Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Miguel Pinto
Miguel Pinto
02 Out, 2020 - 11:05

5 de outubro de 1143: o primeiro dia do resto da vida de Portugal

Miguel Pinto

O Tratado de Zamora foi assinado a 5 de outubro de 1143, entre D. Afonso Henriques e o seu primo, Afonso VII de Leão e Castela. Nascia Portugal.

Estatua de D. Afonso Henriques

A 5 de outubro de 1143, D. Afonso Henriques e o seu primo Afonso VII de Leão e Castela assinavam o Tratado de Zamora, uma data que muitos historiadores apontam como a verdadeira data da independência do Reino de Portugal. Por isso, para além de neste dia se assinalar a implantação da República, em 1910, também se pode festejar o 877º aniversário do país com as fronteiras mais antigas da Europa.

Esta coincidência entre os festejos de simpatizantes monárquicos e empedernidos republicanos só é possível num país com uma história tão longa e rica como a que Portugal ostenta. Do Condado Portucalense até às fronteiras atuais vão muitos séculos de guerras, intrigas, amores, desamores, traições e engenho.

Há quem admita apenas como data definitiva da independência portuguesa o dia 23 de maio de 1179, altura em que o Papa Alexandre III emitiu a Bula Manifestis Probatum, estabelecendo em definitivo Portugal como reino independente e Afonso Henriques como o seu rei.

Mas bem antes, Portugal já se tinha começado a livrar das amarras que o impediam de gerir o seu próprio destino. E a data que marca essa vontade de liberdade é mesmo 5 de outubro de 1143.

5 de outubro de 1143: o primeiro dia português

Assinatura do Tratado de Zamora a 5 de outubro de 1143
Painel alusivo à assinatura do Tratado de Zamora

Não se sabe muito bem em que data nasceu D. Afonso Henriques (embora 1109 seja o ano mais pacífico), nem onde terá vindo ao mundo de facto (Guimarães defende a tradição, mas Viseu reclama com factos históricos). O que é certo é que o primeiro rei de Portugal está no campo de batalha a 24 de junho de 1128, num confronto decisivo pelo controlo do condado que lhe tinha sido legado pelo pai.

De um lado está Afonso Henriques e a generalidade dos barões portucalenses, e do outro as tropas lideradas pelo senhor galego Fernão Peres de Trava e D. Teresa de Leão. Sim, era a mãe do rei de Portugal e não, ele nunca a colocou a ferros, tão pouco lhe bateu.

Foi a famosa batalha de São Mamede, que ninguém afirma com certeza absoluta onde se travou, para além de se saber ter sido nos arredores de Guimarães, e saldou-se por uma vitória dos portugueses em toda a linha. A partir daqui, o jovem Afonso inicia uma caminhada imparável até à liderança incontestada do Reino de Portugal.

Escaramuças ibéricas

Contudo, do outro lado estava sempre o reino de Leão e Castela, que via Portugal como uma extensão natural dos seus territórios. Afonso Henriques é que não foi na cantiga e as suas acções ao longo dos anos foram claras no propósito de criar um estado uno e independente.

E como a melhor defesa é, regra geral, o ataque, o nosso primeiro rei iniciou algumas incursões em terreno leonês, que na altura incluía também toda a Galiza. Aproveitando o conflito que o seu primo mantinha com a mais distante Navarra, Afonso Henriques invade Tui, mas Afonso VII força a devolução da cidade, acabando ambos por assinar o Tratado de Tui, em 1137.

Aclamação

Dois anos depois, em 1139, já encontramos Afonso Henriques ocupado com o alargamento das suas fronteiras a sul, sendo neste ano que vence a decisiva batalha de Ourique (diz-se que no Baixo Alentejo, mas também não há certezas) contra os muçulmanos, sendo que estes estavam em muito maior número.

A vitória foi retumbante e Afonso Henriques não só é aclamado rei ainda no campo de batalha, como também começa a usar oficialmente o título de Rex Portugallensis, ou Rei dos Portugueses.

Só que quando se pensava que o primeiro rei de Portugal iria continuar por ali abaixo, ele decide romper o Tratado de Tui, ainda recentemente assinado, e volta a invadir a Galiza. Um pouco farto das escaramuças com o primo, Afonso VII de Leão e Castela entra com o seu exército Portugal adentro e só pára perto de Arcos de Valdevez, onde se dá o agora famoso Recontro de Valdevez, um torneio medieval que terá evitado uma sangrenta batalha.

castelo de Guimarães
Castelo de Guimarães, berço da nacionalidade

5 de outubro de 1143: não à vassalagem

D. Afonso Henriques sempre recusou prestar vassalagem ao primo, proclamado imperador de Leão e Castela, mantendo sempre um rumo firme de encontro a uma solução que lhe garantisse a almejada autonomia. Isso aconteceu a 5 de outubro de 1143, em Zamora, perante o cardeal Guido de Vico, enviado pelo Papa Inocêncio II como legado da Santa Sé à Península Ibérica.

Só que o acordo obrigou D. Afonso Henriques a mais uma habilidade diplomática. É que muito embora Afonso VII de Leão e Castela reconhecesse o título de rei ao seu primo, também ficava claro que Afonso Henriques reconhecia aquele como Imperador das Espanhas e, como tal, seu suserano.

Aliás, Afonso VII cedeu-lhe a fortaleza Astorga, vínculo claro da vassalidade devida. O rei português acaba por dar a volta ao texto, fazendo-se vassalo de São Pedro, ou da Santa Sé, vai dar ao mesmo, a quem passa a pagar um tributo anual de quatro onças em ouro, prometendo ainda defender a cristandade dos infiéis.

Independência irreversível

Ou seja, Afonso Henriques colocava-se sob a proteção de um suserano que na Idade Média estava muito acima do Imperador das Espanhas. O Papa aceitou o tributo em ouro, mas recusou o outorgar o termo de rei a Afonso Henriques, chamando-lhe apenas dux. A confirmação eclesiástica do ambicionado título só chegaria em 1179.

No entanto, é legítimo considerar 5 de outubro de 1143 o primeiro dia completo de Portugal enquanto país independente. Foi em Zamora que se tornou irreversível o movimento autónomo que há muito medrava na sociedade portucalense de então e que encontrou em D. Afonso Henriques o seu líder para o difícil combate com o poderoso vizinho castelhano. Foi há 877 anos e é mesmo o primeiro dia do resto da vida de Portugal.

Veja também