Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Ana Araújo
Ana Araújo
07 Mai, 2018 - 10:43

Poliomielite: causas, sintomas e tratamento

Ana Araújo

A poliomielite é uma doença infetocontagiosa provocada por um vírus, que afeta sobretudo crianças. Saiba quais as principais causas e formas de prevenção.

Poliomielite: causas, sintomas e tratamento

Apesar de erradicada em Portugal, a poliomielite continua a ser uma doença ativa, sobretudo nos países subdesenvolvidos. Sendo uma doença contagiosa, a infeção ocorre aquando de um contato direto com o vírus, que pode ser através de via oral e fecal.

Deste modo, a contaminação da poliomielite pode dar-se de várias formas: através de gotículas expelidas pela boca; pela ingestão de água contaminada ou ainda através de substâncias contaminadas por fezes infetadas.

Neste sentido, os países mais afetados são a Nigéria, a Índia, o Paquistão e o Afeganistão. É ainda de salientar que as épocas mais propícias para a propagação desta doença são as estações de clima temperado, como o verão e o outono.

Poliomielite: tudo o que deve saber

O que é a poliomielite?

A contaminação da poliomielite ocorre quando o vírus entra no organismo, nomeadamente através da boca e do nariz. Como tal, estes dois órgãos vão ser os primeiros a ser infetados. Uma vez presente no organismo, o vírus viaja ao longo da faringe, acabando por se alojar no intestino.

Esta é uma doença contagiosa que afeta, sobretudo, o intestino, o cérebro e a medula espinal. No entanto, a infeção assume proporções mais graves quando atinge o cérebro, uma vez que aí pode levar à destruição das células motoras, causando a paralisia dos músculos.

Esta é, na verdade, uma das sequelas caraterísticas da poliomielite – a paralisia nos membros inferiores, sendo que, por norma, apenas um dos membros é afetado.

poliomielite

Principais sintomas

Apesar da gravidade dos sintomas da poliomielite, a maioria é muito semelhante aos de uma gripe:

  • Estado gripal;
  • Dor de cabeça;
  • Dor de garganta e náuseas;
  • Fraqueza muscular;
  • Rigidez muscular;
  • Vómitos;
  • Fadiga;
  • Paralisia.

Prevenção e tratamento

vacina da poliomielite

A 24 de outubro assinala-se o Dia Mundial da Poliomielite. Esta é uma iniciativa da Rotary International, no sentido de alertar para os perigos da doença.

Em Portugal, segundo dados do Serviço Nacional de Saúde (SNS), o último caso de poliomielite remonta a 1986, considerando-se a doença erradicada desde 2002. Ainda assim, é importante ressaltar que estes dados são resultado da vacina ter sido incluída no Plano Nacional de Vacinação.

Tendo em conta que ainda não se encontra disponível um tratamento para a poliomielite, a vacinação assume aqui um papel fundamental no controlo e eliminação da doença.

A vacina atual, conhecida como Hexavalente, é combinada e permite a proteção contra seis doenças: hepatite B, difteria, tétano, Haemophilus influenzae tipo b (Hib), tosse convulsa e poliomielite, sendo aplicada entre os dois, quatro e seis meses de idade.

Por esta razão, apesar de ser uma doença mais frequente nas crianças, os adultos que não tenham sido vacinados contra a poliomielite e que viajem para os países onde esta doença seja endémica – Afeganistão, Nigéria, Índia e Paquistão – devem fazer a vacinação antes da viagem.

Veja também: