Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Catarina Gonçalves
Catarina Gonçalves
01 Out, 2019 - 16:05

Já conhece a €STR? Saiba mais sobre a nova taxa de juro

Catarina Gonçalves

€STR é um acrónimo que lhe pode soar desconhecido, mas a partir de amanhã fará parte das taxas de referência da zona euro. Quer saber mais? Leia o artigo.

estr

A €STR (Euro Short-Term Rate) é a nova taxa de juro para a zona Euro desenvolvida internamente pelo Banco Central Europeu e que entra em vigor já a partir de 2 de Outubro de 2019.

A nova taxa interbancária, até agora conhecida por ESTER, serve a função de taxa de apoio, complementando assim as taxas de referência já existentes e que são produzidas pelo setor privado. Mas, afinal, porquê a criação desta nova taxa? Saiba tudo sobre este tema.

€STR: Conheça a nova taxa de A a Z

Euribor: o que é e de que forma afeta a sua vida

Criada para aumentar a transparência e a confiança

O principal objetivo da €STR é proporcionar maior transparência e fornecer mais informação sobre o real funcionamento do mercado. Este aspeto é vital para restaurar a confiança do mercado que foi significativamente abalada pelos escândalos de manipulação da Euribor e da Eonia – Over Night Index Average.

As distorções destas taxas podem ter impacto nos preços dos ativos, desfasando-os da realidade, uma situação que traz problemas à transmissão da política monetária do BCE para a economia real.

Pensada para ser mais representativa

A Euribor e a Eonia são calculadas com base em estimativas, sem corresponderem, efetivamente, a valores de transações reais. É essa estrutura de cálculo que as torna mais suscetíveis a manipulações e distorções da realidade que, efetivamente, acontecem nos mercados. A forma de cálculo da €STR, torna-a numa taxa de referência mais transparente e mais representativa da realidade.

Como é calculada a €STR?

De acordo com a informação divulgada pelo BCE a €STR é calculada segundo um modelo híbrido, com base nas taxas de transações interbancárias reais e nas estimativas apontadas pelos próprios bancos.

A €STR foi desenvolvida pelo Instituto Europeu de Mercados que gere a Euribor e que depende do BCE. Depois de uma longa fase de testes, a nova taxa entra em vigor a partir de 2 de outubro de 2019.

Uma taxa hídrida

Enquanto taxa híbrida, a €STR é calculada, em simultâneo, com base em estimativas e em transações reais — tendo em conta informação estatística sobre as transações individuais reais em euros reportadas pelos 52 maiores bancos da Zona Euro.

A intenção inicial do BCE era de que esta taxa fosse calculada exclusivamente a partir de transações reais, uma proposta que foi rejeitada pelos bancos. Deste modo, o seu cálculo passou a considerar também estimativas.

O que acontece à Euribor e à Eonia?

As atuais taxas de referência da zona euro, Eonia (curtíssimo prazo) e a Euribor (curto/médio prazo), apresentam problemas e precisam de reformas. No caso da Eonia, é sabido que essa reforma será efetuada à luz da estrutura da €STR.

Assim, e já a partir de 2 de outubro de 2019, a nova taxa irá servir para calcular a Eonia, que passa então a ser a soma da taxa €STR mais 0,085%. Já em 2021 a Eonia deixa mesmo de existir.

Quais os impactos destas mudanças na sua vida?

Para já, não se espera que a €STR venha a ter grande impacto na sua vida. Se tem um crédito à habitação e se o mesmo foi feito com uma taxa variável, então faz parte dos 95% dos créditos à habitação que têm como indexante a Euribor. E assim continuará.

Prevê-se, no entanto, que a 1 de janeiro de 2020 entre em vigor uma nova fórmula de cálculo da Euribor, a qual poderá ter impactos na prestação do crédito habitação.

Como essa nova fórmula de cálculo ainda não é conhecida, não é possível avaliar, neste momento, os seus impactos. Contudo, é provável que a nova fórmula da Euribor possa ter em consideração a estrutura da €STR.

Porque as taxas de referência são importantes?

As taxas de juro de referência são fundamentais em todo o sistema financeiro e também na economia real. São utilizadas por diversos agentes económicos como referência: bancos que concedem empréstimos, empresas e particulares que recorrerem a esses empréstimos e que emprestam dinheiro aos bancos.

Referência em contratos indexados a taxas de juro variáveis

O recurso a taxas de referência para fixar preços de contratos financeiros diminui a sua complexidade e facilita a normalização desses contratos.

Referência para valorização de rubricas do balanço

As taxas de juro de referência também são utilizadas para efeitos de valorização de rubricas do balanço. Por exemplo, podem ser utilizadas como taxas de desconto para instrumentos financeiros ou em valorizações para fins contabilísticos.

Referência para o mercado de derivados

As taxas de referência são utilizadas como indexante em vários produtos derivados como swaps, opções e contratos a prazo (contratos forward).

Veja também