24 24
SOS Criança: 800 202 651 / 217 931 617
APSI (Associação para promoção da segurança infantil): 21 884 41 00

A IKEA associou-se ao E-Konomista no alerta para os perigos da montagem incorreta de peças de mobiliário. É indispensável a leitura do manual de instruções e a utilização dos kits de fixação que acompanham todos os produtos IKEA e podem ser solicitados gratuitamente.

Veja também
Partilhar Tweet Pin E-mail WhatsApp