Publicidade:

Saiba qual é a origem do pingo no nariz

Capaz de irritar qualquer um, o pingo no nariz parece obrigá-lo a fazer do pacote de lenços o seu melhor amigo. Descubra a origem deste problema.

Saiba qual é a origem do pingo no nariz
É mais comum do que possa imaginar

Está a caminhar na rua e de repente surge aquela sensação desconfortável de humidade na ponta do nariz. Se este cenário lhe parece familiar então é porque, em algum momento, já foi vítima do pingo no nariz. Com capacidade para deixar qualquer pessoa incomodada, este problema, extremamente comum, obriga a que garanta que tem sempre consigo um pacote de lenços para acabar com o desconforto.

A pior parte? O pingo nasal pode ter várias causas na sua origem, pelo que nem sempre será fácil compreender por que motivo enfrenta o problema. Da gripe à rinite alérgica, passando pela sinusite e pelo simples efeito do ar frio no inverno, várias são as razões que justificam o aparecimento do incómodo. Conclusão? O melhor mesmo será, em primeiro lugar, garantir que faz tudo para que o seu sistema imunitário não fique enfraquecido,

Ora, está na altura de ficar a saber tudo sobre o pingo no nariz para que consiga resolver a maleita o mais rapidamente possível.

O que pode motivar o pingo no nariz?


conheça a origem do pingo no nariz

Talvez lhe pareça estranho, mas o nariz de uma pessoa comum, sem problemas de saúde que alterem este quadro, produz uma média diária de quase 1 litro de muco. Claro está que não se apercebe deste facto porque, regra geral, os fluídos não chegam ao exterior, ficando apenas no interior do seu nariz e por trás da garganta.

Isto acontece que porque o muco é, na realidade, uma forma de proteger as suas vias respiratórias. Além de evitar a passagem de microrganismos agressores vindos do exterior, tem também propriedades antibacterianas.

É precisamente por esse motivo que quando o seu nariz está em contacto com o ar frio, por exemplo, a produção de muco é superior e, portanto, mais provável que dê origem ao famoso pingo no nariz. Acontece que a circulação de sangue no nariz aumenta, de modo a mantê-lo mais quente e a aquecer o ar que vai para os pulmões. Resultado? A produção de fluídos aumenta e não existe armazenamento suficiente, pelo que acabam por ser expelidos através do nariz.

Posto isto, já deve ter percebido que o seu pingo nasal pode mesmo ter diversas causas na sua origem. Aos efeitos do ar frio, juntam-se as famosas constipações e as tão odiadas e típicas alergias sazonais – sim, se o seu nariz está a pingar pode mesmo ser devido à rinite ou à sinusite.

Gripe e constipação

Típicas dos dias mais frios, as gripes e constipações surgem com maior frequência no outono e no inverno. No entanto, não se deixe enganar porque são doenças que podem aparecer em qualquer altura do ano.

Embora muitas vezes confundidas entre si, são, na verdade, maleitas distintas. As gripes são infeções das vias respiratórias, causadas pelo vírus Influenza e, de forma geral, duram entre 5 a 7 dias. A constipação, por seu lado, é uma infeção menos grave do que a gripe e é causada por vírus como o adenovírus ou o rinovírus.

Em comum têm alguns sintomas, como é o caso do pingo no nariz. Dores de garganta, dores de cabeça, nariz entupido e espirros são também sinais destas doenças bastante contagiosas.

Sinusite

A sinusite é uma inflamação dos seios nasais, cavidades localizadas em torno do nariz. Os sintomas, esses, assemelham-se em muito aos de uma alergia, sendo que o pingo no nariz é um dos mais comuns e incómodos – o muco torna-se bastante líquido e acaba por originar este problema. Pode também contar com pálpebras inchadas, dores de cabeça e nariz entupido.

Rinite alérgica

Como qualquer alergia respiratória, a rinite alérgica surge como consequência do contacto entre as vias respiratórias e um agente exterior e nocivo, como o pólen. Embora possa manifestar-se em qualquer altura do ano, é uma doença mais comum nas na primavera e no outono.

Entre os seus sintomas mais comuns encontra-se o incómodo pingo no nariz, bem como espirros, olhos lacrimejantes e comichão nas vias respiratórias. Importa ainda referir que para um tratamento apropriado é importante que se identifique a origem da alergia.

Veja também: