Ekonomista
Ekonomista
15 Fev, 2024 - 15:33

Viagem ao Egipto: que tal um cruzeiro no Nilo?

Ekonomista

Um jantar no Nilo e uma paragem pelo mítico navio que inspirou Agatha Christie: embarque numa viagem pelo rio mais extenso do mundo.

Há muitos anos que pequenas e, mais tarde, maiores embarcações percorrem o Nilo. Turisticamente, foi Thomas Cook, cuja empresa homónima recentemente faliu, que organizou as primeiras linhas de cruzeiros no Nilo, em 1869.

Desde então, aquele que é o maior rio do mundo em comprimento tem atraído milhares de viajantes. Os pontos de paragem mais frequentes são Luxor, Esna, Edfu, Kom Ombo, Assuão e Abu Simbel. Isto significa que as rotas não começam nem terminam no Cairo.

Sendo este o principal destino turístico, é comum os pacotes de viagem mais completos incluírem deslocação até Luxor ou Assuão.

O Egipto, pertencendo ao grupo de países em desenvolvimento, apresenta naturalmente idiossincrasias menos comuns no ocidente.

Exemplo disso é o facto de em alguns portos não haver espaço suficiente para todos os navios atracarem, o que faz com que as embarcações encostem em paralelo, sucessivamente.

Isto significa que a passagem até terra, e vice-versa, é feita entre os vários navios que estiverem atracados.

Principais modalidades de cruzeiros no Nilo

Com uma história milenar, o Egipto é uma das civilizações mais marcantes, e importantes, da história da humanidade. Daí que seja um absoluto santuário para a arqueologia.

São camadas de terra que escondem vestígios dos prodígios técnicos de um povo, a forma como vivia e se relacionava socialmente, como estava politicamente organizado. Os faraós míticos, como Tutankhamon ou Ramsés. A história bíblica de Moisés e da libertação dos judeus rumo à Terra prometida. O Egipto é história em cada esquina.

Por isso, para além da obrigatória visita a esse prodígio de engenharia que são as pirâmides de Gizé ou a enigmática esfinge, nada como aproveitar para um cruzeiro no rio sagrado dos egípcios. E não faltam opções.

1

Cruzeiro de vários dias

Trata-se de um dos pacotes de viagem mais populares nos cruzeiros no Nilo. Normalmente, a viagem dura entre 3 a 5 noites; o trajecto inclui as cidades/zonas de Luxor, Esna, Edfu, Kom Ombo e Assuão; alguns vão até Adbu Simbel.

Nestes packs pode haver referência ao Cairo, mas não se trata de actividades de cruzeiro. É turismo em terra. A vantagem é que a agência tratará da deslocação entre Cairo e Luxor (600 quilómetros de distância).

Entre as principais atracções podem incluir-se as montanhas do deserto onde se encontra o Vale dos Reis, com os túmulos dos faraós, o Templo de Medinet Habu, vista panorâmica ao templo da morgue de Hatshepsut ou os Colossos de Memnon.

Os Templos de Luxor, de Karnak e de Hórus e a Eclusa de Esna são outros marcos interessantes.

Mais à frente na viagem pode ainda haver tempo para visitas ao Templo de Kom Ombo, Barragem de Assuão e o complexo arqueológico de Abdu Simbel.

2

Cruzeiros de luxo

Além da tradicional viagem acima apresentada, há ainda espaço no rio mais extenso do mundo para os cruzeiros de luxo. Um dos mais icónicos navios a operar nesse segmento é o Steam Ship Sudan, baptizado com o nome Sudão por este país também ser atravessado pelo Nilo.

O Steam Ship Sudan faz duas rotas: a The Dynastic e a Eternal River, trajectos em sentidos inversos entre Assuão e Luxor/Quena.

A história do Steam Ship Sudan remonta à década de 20, um período dourado para as viagens no Nilo. Os utilizadores eram, sobretudo, diplomatas, empresários e arqueólogos que exploravam o Antigo Egipto.

Em 1933, e esta é a imagem de marca do navio, Agatha Christie embarcou numa missão arqueológica, onde se inspirou para escrever a célebre obra Morte no Nilo.

Depois da Segunda Guerra Mundial, a embarcação ficou deixada ao abandono, durante 50 anos, até que é reactivado, em 1991, através de um empresário egípcio. Os actuais donos são o Voyageurs du Monde o encontrou novamente abandonado em 2000, recuperou e colocou novamente no Nilo, num espaço de 11 anos.

As 5 noites de duração do cruzeiro podem ser passadas em cabines cuja decoração espelha a união da história entre rio, barco e antigo Egipto.

Cairo
O Cairo é uma das maiores metrópoles do mundo
3

Cruzeiro por Assuão

Aswan, ou, em português, Assuão, é uma cidade edificada nas margens do rio Nilo, outrora um importante ponto comercial. A 800 quilómetros a sul do Cairo, este cada vez mais um destino mais conhecido e requisitado, em alternativa à famosa capital.

Entre os pontos mais conhecidos, destacam-se o Obelisco inacabado, o Museu de Núbia, o mausoléu de Aga Khan e a Mesquita de Assuão.

O Jardim Botânico, na Ilha Lord Kitchener, com uma ímpar panóplia de plantas, é também outro motivo de interesse. Nas proximidades situa-se a Ilha Elefantina, repleta de ruínas e templos.

4

Jantar no Nilo

Para quem não tem tempo suficiente para estar 4 ou 5 dias no Nilo, pode estar apenas umas horas. Esta é uma modalidade oferecida por várias empresas, entre elas a que opera o navio de 5 estrelas Nilo Maxim.

Trata-se de uma viagem de duas horas ao longo do Nilo, do Velho Cairo ao Novo Cairo. Pode apreciar as luzes nas margens tal como o ambiente mítico desta zona do globo.

O jantar é em regime buffet e inclui, naturalmente, especialidades da gastronomia árabe e egípcia. Depois do jantar, há tempo ainda para um show de dança tradicional de Tanoura, tal como a popular dança do ventre.

Além de cruzeiros de vários dias, existe também a possibilidade de estar no Nilo num típico barco de pesca, chamado Felucca (falucho). Esta é uma opção interessante para quem tem poucos dias de viagem e pretende, ainda assim, ter uma experiência tradicional no rio.

Veja também

Artigos Relacionados