Publicidade:

Saiba quais são as vacinas obrigatórias

Não têm muitos fãs mas não há como fugir delas. Descubra quais são as vacinas obrigatórias do Plano Nacional de Vacinação.

Saiba quais são as vacinas obrigatórias
Fique a saber em que idade devem ser tomadas as vacinas

Tomadas desde a infância, as vacinas são odiadas por crianças e evitadas por adultos. Afinal, quem gosta de agulhas? Contudo, as vacinas obrigatórias são de extrema importância para a proteção da saúde individual e pública, uma vez que evitam diversas doenças.

Estas vacinas fazem parte do Plano Nacional de Vacinação, um programa gratuito e destinado a todos os portugueses, que tem como objetivo vacinar o maior número de pessoas com as vacinas mais adequadas. Fique agora a conhecer a lista completa das vacinas que tem de tomar ao longa da vida.

Vacinas obrigatórias: saiba tudo


conheça as vacinas obrigatórias

Por muito estranho que pareça, uma vacina não é mais do que uma substância quimicamente semelhante a um agente infecioso responsável por determinada doença. O seu objetivo é fazer com que o nosso sistema imunitário produza os anticorpos necessários para nos proteger da maleita.

A maioria das vacinas obrigatórias são administradas durante a infância, daí que todas as crianças queiram fugir das temidas agulhas, mas existem algumas cuja toma está prevista para a idade adulta. De facto, grande parte das vacinas que tomamos estão incluídas no Plano Nacional de Vacinação, que é revisto anualmente de modo a garantir-se que as necessidades do país estão a ser suprimidas – por vezes podem ser acrescentadas novas vacinas ao programa.

Atualmente, existem 10 vacinas que são presença obrigatória no seu plano de vacinação e às quais não pode mesmo fugir:

  • VHB  Protege da Hepatite B, uma doença que ataca o fígado e pode até originar cancro. É administrada em 3 doses (à nascença, aos 2 meses de idade e depois aos 6 meses);
  • BCG – Protege contra a tuberculose, uma doença infectocontagiosa. É constituída por apenas 1 dose e administrada à nascença apenas às crianças que pertencem a grupos ou comunidades com risco de doença;
  • VIP – Previne a poliomielite, uma doença que afeta o sistema nervoso e pode mesmo originar paralisia permanente. Divide-se em 4 doses: aos 2 meses, aos 4 meses, aos 6 meses e depois entre os 5 e os 6 anos;
  • DTPa  Protege contra o tétano, a difteria e a tosse convulsa. Esta vacina divide-se em 5 doses: 2 meses, 4 meses, 6 meses, 18 meses e depois entre os 5 e os 6 anos;
  • Td – Protege contra a difteria e o tétano. Diferente da anterior por ter um conteúdo menor de difteria. É administrada aos 10, 25, 45 e 65 anos de idade. Após os 65 anos, a sua toma passa a ser feita de 10 em 10 anos;
  • HIB  Protege contra uma bactéria responsável por alguns tipos de meningite bacteriana e outras doenças pulmonares, a hoemophilus influenzae tipo B. Deve ser tomada aos 2, 6 e 18 meses;
  • PN13  Previne infeções respiratórias e é administrada aos 2, 4 e 12 meses;
  • VASPR  Previne a rubéola, o sarampo e a papeira. Divide-se em duas doses: uma aos 15 meses e outra entre os 5 e os 6 anos;
  • MenC  Protege contra uma bactéria que pode provocar meningite, o meningococo. Deve ser tomada aos 12 meses de idade;
  • HPV – Apenas para pacientes do sexo feminino, já que protege contra o cancro do colo do útero. Divide-se em 3 doses e todas devem ser administradas entre os 10 e os 13 anos (embora mulheres mais velhas também a possam tomar).

Veja também:

Inês Pereira Inês Pereira

Licenciada em Jornalismo e Pós-Graduada em Branding e Content Marketing, sempre se deu bem com a escrita. Embora prefira escrever com um teclado, não acredita nessa ideia de ler um livro através de um ecrã: um livro lê-se em papel e tem um marcador. Gosta de fotografia, de história e de conhecer o mundo.