ebook
Ebook Finanças (s)em Crise
Um guia para tempos complicados
Valdemar Jorge
Valdemar Jorge
14 Jul, 2021 - 12:09

Toyota Hiace: a história de sucesso de uma carrinha indestrutível

Valdemar Jorge

A Toyota Hiace é um modelo ícone da marca nipónica. Durante anos foi dos veículos preferidos de famílias e empresários. Fiabilidade é a palavra de ordem.

Toyota Hiace

Falar da Hiace implica forçosamente fazer uma viagem pelos 53 anos da Toyota, em Portugal, e visitar a unidade fabril de Ovar, onde o modelo foi construído. Além de ser um grande sucesso de vendas, este modelo pode ser considerado o antecessor dos SUV, tal como hoje os conhecemos. Mas, com a particularidade de ser tão fiável, que muitas famílias e empresários usavam a Hiace, de segunda a sexta-feira, como veículo de trabalho e, ao fim-de-semana, como meio de transporte familiar e de lazer para passeios, idas ao campo e à praia.

Esta dupla vertente constituiu o grande segredo do êxito da Hiace que ainda hoje movimenta paixões no seio da “família” Toyota e dos “toyotistas”.

Depois de servir várias gerações encontrou um sucessor à altura. Desde 2012 um novo furgão surgiu no portfólio de produtos da Toyota e pretende fazer, igualmente, caminhada de sucesso. Trata-se da Proace, que traz a mesma capacidade, espirito empreendedor e aventureiro da Hiace. Mas sobre esta falaremos mais à frente.

Toyota Hiace: como tudo começou

Embora no mercado europeu o modelo Hiace tenha sido substituído pela mais moderna Proace, a verdade é que atualmente, continua a ser produzido no mercado doméstico do Japão. A Toyota Hiace começou a ser comercializada em 1967. Trata-se de um veículo comercial ligeiro produzido pela Toyota e disponível à época numa variante de configurações de carroçaria que contemplavam versões de minivan, pequeno autocarro, furgão, táxi, ambulância e de caixa aberta.

A primeira geração da Hiace foi desenvolvida em 1960, pela Toyota Auto Body, uma empresa subcontratada pela Toyota, que desenhou uma van de pequeno porte com design one-box, muito semelhante ao que se utilizava na Europa.

O modelo acabaria por ser introduzido no mercado em 1967 e, desde logo, conquistou adeptos. Inicialmente começou a ser comercializado como veículo de transporte até 8 pessoas, com motor instalado em baixo, entre os passageiros da frente, seguindo as normas regulamentares do governo japonês, no sentido de incentivar as vendas.

Cinco gerações de 1967 a 2012

Nos 45 anos em que foi produzida, a Toyota Hiace conheceu cinco gerações. Se a primeira geração estava vocacionada para dar resposta a um conjunto de exigências profissionais, quer de transporte de pessoas, quer de bens, as que se lhe seguiram reforçaram ainda mais esse objetivo, sempre com galhardia e principalmente com forte cunho de fiabilidade. Conceito que a Toyota sempre perseguiu.

A segunda geração da Hiace, data de 1977 (designações H11/H20/H30/H40) e apresentava cabina mais longa e aerodinâmica, com faróis únicos na frente. Com dimensões maiores, apresentava cabina dupla e nas motorizações disponibilizava blocos a gasolina e diesel. De salientar que nas designações os códigos de chassi da série “H11” significam curta distância entre eixos, enquanto que as van da série 20, também têm distância curta entre eixos, sendo que as séries 30 são longas e as 40 são designadas super longas.

Por aqui se vê o alcance do modelo e o objetivo de estar presente no mercado, apresentando várias soluções de cabine e comprimento de chassis.

A terceira geração entrou no mercado em 1982. Mas os modelos de segunda geração continuaram a ser comercializados durante algum tempo, sendo exportados da Europa e Japão para países africanos e asiáticos, onde conquistaram posição como veículos de transporte público.

Não perca 50 anos da Fábrica Toyota em Ovar: a produção nacional Toyota

O ano de 1989 marca a chegada da quarta geração (designação H100) da Hiace. Mais madura, adaptada às exigências dos tempos e com uma característica intrínseca ao modelo desde a primeira geração de 1967: continuava disponível em várias configurações de chassis e de cabine.

Esta dupla vertente é talvez a chave da continuação do sucesso do modelo na quarta geração que estava disponível com seis motorizações a gasolina, com cilindradas entre os 2.0 litros e o 4.0 litros (esta vocacionada para ambulância) e quatro blocos diesel balizados entre os 2.4 litros e os 3.0 litros.

Motores possantes e fiáveis, na maioria associados a tração traseira ou tração integral (estas disponíveis consoante a especificação das versões).

Enquanto na Europa a Hiace tem como sucessora a Proace o facto é que o modelo H100 da quarta geração continua a ser um dos mais populares na China onde é produzido pelos fabricantes Jinbei Motors, King Long Motors e Foton Motor Company. Estes modelos são exportados para diversos mercados, nomeadamente para o Chile, mas também encontramos fabricantes do modelo no Egito (Bavarian Auto Group) e no Sri Lanka.

A quinta geração surgiu na Europa em 2004 e permaneceu até ao final de produção do modelo em 2012.

Toyota Hiace produzida em Ovar de 1979 a 2012

Como já referimos, a Hiace é um dos modelos ícone na marca nipónica e, em Portugal, tem carreira de longo sucesso sublinhada por uma palavra que define este modelo de forma bem real: fiabilidade.

A Hiace foi um dos modelos charneira da fábrica da Toyota em Ovar inaugurada em 1971. Desfolhando o livro “50 Anos Toyota Portugal” (produção da Unidade de Soluções Comerciais e Multimédia do Global Media Group para Toyota Caetano Portugal, em 2019) ficamos a perceber a importância deste modelo, pelas palavras de José Reis da Silva Ramos, presidente da Toyota Portugal.

Questionado sobre os modelos Toyota lançados em Portugal que mais o marcaram revela:

Fazendo a lista dos que me marcaram mais eu começaria pela Hiace. A Hiace foi introduzida em Portugal numa altura de crise profunda, numa altura em que a fábrica de Ovar poderia até estar comprometida. Ora, a Toyota demora anos a lançar novos modelos e neste caso, avaliando a situação e dentro do seu espírito de cooperação, tomou uma decisão relâmpago e deu prioridade à fabricação da Hiace no nosso país. Por essa razão, esse modelo ficou marcado na minha memória.

E a Hiace foi construída na unidade fabril de Ovar entre 1979 e 2012 (2.ª geração, 1979; 3.ª geração, 1982; 4.ª geração, 1989; 5.ª geração, 2004) num total de 81.600 unidades.

Protagonista na vida real e… no cinema

Um dos reconhecimentos feitos a propósito da importância da Hiace para os portugueses está bem patente no filme “Índice Médio de Felicidade”, realizado por Joaquim Leitão, produzido por Tino Navarro, distribuído pela MGN, e que estreou em 2017. O filme é uma adaptação do livro com o mesmo nome “Índice Médio de Felicidade”, de David Machado.

Victor Marques, relações públicas Toyota e Lexus à época, revelou à “Vida Económica” que a ligação da Toyota a este filme “aconteceu de forma natural e sustentada pelo principal dos motivos: a Toyota Hiace é protagonista nesta história”.

O filme conta a história de uma “velhinha” Toyota Hiace “que leva os protagonistas numa viagem de estrada até Andorra”. Não foi fácil encontrar um modelo da 3.ª geração, tendo em conta que a maioria dos exemplares que existem estão nas mãos de clientes da marca.

Mesmo assim, como referiu Victor Marques, a Toyota Caetano Portugal empenhou-se neste projeto que “celebra uma história de esperança” e ainda reforça “a relação próxima que a nossa marca tem no imaginário dos portugueses, através destas incansáveis e míticas Hiaces, que se encontram um pouco por todo o país, ainda a funcionar, com muitos quilómetros em cima”.

O projeto teve ainda o condão de envolver internamente os colaboradores da Toyota, nomeadamente os da fábrica de Ovar onde a “velinha” Hiace nasceu.

Toyota Proace

O futuro: Toyota Proace

O modelo Toyota Proace marca o futuro das gerações Hiace. A primeira geração data de 2012 com variantes Proace Van, vocacionada para transporte de mercadorias e serviços, e Proace Verso, para passageiros ou uso familiar.

Em 2019, a 30 de abril, no Salão de Veículos Comerciais, em Birmingham, no Reino Unido, a marca estreou mundialmente o furgão compacto Proace City, de classe 1 de portagem que amplia a presença da Toyota no segmento dos Veículos Comerciais Ligeiros (LCV).

Entretanto, e dando continuidade à política de modernização e adequação às exigentes diretrizes da União Europeia no que se refere aos novos regulamentos de baixas emissões, a marca colocou no mercado, em 2020, as versões BEV (Battery Electric Vehicle) da Proace e Proace City.

Neste âmbito, a Toyota aproveitou e lançou uma nova estratégia para os veículos comerciais, a Toyota Professional. Iniciativa que como sustenta trará “mais foco e dedicação aos veículos comerciais em toda a sua rede Toyota”.

A expansão da eletrificação aos veículos profissionais da marca nipónica é também uma realidade. E tudo começou na Toyota Hiace, modelo que conquistou tantos portugueses e que, atualmente, mantém uma aura de sucesso no seio dos modelos antigos ou clássicos.

Veja também