Luana Freire
Luana Freire
13 Mai, 2019 - 00:00
O seu seguro auto cobre riscos catastróficos? Saiba porque é importante

O seu seguro auto cobre riscos catastróficos? Saiba porque é importante

Luana Freire

Basta um acaso combinado à ação da força da natureza para que o seu carro esteja em risco. Se o seu seguro auto não cobre riscos catastróficos, mude já.

O artigo continua após o anúncio

Tempo de chuva, ventos fortes e queda de granizo são alguns dos fatores que o fazem tremer de receio quando o assunto é o seu seguro automóvel? Então, o mais provável é que não esteja a ser protegido da melhor forma pela seguradora que o acompanha nas estradas. Conheça a cobertura de riscos catastróficos do NETAUTO e deixe-se surpreender pelas suas vantagens.

Sim, nem as grandes catástrofes naturais compensam a aquisição de um seguro completo, há pequenas situações, das quais ninguém está livre, em que deve pensar: a forte queda de gelo, uma enchente provocada por chuvas torrenciais, o choque de objetos arremessados pela ventania… Esses são apenas alguns exemplos que comprovam que deve, sim, pensar em tudo e proteger-se para estar seguro.

Porquê escolher o seguro auto com cobertura de riscos catastróficos

Conduzir com chuva: 7 dicas essenciais

Tem mesmo a certeza de que seu carro está em segurança nas ruas da sua cidade, ou até estacionado na garagem da sua casa? Para muitos, a resposta é a dúvida, enquanto para outros é um claro e sonoro “não”. A verdade é que os mais céticos estão com a razão: o carro não está completamente seguro, esteja onde estiver.

Para quem já passou pela situação de ter o carro estragado como consequência de catástrofes naturais, nem tudo está sob controlo e os imprevistos são, de facto, imprevisíveis e acontecem. Para evitar transtornos, o melhor é estar seguro.

Prova disto é a ação das tempestades, das fortes chuvas e dos ventos – que, por vezes, é um cenário devastador. É mesmo nas grandes cidades que percebemos o aumento do número de sinistros de carros como consequência da força da natureza. A queda de granizo e de árvores, por exemplo, pode afetar o seu veículo.

Como não podemos sair com o carro apenas em dias ensolarados, o melhor mesmo é estar bem prevenido. Quando estamos diante dos danos causados depois da ação da natureza, as dúvidas mais frequentes são:

Será que o meu seguro automóvel vai responsabilizar-se pelos danos causados?
O que acontece agora que o meu carro foi atingido por uma árvore?
Vou ser indemnizado se o meu carro ficou danificado após a queda de granizo?
E se, diante dos fortes ventos e da tempestade, um muro desabou mesmo em cima do meu carro? Devo acionar o meu seguro?

Se estas perguntas fazem sentido para si, então, o seu seguro auto deve assegurar a cobertura financeira do reparo aos >” href=”https://ad.track1v.com/aff_c?offer_id=4625&aff_id=1445&url_id=17012&aff_sub=2_O-&aff_sub5=;” target=”_blank” rel=”nofollow”>Faça já a sua simulação de seguro automóvel >>

Cobertura de riscos catastróficos Netauto

O que pode esperar da cobertura contra riscos catastróficos NETAUTO?

O artigo continua após o anúncio
  • Danos em consequência da queda de granizo; Cobertura de danos sofridos como consequência da ação de tornados, tufões e ciclones;
  • Cobertura contra danos causados pela ação direta de ventos fortes, com velocidades superiores a 80 Km/hora (em modo contínuo ou em modo rajada);
  • Cobertura contra danos provocados pelo choque de objetos que tenham sido projetados ou arremessados numa das situações acima descritas – a ação das catástrofes deve acontecer num raio de 5 km à volta do carro seguro;
    Proteção contra deslizamentos, aluimentos, afundimentos e derrocadas de terrenos, que sejam consequência de fenómenos geológicos;
  • Cobertura contra a ação direta de maremotos, terramotos, erupções vulcânicas e fogo subterrâneo (e ainda de incêndio provocado por um destes fenómenos);
  • Inundações de vidas à ação de: tromba de água ou queda torrencial de chuva (precipitação atmosférica de intensidade qualificada como superior a 10 milímetros em 10 minutos, a comprovar pelo Instituto de Meteorologia, através do seu pluviómetro),
  • Danos que resultem do rebentamento de coletores, adutores, drenos, barragens e diques;
  • Estragos provocados por transbordamentos e enxurradas.

Não necessita de possuir a modalidade de Danos Próprios para beneficiar da cobertura de riscos catastróficos, visto que esta é uma das coberturas opcionais da modalidade Terceiros Mais. >” href=”https://ad.track1v.com/aff_c?offer_id=4625&aff_id=1445&url_id=17012&aff_sub=2_O-&aff_sub5=;” target=”_blank” rel=”nofollow”>Saiba mais aqui >>

Veja também: