Mónica Carvalho
Mónica Carvalho
03 Set, 2019 - 09:23
Propinas 2019: tudo o que precisa de saber

Propinas 2019-2020: tudo o que precisa de saber

Mónica Carvalho

Na altura de entrar na universidade há uma questão a importante a considerar: propinas. Faça contas à vida com as informações que partilhamos.

O artigo continua após o anúncio

Se considera estudar no ensino superior, prepare-se para uma novidade: as propinas nas instituições de ensino superior públicas baixaram novamente!

A informação consta em Orçamento de Estado e é um cenário que significa um grande alívio para muitas famílias. Todavia, o Governo não influencia os valores das propinas das universidades privadas pelo que partilhamos também alguns dados já disponíveis.

De realçar ainda que é através das propinas que os alunos atuam na comparticipação dos custos da instituição de ensino superior. As propinas representam, aliás, 30% do valor total das verbas de funcionamento de uma faculdade.

Propina mais baixa dos últimos anos

De acordo com informação partilhada na Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2019, artigo 160º: “A partir do ano letivo 2019/2020, com vista a reforçar o ingresso de jovens no ensino superior, o valor da propina a fixar pelas instituições de ensino superior públicas não pode ser superior a 2 vezes o valor do Indexante de Apoios Sociais (IAS) fixado para o ano em que se inicia o ano letivo, em:

  • Ciclos de estudos conducentes ao grau de licenciado;
  • Ciclos de estudos integrados conducentes ao grau de mestre
  • Ciclos de estudos conducentes ao grau de mestre, quando a sua conjugação com um ciclo de estudos conducente ao grau de licenciado seja indispensável para o acesso ao exercício de uma atividade profissional;
  • Ciclos de estudos conducentes ao diploma de técnico superior profissional.”

Sendo que o IAS de 2019 corresponde a 435,76€, o valor máximo da propina em qualquer instituição pública, nos casos referidos, não pode ultrapassar os 871,52€.

Universidades divulgam valor da propina

propinas

Algumas das principais universidades públicas e privadas do país já divulgaram o valor da propina anual, bem como os prazos de pagamento. Saiba quanto vai ter de pagar.

Universidades públicas

Universidade dos Açores

  • Curso Técnico Superior Profissional: 660€
  • Licenciatura e Mestrado Integrado: 871,52€
  • Pós-Graduação: entre 1.100€ e 2.200€
  • Mestrado: entre 871,52€ e 2.360€
  • Doutoramento: entre 1.665€ e 3.020€

Universidade do Algarve

O artigo continua após o anúncio
  • Curso Técnico Superior Profissional: 607,18€
  • Licenciatura e Mestrado Integrado: 871,52€
  • Mestrado: a partir de 871,52€
  • Doutoramento: a partir de 1.500€

Universidade de Aveiro

  • Curso Técnico Superior Profissional: 600€
  • Licenciatura, Mestrado Integrado e Mestrado: 871,52€
  • Doutoramento: a partir de 2.000€

Universidade da Beira Interior

  • Licenciatura e Mestrado Integrado: 871,52€
  • Mestrado: 1.037,20€
  • Doutoramento: entre 1.625€ e 2.000€

Universidade de Évora

  • Licenciatura e Mestrado Integrado: 871,52€
  • Mestrado: entre 871,52€ e 2.000€
  • Doutoramento: entre 1.250€ e 2.000€

Universidade do Minho

  • Licenciatura: 872€
  • Mestrado: entre 1.250€ e 1.750€
  • Doutoramento: 2.750€

Universidade Nova de Lisboa

  • Licenciatura e Mestrado Integrado: 871,52€

Universidade do Porto

  • Licenciatura e Mestrado Integrado: 871,52€
  • Mestrado: máximo de 1.250€
  • Doutoramento: máximo de 2.750€

Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro

  • Curso Técnico Superior Profissional: 550€
  • Licenciatura e Mestrado Integrado: 871,52€
  • Mestrado: entre 1.019€ e 1.250€
  • Doutoramento: entre 1.250€ e 2.750€

Universidades privadas

CESPU – Cooperativa de Ensino Superior Politécnico e Universitário

O artigo continua após o anúncio
  • Licenciatura e Mestrado Integrado: entre 3.990€ e 6.833€
  • Mestrado: entre 3.987€ e 10.507€
  • Doutoramento: 4.200€

Instituto Politécnico de Gestão e Tecnologia – ISLA

  • Curso Técnico Superior Profissional: 2.178€
  • Licenciatura e Mestrado Integrado: a partir de 30.62,40€
  • Mestrado: 2.204,40€

Instituto Superior de Gestão – Business & Economics School

  • Licenciatura e Mestrado Integrado: a partir de 3.630€
  • Mestrado: 3.231,25€
  • Pós-Graduação: a partir de 2.550,02€
  • MBA: 2.805€

ISMAI – Instituto Universitário da Maia

  • Licenciatura e Mestrado Integrado: a partir de 2.997,30€
  • Mestrado: a partir de 1.588,86€
  • Doutoramento: a partir de 2.091,32€

Universidade Católica Portuguesa

Esta instituição apresenta o valor de propina por unidade de crédito – 5 mensalidades por semestre com um valor de ECTS único por aluno e correspondente ao curso em que está inscrito, quer para os estudos de primeiro ciclo, quer do segundo e terceiro ciclo.

  • Licenciatura e Mestrado Integrado: a partir de 10,95
  • Mestrado e Doutoramento: a partir de 23,77€

Universidade Lusíada

  • Todos os ciclos de estudos: a partir de 3.300€

Universidade Lusófona

  • Licenciatura e Mestrado Integrado: a partir de 3.630€
  • Mestrado: 2.318,40€
  • Doutoramento: 2.277€

Universidade Portucalense

O artigo continua após o anúncio
  • Licenciatura e Mestrado Integrado: a partir de 3.783€
  • Mestrado: a partir de 3.783€
  • Doutoramento: a partir de 3.783€

Estes são valores referentes ao primeiro ano de frequência de cada ciclo de estudos. Deverá consultar mais informações na instituição e curso do seu interesse.

Candidatura à universidade: 8 coisas que não pode esquecer
Veja também Candidatura à universidade: 8 coisas que não pode esquecer

Propinas: dúvidas frequentes

Como se processa o pagamento da propina

Para entender melhor como funciona o pagamento das propinas, o ideal é informar-se junto da instituição de ensino em causa. Isso porque a forma de liquidar o valor pode ser diferente de acordo com cada universidade ou politécnico, bem como as datas a respeitar.

Mas, regra geral, as propinas podem ser pagas em prestações, sendo a modalidade das 11 prestações mensais a mais comum. Entre as formas de pagamento estão: multibanco, pagamento na tesouraria da instituição e, até, Paypal.

Alunos com incapacidade igual ou superior a 60%

À semelhança do que aconteceu em anos anteriores, no ano letivo 2019/2020, os alunos inscritos no ensino superior que comprovem possuir um grau de incapacidade igual ou superior a 60% são considerados elegíveis para efeitos de atribuição de bolsa de estudo, nos termos do regulamento aprovado pelo membro do Governo responsável pela área do ensino superior.

Quanto ao valor atribuído, esse corresponde ao valor da propina efetivamente paga, até ao limite do valor da propina máxima para o grau de licenciado.

Alunos em situação de incapacidade financeira

Para os alunos que vão recorrer às ajudas das Bolsas de Estudo, atribuídas pelo Estado ou pelos Serviços de Ação Social das Universidades e Institutos Politécnicos, relembramos que devem estar atentos aos prazos para concorrer a este apoio. No caso das universidades públicas, a candidatura à atribuição de uma bolsa de estudo deve ser submetida:

  • Entre 25 de junho e 30 de setembro;
  • Nos 20 dias úteis subsequentes à inscrição, quando esta ocorra após 30 de setembro;
  • Nos 20 dias úteis subsequentes à emissão de comprovativo de início de estágio por parte da entidade que o faculta, no caso de licenciados ou mestres que estejam a realizar estágio profissional.

De salientar que que as bolsas funcionam a fundo perdido e visam apoiar estudantes desfavorecidos socialmente, deslocados ou portadores de deficiência. De acordo com informações do Ministério da Educação, “o número de bolseiros da ação social no ensino superior atingiu, em 2017/2018, o maior valor desde 2010, com 73.438 bolsas atribuídas.” O número de bolsas a atribuir não é limitado, pelo que tudo dependo da quantidade de alunos que se candidatem e cumpram com os requisitos.

Veja também
Partilhar Tweet Pin E-mail WhatsApp