Publicidade:

Tai Chi Chuan: muito mais do que uma simples ginástica

Nasceu no oriente, na antiga China, muito apreciado no Ocidente, já conquistou milhares de praticantes em Portugal! Desvende a magia desta arte marcial.

Tai Chi Chuan: muito mais do que uma simples ginástica

Quem apenas se senta a contemplar a performance do Tai Chi Chuan sabe que é como estar a assistir uma lindíssima dança oriental, num embalo visual muito exótico, muito leve! Quem a pratica percebe que é uma meditação em movimento, um encontro da quietude dentro do movimento. Movimento lento, em contínuo e sem ruturas. Redondos e grandes redondos, trazendo e levando um fluxo de energia para dentro e para fora. Visualmente é lindo, mas quando experienciado é medicinal, é extraordinário.

Vamos saber mais sobre esta prática meditativa.

Como surgiu o Tai Chi Chuan?


Tai Chi

Esta modalidade marcial nasceu na antiga China, cujos fundamentos assentam em princípios filosóficos como o Taoísmo, a busca pelo Tao, caminho ou força que cria o universo e que está por de trás de todas as coisas.

A história conta-nos que o monge Chang San-Feng desenvolveu a prática para o combate. Através da observação da natureza, dos movimentos dos animais e interação dos elementos naturais surgiram movimentos físicos que influenciariam a energia interna a um nível supremo. A finalidade de combate foi gradualmente dando lugar à prática meditativa.

Alquimia do Tai Chi Chuan, o que nos oferece?

Usar a energia em vez da força física. Encontrar o próprio eixo, Esta é a proposta do Tai Chi Chuan, sendo elementar e simples, é também uma proposta para uma forte transformação.

Os movimentos, redondo e grande redondo, a respiração fluída e profunda, o empurrar e puxar, para dentro e fora, promovem harmonia e equilíbrio. Desenvolver as apetências físicas com a disciplina e método oriental do Tai Chi Chuan é igualmente oferecer ao corpo e mente capacidade de gestão e organização das tensões, emoções, ideias, cansaço, agitação, etc. É a concentração, o equilíbrio entre os opostos que nascem da prática. Uma cura interna pelo um alinhamento correto de corpo, mente e espirito.

Conheça as 5 vantagens da meditação nas escolas >>

Tai Chi Chuan nas sociedades

A alquimia do Tai Chi Chuan desceu das montanhas, onde era praticada entre mestre e alunos, para as aldeias e cidades da China. Tornou-se um símbolo de sabedoria e educação do povo. A transmissão do conhecimento sobre esta arte manteve-se mais ou menos intacta e espalhou- se por entre todas as classes sociais, influenciando profundamente a sociedade, a noção de justiça, caridade, bondade entre as pessoas. Os mestres ensinavam e ensinam a população a ser mais disciplinada, saudável, e mais envolvida com a meditação e espiritualidade. Com o passar dos séculos foi delegado no Tai Chi Chuan o propósito principal de servir e desenvolver a saúde.

Esta arte marcial entranhou-se no dia-a-dia dos orientais e podemos ver autênticas manchas humanas a ondular nos templos, nas praças e nos parques. Todas as idades, todas as classes praticam também nas empresas, hospitais, fábricas, escolas, etc.

E foi tal disseminação, que chegou ao ocidente e é muito apreciada na Europa, especialmente em Portugal. Temos uma vasta oferta de locais e espaços onde pode praticar, como ginásios, centros de modalidades orientais, associações, estúdios e alguns espaços públicos.

tai chi

Alguns benefícios do Tai Chi Chuan:

  • melhora flexibilidade e força muscular;
  • diminui o stress e agitação mental;
  • previne doenças por aumentar a capacidade imunitária;
  • equilibra as emoções, suaviza o corpo e mente;
  • melhora a atenção, concentração e foco;
  • contribui para o desenvolvimento espiritual.

Veja também:

Ana Luisa Santo Ana Luisa Santo

Enfermeira especializada em acupuntura e medicina tradicional chinesa. É uma apaixonada pela saúde natural e terapias alternativas, explorando ativamente formas seguras de cuidar a saúde e o bem-estar. Trabalhou no Serviço de Cuidados Intensivos do Hospital Geral Santo António, Porto. Atualmente trabalha na consulta de acupuntura do Hospital da Lapa. Docente no Instituto Jean Piaget. Enfermeira voluntária na AMI.