Publicidade:

Incluir viagens no currículo pode valer-lhe 'aquele' emprego

Atrair a atenção dos recrutadores não é fácil, mas incluir viagens no currículo é geralmente uma boa forma de o fazer. Descubra quais as vantagens.

Incluir viagens no currículo pode valer-lhe 'aquele' emprego
Gosta de viajar? Tire partido disso no CV

Procurar um novo emprego pode ser uma tarefa capaz de frustrar qualquer um. No entanto, o segredo para aumentar as hipóteses de sucesso pode passar pela forma como faz a primeira apresentação. É por isso que seu CV, além de estar impecável, deve destacar-se dos restantes, o que nem sempre é fácil. Afinal, que informações deve acrescentar?

Talvez lhe pareça estranho mas incluir as suas viagens no currículo pode mesmo fazer a diferença e ajudar a que o seu perfil sobressaia entre todos os candidatos.

Convém lembrar que este documento é o primeiro contacto que a empresa tem consigo, pelo que deve apresentar-se da melhor forma possível de modo a garantir que suscita o interesse de quem está a recrutar.

E se julga que o currículo deve ser uma folha aborrecida acerca da formação e experiência, sem espaço para detalhes sobre a sua personalidade ou experiências de vida, está muito enganado. Afinal, se as viagens fazem parte de si então por que não poderão fazer parte do seu CV?

Por que deve incluir viagens no currículo?


saiba se deve incluir viagens no curriculo

Enviar candidaturas atrás de candidaturas não é uma ocupação divertida, especialmente se as respostas tardam em chegar. Mas melhorar o seu currículo e deixá-lo o mais completo possível pode ajudá-lo a encontrar o seu emprego de sonho.

Se está à procura de acrescentar “algo mais” ao CV e com isso passá-lo para o topo da pilha das candidaturas, então considere adicionar as suas incursões pelos quatro cantos do mundo.

1. As viagens resultam em experiência

Um dos motivos pelos quais deve incluir viagens no currículo é o facto de, muitas vezes, isso se converter em experiência que pode ser valiosa para o mundo laboral. O melhor mesmo é adicionar tudo aquilo que se tenha transformado em novos conhecimentos ou capacidades.

Isto significa que detalhes como voluntariado e experiências profissionais fora de portas ou até o blog onde partilha as suas aventuras podem ser cruciais para quem vai avaliar a sua candidatura.

2. As viagens promovem o desenvolvimento de soft skills

Já deve estar farto de ouvir isto mas nunca é de mais relembrar: as soft skills são valiosíssimas. Tratam-se de aprendizagens e capacidades que não pressupõem qualquer tipo de formação, uma vez que são fruto das suas experiências, mas que representam, muitas vezes, a diferença entre conseguir ou não o emprego.

Da capacidade comunicativa à organização, passando pelo comportamento sob pressão ou a capacidade de negociar, a lista de soft skills que as organizações valorizam atualmente é vasta. Assim, incluir as skills adquiridas enquanto viajava permite apresentar a sua faceta menos óbvia a olho nu.

3. As viagens ajudam a explicar as pausas

Períodos de pausa entre empregos podem suscitar a curiosidade e, por vezes, a desconfiança dos recursos humanos de uma empresa. Neste sentido, é muito importante que informe os empregadores acerca das suas viagens entre empregos.

Seja por motivos de lazer ou por uma causa mais nobre, como o voluntariado, o melhor mesmo é explicar tudo. Esta é uma forma de não só justificar a sua ausência do mundo laboral mas também revelar um pouco mais sobre si e os seus interesses.

Como adicionar as viagens ao currículo?


Quando faz o seu currículo sabe que há informações indispensáveis e que não pode esquecer: a sua formação educativa, a experiência profissional e os conhecimentos extra que adquiriu (como a capacidade de falar mais do que um idioma, por exemplo). Contudo, embora por vezes isto baste para conseguir uma entrevista, nem sempre estes dados são suficientes para cativar.

A realidade é que, atualmente, qualquer empresa com um processo de recrutamento aberto recebe dezenas de candidaturas. Isto significa que tem de garantir que o seu currículo se destaca, que chama a atenção do recrutador e, acredite, isso pode fazer a diferença. Uma boa ideia para alcançar este objetivo é, como vimos, incluindo as suas viagens no currículo.

Claro está que não nos referimos a toda e qualquer viagem que já tenha feito. Mas pense nas experiências que já teve no estrangeiro e de que forma podem ter moldado a sua forma de ver o mundo e de se adaptar às mais variadas situações. A verdade é que as viagens são uma ótima forma de adquirir e desenvolver soft skills (que devem ser destacadas CV). O objetivo é mostrar as suas qualidades e os seus valores que podem, de alguma forma, ser úteis para a empresa e, por isso, de valor.

A melhor forma de incluir viagens no currículo varia de caso para caso, uma vez que depende do tipo de viagens. Se viajou para trabalhar no estrangeiro – para dar aulas ou ajudar uma comunidade a reerguer-se após um desastre, por exemplo – então deve entender esses momentos como experiência profissional e colocá-los no respetivo campo do documento.

Se estudou no estrangeiro, seja em Erasmus ou durante apenas umas semanas para aprender uma nova língua, então não se esqueça de o mencionar quando adicionar o campo relativo à formação. Estágios além fronteiras devem também ser incluídos.

Veja também: