Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Ana Duarte
Ana Duarte
08 Mai, 2018 - 15:01

Os smartphones estão a tornar-nos estúpidos? Este estudo diz que sim

Ana Duarte

Um estudo científico concluiu que a mera presença de um smartphone prejudica a nossa capacidade cognitiva, mesmo que esteja desligado. Saiba mais.

Os smartphones estão a tornar-nos estúpidos? Este estudo diz que sim

Os smartphones estão a tornar-nos mais estúpidos? Um estudo realizado por investigadores da Universidade da Califórnia, do Texas e de Carnegie Mellon, nos Estados Unidos, afirma que sim. É difícil ver alguém passar mais do que uma hora sem olhar para o telemóvel, quer esteja sozinho ou com outras pessoas.

Ainda que não pegue no dispositivo para fazer algo concreto como tirar uma fotografia, fazer uma chamada ou enviar um e-mail, as pessoas verificam o telemóvel de pouco em pouco tempo só para ver as notificações. E parece que isso nos está a tornar mais estúpidos.

Estudo: os smartphones estão a tornar-nos mais estúpidos

Interagir com os telemóveis de forma intensiva e constante afeta as experiências das pessoas e a sua capacidade cognitiva. Investigadores americanos publicaram um artigo científico no qual afirmam que a mera presença do smartphone reduz as capacidades cognitivas do utilizador.

Os peritos investigaram de que forma é que o telemóvel influencia as habilidades cognitivas ao conduzir duas experiências laboratoriais com cerca de 800 pessoas.

Smartphone

Fonte da imagem: Pexels

Numa tarefa, os participantes completavam, em simultâneo, problemas de matemática e memorizaram letras aleatórias. Este teste permite perceber como é que os indivíduos conseguem acompanhar e memorizar informação relevante enquanto participavam numa tarefa cognitiva complexa.

No segundo ensaio, os participantes visualizaram um conjunto de imagens que formavam um padrão incompleto e escolheram a imagem que melhor o completava. Este teste mede a “inteligência fluída”, ou seja, a capacidade de uma pessoa para resolver problemas novos.

A intervenção dos investigadores nestas experiências limitava-se ao seguinte: a perguntar aos indivíduos, antes de completarem as tarefas, se preferiam colocar os telemóveis à sua frente (virados para baixo, pousados na mesa), mantê-los nos bolsos ou malas ou deixar os dispositivos noutra sala.

Todos os gadgets estavam em modo silencioso e sem vibrar, de forma a que os indivíduos não pudessem ser interrompidos por notificações, chamadas, etc.

Resultados do estudo

Os resultados foram bastante esclarecedores: os participantes que completaram as tarefas e que tinham deixado os smartphones noutra sala tiveram um desempenho superior em relação àqueles que deixaram os telemóveis nos bolsos. Os piores resultados foram registados pelos indivíduos que tinham optado por deixar os dispositivos em cima da mesa.

Resultados semelhantes foram observados quando os gadgets estavam desligados: os participantes tiveram uma performance menos boa quando os equipamentos estavam por perto, tendo um desempenho superior quando o aparelho estava noutra sala.

Apenas o facto do telemóvel estar na mesa refletia-se numa reduzida, mas estatisticamente significativa baixa na capacidade cognitiva da pessoa.

A capacidade cognitiva está relacionada com a aprendizagem, raciocínio e desenvolvimento de ideias criativas por parte de um indivíduo. Os resultados obtidos nesta experiência provam que a mera presença dos smartphones afeta a capacidade das pessoas em concentrar-se, pensar e resolver problemas.

Veja também: